Lançando single novo, “Where’s the revolution”, com o Depeche Mode (e prometendo o novo disco, “Spirit”, para 17 de março), o vocalista Dave Gahan contou à “Rolling Stone” que “se acabou de chorar” quando soube da morte de David Bowie.

O músico disse que cresceu ouvindo a obra de Bowie e que o conheceu porque sua filha e a dele estavam na mesma escola. “Quando ele morreu, perdi uma conexão pessoal, foi uma perda enorme”, conta. “Eu vi as notícias da morte mas quando minha esposa me falou, chorei demais. Minha filha chegou e as duas me abraçaram. Me afetou muito. Uma dascoisas que mais me arrependo foi de nunca ter dito a ele o quanto sua música significava para mim e ainda significa”.

O músico conta que faz uma comparação entre discos do Depeche como “Violator” (1990) com álbuns como “Diamond dogs”, de David Bowie. “Significam o mesmo para mim: aqueles discos que você senta no quarto e pensa: ‘Por que é que eu me sinto tão deslocado em relação ao mundo?'”, conta. “Me sentia assim com David Bowie. Eu havia encontrado uma pessoa nele que eu poderia entender, que fazia com que eu me sentisse como parte do mundo, no momento em que eu me sentia alienado. Acho que é o apelo que o Depeche tem com algumas pessoas, de dizer a elas: ‘Você não está sozinho'”.

“Where’s the revolution”, se você não ouviu, está aí.