Em 2019, Paul McCartney foi ao programa de Jimmy Fallon e ouviu do apresentador a seguinte pergunta: há algum disco conceitual, sem ser os dos Beatles (epa, os Beatles nunca fizeram discos conceituais!), que ele curta? “Eu acho que o Dark side of the moon é um ótimo álbum”, respondeu Paul.

Bom, aparentemente o ex-beatle não tem nenhuma mágoa de ter sido convidado pelo Pink Floyd para participar de seu disco – que se tornaria seu maior sucesso – e depois ter tido sua colaboração tirada do álbum. O Pink Floyd estava gravando Dark side em Abbey Road enquanto Paul trabalhava em seu disco Red rose speedway, em 1972. E o grupo foi pedir a todo mundo que estivesse no estúdio para responder uma série de questões, cujas respostas seriam aproveitadas no disco. As perguntas iam de questões mais simples (cor preferida, prato preferido) a temas mais complexos (Quando foi a última vez que você se tornou violento? A morte te assusta?).

Paul e sua mulher Linda foram chamados para uma participação no disco, mas não entenderam direito a proposta – ou o grupo não fez questão de explicar. “Paul foi a única pessoa que sentiu necessidade de fazer daquilo uma apresentação, o que acabou sendo inútil para a gente”, chegou a falar o baixista Roger Waters. “Ele estava tentando ser engraçado. Não era o que a gente queria”, concluiu.

Aparentemente, a participação cortada de Paul e Linda nunca surgiu na internet. Aliás, vale citar que o próprio técnico de som do disco, Alan Parsons, também foi barrado no baile. Foi convidado para dar uma resposta, declarou ser incapaz de dar uma resposta interessante e foi cortado.

Veja também no POP FANTASMA:
Fala na cara! Pink Floyd trollado por um crítico de música na BBC em 1967
Show da Virada: The Who, Pink Floyd e Small Faces em Paris, no réveillon de 1968
Aquela vez em que usaram o Pink Floyd num comercial de banana
– Clare Torry: muito além de The great gig in the sky, do Pink Floyd
The committee: aquele filme desconhecido com trilha do Pink Floyd