Em outubro, o canal de vídeo Records In My Life bateu um papinho com uma grande lenda do rock. Ninguém menos que Paul Weller, relembrando os discos de sua vida. E em especial, o ex-líder do Jam e do Style Council recordou o disco que o inspirou para começar a tocar. Se você tá pensando que ele vai falar de algum disco do The Who, já que Paul é ícone da turma mod, prepare-se para ver o cara falando de Beatles o tempo todo.

“Provavelmente o que mais me inspirou foi ver os Beatles na TV em 1963. Eles fizeram um programa chamado Royal Command Performance. Foi a primeira vez que os ouvi e depois minha mãe comprou o single de She loves you. Minha vida mudou a partir daí”, conta. O primeiro álbum que ele comprou? Justamente Sgt. Pepper’s, dos Beatles, lançado em 1967, mas que Paul lembra de ter comprado no ano seguinte. “Demorei um ano até ter grana pra isso”, conta.

Paul também lembra de ter sido muito inspirado por seu pai, que era empresário artístico. “Meus pais eram apoiadores, sempre diziam que eu devia seguir meus sonhos”. Tem algum disco que ainda inspira Weller depois de 40 anos de carreira discográfica (a estreia do Jam, In the city, saiu em 1977)? “Sim, o catálogo inteiro dos Beatles. Nem sei te falar quantas vezes ouvi essas músicas”, conta Paul, que citou também artistas recentes como Savoy Motel.

A propósito, em 2013, Paul deu uma passadinha na loja de discos Amoeba para renovar o estoque de CDs e saiu de lá com uma coletânea de artistas do Tropicalismo. “Ninguém pode deixar de ter esse disco. Tem Mutantes, Caetano Veloso, Gilberto Gil…”. A brazilian revolution in sound, o tal disco, saiu em 2005 pelo selo Soul Jazz Records e fez um certo barulhinho na mídia, até no Brasil. A love supreme, de John Coltrane, (1965), e Electric warrior, do T. Rex (1971), foram igualmente parar na sacola do músico.