Connect with us

Destaque

Coach de Fracassos: sempre é tempo de desistir

Published

on

Se você é o tipo de pessoa que não aguenta otimismo de almanaque, gente “positiva” e falsa, sujeitos que mandam você sair da “zona de conforto” e coisas do tipo, tem uma grande chance de você se identificar com o Coach de Fracassos, que mantém uma página no Facebook, mas tem em seu Instagram a maior fontes de memes criativos e anti-conselhos para quem quer vencer obstáculos e se dar bem na vida. Olha aí alguns deles.

https://www.instagram.com/p/BxKgD7jnEGr/

https://www.instagram.com/p/BxC8pc-Hkyo/

https://www.instagram.com/p/BwzgbOFnaKQ/

Advertisement

https://www.instagram.com/p/BwrpfHOHi4j/

Se você está achando graça, vamos lá: por trás da gozação, existe uma série de conselhos interessantes no Coach de Fracassos. Sim, tem momentos em que é interessante desistir e admitir que não vai dar certo. Sim, tem horas em que não adianta muito dar uma de herói e o “dar certo” pode ter múltiplos sentidos. Fomos bater um papo com o responsável pela conta (o engenheiro de computação Júlio, de sobrenome não revelado, morador de Fortaleza) e, sim: tem muito mais pra tirar dali. Confira.

POP FANTASMA: Primeiro, qual sua profissão e o que você faz da vida?
COACH DE FRACASSOS: Engenheiro de computação, professor e atualmente doutorando em engenharia.

Como surgiu a ideia de montar a conta e como você está vendo a repercussão dela? Veio de uma soma de situações. Ano passado eu emagreci 40 kg em cinco meses, de forma saudável (sem intervenção cirúrgica), com acompanhamento de endocrinologista, nutricionista e educador físico. Um certo dia, uma coach de emagrecimento me conhece e diz que eu emagreci errado. Eu perguntei o que ela fazia da vida, ela falou que era formada em administração. Porém, disse que era capacitada para passar dietas e vender produtos. Mandei se lascar e começou a saga do ranço. Em seguida, em uma conversa com uma amiga psicanalista, fiquei horrorizado com o fato dos coachs estarem oferecendo “tratamento” para doenças psicológicas como se fossem psicólogos.

E por fim, após uma semana de derrotas na elaboração da dissertação e outras atividades, uma amiga falou que eu faria consultoria em fracassos. Aí eu pensei que coach seria melhor, então nasceu o Coach de Fracassos.

Advertisement

Eu não imaginava que seria algo assim, com mais de 120 mil pessoas seguindo em pouco tempo. E estou mantendo o padrão das postagens. É legal saber que muita gente já conhece a conta. Recebo diariamente mensagens do Brasil todo com sugestões, fotos etc. Uma parte interessante é que não é só a frase, o post. A legenda é fundamental para completar o que eu espero passar, com humor absurdo, um tema relevante, complexo e com responsabilidade.

https://www.instagram.com/p/Bw13cMwH2Uh/

Como são feitos os posts? São ideias integralmente suas? Leitores colaboram? Sou um procrastinador nato, e os posts são feitos entre um atividade e outra de estudo/trabalho. Uso algumas frases-clichês e inverto a “motivação” gratuita e sem muito fundamento para uma “desmotivação”. Que vai chocar um desavisado. Ou vai surpreender os seguidores com mais sofrimento.

https://www.instagram.com/p/BwW0gQlnSbz/

Várias frases que existem no teu Instagram parecem enormes zoações, mas no fundo até dão ideias legais para que as pessoas não confundam autoconfiança e autoestima com viagem na maionese, como “nunca deixe ninguém dizer que você não consegue; diga você mesmo: eu não consigo”, “não seja foda”. Alguém já pareceu levar o conteúdo do Coach de Fracassos a sério? Ou disse que um post seu serviu de aconselhamento? Sim. Não diria aconselhamento, mas sim o bom e velho “caiu na real”. A vida não é só rosas, tem espinhos. Muitos espinhos. Às vezes é apenas espinhos. Uma das vertentes da página é mostrar que o fracasso é normal. Todo mundo fracassa, todo mundo vai sofrer derrotas inesperadas e tragédias abruptas na vida. A felicidade é um estado passageiro, e para garantir um pouco de felicidade a pessoa vai sentir dor, sofrimento. Nada garante que você vai conseguir, mesmo com todo esforço e dedicação. Nada garante.

