Show da Virada: The Who, Pink Floyd e Small Faces em Paris, no réveillon de 1968

Essas feras aí

0
315

Resolvemos seu problema se você está sem uma trilha decente para sua virada de ano: você vai pular de 2019 para 2020 (ou seja lá em que ano que você esteja vendo este link) na companhia de The Who, Small Faces, Pink Floyd, The Troggs, Joe Cocker, Fleetwood Mac e Booker T & The MG’s. E também na de uma pouco conhecida banda inglesa chamada The Equals, e de uma banda francesa chamada Les Variations. Tudo por causa de um evento chamado Surprise-Partie, transmitido direto de Paris, na véspera de ano novo de 1968 (olha só o ano e o local!) pelo estúdios da ORTF,  único canal de TV francês da época.

O evento, na verdade, durou três horas e meia e teve muito mais atrações do que você pode encontrar no YouTube. Participaram também Jacques Dutronc, Françoise Hardy, Aphrodite’s Child, Johnny Hallyday, PP Arnold, Marie Laforet e vários outros nomes, num período em que o rock era bastante forte na França e bandas inglesas e americanas faziam gravações e lançamentos exclusivos para o país.

Num dos anos mais caóticos e revolucionários para a França, algumas daquelas bandas estavam também vivendo, coincidentemente, períodos de caos e desordem. Ou estavam em compasso de espera por mudanças. O Pink Floyd lançara o segundo disco, A saucerful of secrets, e já se apresentavam sem o líder Syd Barrett – e ainda não era a banda grande que se tornaria em poucos anos. Joe Cocker era famosão, mas estava prestes a virar “o” cara, após sua apresentação em Woodstock, no ano seguinte.

Já o The Who (cujo show tá inteiro aí em cima deste texto) permanecia na turnê do disco The Who sell out (1968), era ainda tido como uma grande banda de singles apesar de ter dado um passo além com músicas como A quick one while he’s away e Rael, mas já se preparava para a ópera-rock Tommy e a apresentação no festival de Woodstock, ambas em 1969. Os Small Faces (que, assim como o The Who, não tocou ao vivo e fez dublagem) se separariam pouco depois e, das cinzas, nasceria o The Faces. E o Fleetwood Mac estava em vias de perder o vocalista e guitarrista Jeremy Spencer e entrar na sua fase casa de Noca, com vários integrantes entrando e saindo (falamos disso aqui).

Um destaque vai para o The Equals, banda londrina de rock e r&b de formação multirracial, que teve um grande sucesso como Baby, come back. Se você está achando o guitarrista parecido com alguém que você conhece, é ele mesmo: Eddy Grant, o cara de hits como I don’t wanna dance e Electric avenue. Para a virada de 1968 ele adotou um visual glam punk, com terno psicodélico e cabelo pintado de louro.

Se você ficou interessado em ver todo o show, dica: dê um jeito de baixar tudo do YouTube, porque o material some da internet de tempos em tempos (chegou a sair tudo em dois DVDs). Olha aí o alegado “show inteiro” (na verdade, um corte com pouco mais de uma hora e meia da apresentação), com The Who, The Small Faces, Pink Floyd, The Troggs, Joe Cocker e Fleetwood Mac.

Olha aí The Equals mandando bala na boa Equality. O show inteiro deles não está no YouTube, infelizmente.

O show (presume-se) na íntegra do Les Variations.

Oito minutinhos do show de Booker T & The MG’s.

Feliz 2020! Estaremos aqui.

Via Stranger That Known

Veja também no POP FANTASMA
– The Who: pra quê esse monte de coletâneas?
Smithereens canta Tommy, do The Who
Flash Fearless: Alice Cooper e The Who numa ópera-rock da qual ninguém lembra
– Aquela vez em que usaram o Pink Floyd num comercial de banana
Clare Torry: muito além de The great gig in the sky, do Pink Floyd
The committee: aquele filme desconhecido com trilha do Pink Floyd