Amigo de adolescência de Kurt Cobain, Buzz Osborne, líder do Melvins, lembra que estava do lado dele quando o futuro líder do Nirvana foi preso por pixar um muro em Aberdeen, cidade de 16,896 habitantes no estado americano de Washington, perto de Seattle.

Era uma das traquinagens que a dupla de amigos aprontava na cidadezinha, em que Kurt havia nascido e os Melvins estavam ensaiando por uns tempos. “Estávamos pixando toda a cidade”, Osborne relembrou durante uma live dos Melvins organizada para falar do próximo disco da banda, Working with god, a ser lançado no dia 26 de fevereiro (conforme reproduzido pelo Ultimate Classic Rock).

Osborne costumava pixar pela cidade a frase “deus é gay” (geralmente atribuída a Cobain e realmente incluída pelo músico na letra de Stay away, do disco Nevermind, de 1991). E diz que a ideia da dupla era sempre escrever nas paredes algo que chocasse todo mundo. Nesse dia, pixaram as paredes de um banco. Kurt foi pego quando a dupla dobrou a esquina.

“Dobramos a esquina deste banco e de repente surgiram policiais, um bando de policiais por toda parte. Simplesmente começamos a correr em direções diferentes. De repente, ouvimos errrrrck virando a esquina. Eles pegaram Cobain de alguma forma. Como se ele estivesse se escondendo em algum lugar. E ele foi para a cadeia”, contou Buzz Osborne.

Segundo Buzz, Cobain ficou a noite inteira na cadeia (relatórios policiais dão conta de que a frase pixada por Kurt foi um estranho e intraduzível “ain’t got no how whatchamacallit”) e depois disse a ele que a experiência foi “horrível”.