Advertisement

Então muitos seguidores agradecem por esse tapa gratuito de realidade e de diversão com resposta escrotas e tons de realidade e pessimismo. Tenho alguns seguidores que, por serem da área de humanas, me passam excelentes matérias de leitura. E eu indico a leitura na página.

https://www.instagram.com/p/ByiHaa8FBe1/

“Pode não dar certo e você vai ter certeza quando tentar” tanto pode ser lido de maneira pessimista quanto otimista, na base do “tente, não fique parado” ou do “não tente, já deu errado”. Já parou pra pensar na dupla leitura que alguns post seus têm? Já sim. E na minha opinião o que eu escrevo e nada é a mesma coisa. Não que não tenha valor, mas falo do sentido. Eu posso tentar dizer algo e a pessoa entender diferente, a interpretação das frases irá depender da pessoa, de seu estado, saúde mental…. Então tenho sempre que ler novamente vendo quais as vertentes. Por exemplo: “Tenha forças para desistir”. Se uma pessoa está passando por um momento difícil, como um relacionamento abusivo, um chefe que comete assédio moral ou um objetivo conflitante com suas prioridades… sendo assim, desistir é um alívio. Uma libertação. Dependendo de cada um, a mensagem pode ter sentidos opostos e até conflitantes.

https://www.instagram.com/p/Byc1IEGlX5M/

Você acredita que hoje em dia exista uma valorização meio cega do desenvolvimento de capacidades pessoais, tipo “todo mundo pode tudo”, ou até “tudo vai dar certo”, etc? Como vê isso? Falta autocrítica nas pessoas? A indústria do coaching trabalha o marketing de vender sonhos, ideias, milagres. Pessoas que não estão emocionante equilibradas são presas fáceis. E que pagam para alguém fazer algo que eles deveriam, com o mínimo de amor próprio, fazer sozinhas. Não sou contra, cada um “investe” sua grana no que lhe convém. Mas eu não caio em papo de coach. Essa coisa de “tudo vai dar certo”… Isso é uma imbecilidade. Primeiro, o que é “tudo”? O que é o dar certo? As pessoas querem formulas fáceis, para atingirem um objetivo sem se esforçar. Baseado em um método que promete dar tudo certo. Será? O depoimento que eu recebo são DEPRIMENTES.

Advertisement

Ou “todo mundo pode tudo”. Imagina isso, o caos que seria. Somos limitados, todos somos medíocres. Você pode ser bom em fazer algo, mas é um nada em trilhões de outras coisas. Porém, a sociedade vive de comparação com os extremos.

https://www.instagram.com/p/BxxdaRplbJi/

Como você vê a profissão de coach? Em todas as atividades existem os profissionais bons e ruins. Porém, na onda do coach há um fator que aumenta a picaretagem. As promessas e garantia de sucesso.

Fora da conta, no dia a dia, você se considera um bom conselheiro? Se fosse virar um coach de verdade, seria em que área? Pessoalmente eu não sou muito de dar conselhos. Todo mundo sabe que o melhor caminho é quebrar a cara e aprender com os erros. É a vida, eu até dou uns conselhos em formato de pérolas como o Coach de Fracassos, porém mais leve. Na vida real me nego a ser coach. A minha mãe não passou nove meses para me ter e eu dar uma decepção dessas.

https://www.instagram.com/p/BwzgbOFnaKQ/

Advertisement

Pensa em fazer algo para monetizar o trabalho no Coach de Fracassos? Montar uma loja online, talvez? Sim, estou colocando em prática essa ideia. Mas quero fugir um pouco do convencional (camiseta, caneca etc) . Estou com ideias de quadros com frases, a Sunga do Fracasso, gravata, livros e outras coisas diferentes. Vai ter novidades, prometo DECEPCIONAR a todos.

https://www.instagram.com/p/Bwe10KsnUUH/

Alguma das frases que você colocou lá, você vê como mensagens perfeitas para camisetas? Sim. Estou buscando parcerias. O perfil é totalmente amador, mas levo o amadorismo a sério. Então estou organizando e tentando fazer parcerias locais e nacionais. O perfil é de Fortaleza, mas meu maior público é de São Paulo (que coincidência deprimente). Então tenho essa ideia e a colocarei em prática. Será uma atividade paralela, fruto da procrastinação de uma atividade acadêmica. Procrastinação Estruturada.

https://www.instagram.com/p/ByVYNPiFDUc/

E como você vê a conta em alguns anos? Um sucesso ou um fracasso? Acho que tudo tem um ciclo. E para se renovar é necessário entropia. Ou seja, tem que ter novidade para se recriar e se manter. Pretendo lançar um podcast com o mesmo perfil e quem sabe dar uma de youtuber (afinal é fracasso).

Advertisement

Por fim quero dizer é fracassar é normal e não saber conviver com isso devido a pressões, pode causar problemas maiores. Que afetam e potencializam os problemas de saúde mental. Busque informações e orientações de um profissional da saúde. E nunca de um coach.

Dá para fazer perguntas pelo stories

Continue Reading
Advertisement

Destaque

Dan Spitz: metaleiro relojoeiro

Published

on

Se você acompanha apenas superficialmente a carreira da banda de thrash metal Anthrax e sentia falta do guitarrista Dan Spitz, um dos fundadores, ele vai bem. O músico largou a banda em 1995, pouco antes do sétimo disco da banda, Stomp 442, lançado naquele ano. Voltaria depois, entre 2005 e 2007, mas entre as idas e as vindas, o guitarrista arrumou uma tarefa bem distante da música para fazer: ele se tornou relojoeiro (!).

A vida de Dan mudou bastante depois que o músico teve filhos em 1995, e começou a se questionar se queria mesmo aquela vida na estrada. “Fazíamos um álbum e fazíamos turnês por anos seguidos, e então começávamos o ciclo de novo – o tempo em casa não existia. É uma história que você vê em toda parte: tudo virou algo mundano e mais parecido com um trabalho. Eu precisava de uma pausa”, contou Spitz ao site Hodinkee.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Rockpop: rock (do metal ao punk) na TV alemã

Na época, lembrou-se da infância, quando ficava sentado com seu avô, relojoeiro, desmontando relógios Patek Philippe, daqueles cheios de pecinhas, molas e motores. “Minha habilidade mecânica vem de minha formação não tradicional. Meu quarto parecia uma pequena estação da NASA crescendo – toneladas de coisas. Eu estava sempre construindo e desmontando coisas durante toda a minha vida. Eu sou um solucionador de problemas no que diz respeito a coisas mecânicas e eletrônicas”, recordou no tal papo.

Spitz acabou no Programa de Treinamento e Educação de Relojoeiros da Suíça, o WOSTEP, onde basicamente passou a não fazer mais nada a não ser mexer em relógios horrivelmente difíceis o dia inteiro, aprender novas técnicas e tentar alcançar os alunos mais rápidos e mais ágeis da instituição.

Advertisement
>>> Veja também no POP FANTASMA: Discos de 1991 #9: “Metallica”, Metallica

A música ainda estava no horizonte. Tanto que, trabalhando como relojoeiro em Genebra, pensou em largar tudo ao receber um telefonema do amigo Dave Mustaine (Megadeth) dizendo para ele esquecer aquela história e voltar para a música. Olhou para o lado e viu seu colega de bancada trabalhando num relógio super complexo e ouvindo Slayer.

O músico acha que existe uma correlação entre música e relojoaria. “Aprender a tocar uma guitarra de heavy metal é uma habilidade sem fim. É doloroso aprender. É isso que é legal. O mesmo para a relojoaria – é uma habilidade interminável de aprender”, conta ele. “Você tem que ser um artista para ser o melhor – seja na relojoaria ou na música. Você precisa fazer isso por amor”.

>>> POP FANTASMA PRA OUVIR: Mixtape Pop Fantasma e Pop Fantasma Documento
>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

Continue Reading

Cinema

Bead game: desenho animado sobre agressividade

Published

on

Bead game: desenho animado sobre agressividade

Em 1977, o diretor de cinema Ishu Patel fez o curta-metragem de animação Bead game, que foi relançado recentemente pelo National Film Board of Canada.

Para mostrar como a agressividade pode chegar a níveis inimagináveis, ele criou uma animação que usa apenas contas coloridas, que ganham a forma de vários objetos, animais, pessoas e monstros – um lado sempre tentando derrotar o outro. E quando você nem imagina que a briga pode ficar maior ainda, ela fica.

Via Laughing Squid

Advertisement
>>> POP FANTASMA PRA OUVIR: Mixtape Pop Fantasma e Pop Fantasma Documento
>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

Continue Reading

Cultura Pop

Bad Radio: no YouTube, a banda que Eddie Vedder teve antes do Pearl Jam

Published

on

Bad Radio: no YouTube, a banda que Eddie Vedder teve antes do Pearl Jam

Em 1986, surgiu uma banda de rock chamada Bad Radio, em San Diego, Califórnia. Foi um grupo que fez vários shows, ganhou fãs e se notabilizou como uma boa banda de palco da região. Mas que se notabilizou mais ainda por ter tido ninguém menos que o futuro cantor do Pearl Jam, Eddie Vedder, nos vocais.

Eddie Vedder, que é lá mesmo de San Diego, aportou por lá em 1988 e ficou até 1990. Conseguiu fazer uma mudança geral no grupo, que tinha uma sonoridade bem mais new wave com a formação anterior, com Keith Wood nos vocais, Dave George na guitarra, Dave Silva no baixo e Joey Ponchetti na bateria. Wood saiu do grupo e com Vedder, a banda passou a ter uma cara bem mais funk metal, e mais adequada aos anos 1990.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Discos de 1991 #5: “Ten”, Pearl Jam

E essa introdução é só para avisar que jogaram no YouTube a última apresentação do Bad Radio com Vedder nos vocais. Rolou no dia 11 de fevereiro de 1990, pouco antes de Eddie se mandar para Seattle e virar o cantor de uma banda chamada Mookie Blaylock – que depois virou Pearl Jam. A gravação inclui as faixas What the funk, Answer, Crossroads, Just a book, Money, Homeless, Believe you me, What e Wast my days. O show foi dado no Bacchanal, em San Diego.

Advertisement

Com a saída de Vedder, o Bad Radio ainda continuou um pouco com o próprio Keith Wood, de volta, nos vocais. Segundo uma matéria publicada pela Rolling Stone (e que tem detalhes contestados pelos ex-integrantes do Bad Radio), Vedder não foi apenas cantor da banda: ele virou assessor de imprensa, empresário, produtor e o que mais aparecesse. A lgumas testemunhas dizem que a banda não era favorável ao lado ativista de Eddie (que costumava dedicar músicas e shows aos sem-teto), o que ex-integrantes do Bad Radio negam (tem mais sobre isso aqui).

>>> POP FANTASMA PRA OUVIR: Mixtape Pop Fantasma e Pop Fantasma Documento
>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

Continue Reading
Advertisement

Trending