O site Cartoon Brew, dedicado a antigos desenhos animados, deu uma detonada de último grau no alegrinho Rubik, the amazing cube. “Um dos desenhos animados mais idiotas já inventados por executivos de redes e impingidos às crianças, naqueles dias profundos e sombrios das manhãs de sábado”, escreveram lá.

Maldade: Rubik, the amazing cube, que durou apenas uma temporada (foi de 10 de setembro a 10 de dezembro de 1983) e de todo modo não fez sucesso, tinha a sacação de aproveitar uma das modas recentes da molecada no começo dos ano 1980 (o cubo mágico, objeto de desejo até mesmo de adolescentes que jamais teriam paciência para deixar todas as cores iguais). E dava uma crescida de olho para o público latino-americano, com a contratação de dubladores como o ítalo-americano Ron Palilo e o descendente de espanhóis e irlandeses Michael Saucedo, e com a criação de personagens como o trio de irmãos Carlos, Lisa e Reynaldo Rodriguez.

Por acaso tinha gente que era bem fã do seriado, ou que pelo menos tinha recordações bem alegres daquilo tudo. Isso porque chegaram a criar até mesmo um site de fãs, que contava a história de Rubik, the amazing cube (batizado assim por causa do criador do quebra-cabeças, o húngaro Ernő Rubik) e destrinchava episódio por episódio. O site se perdeu na poeira da internet. Nada que a Wayback Machine não resolva.

Aliás, vale lembrar: não era nada estranho fazerem um desenho animado sobre um cubo falante. A cada ano, as estações de TV colocavam no ar novos desenhos animados aos sábados de manhã. E os protagonistas eram quase sempre personagens de videogames ou brinquedos conhecidos. E como o próprio site de fãs de Rubik lembra, esses desenhos eram aguardados com a mesma ansiedade que os reality shows são esperados nos dias de hoje.

Rubik, the amazing cube, começava quando o cubo caía do caminhão de um mago malvado. O cubo tomou vida quando resolveram o quebra-cabeças. Daí ele falava e tirava as crianças de encrencas, como nas lutas dos três irmãos com os magos – ou em brigas diárias e mais triviais, como quando Carlos enfrentou um valentão na disputa por uma namorada na escola.

Os pais das crianças não sabiam do cubo (num espelho meio distorcido do imaginário infantil de Peanuts). O brinquedo passava a maior parte do tempo no bolso de Carlos. E nos roteiros (feitos para serem assistidos por crianças pequenas), os bons eram muito bons, os maus eram muito maus e não havia meio-termo, não. Aliás, quer uma relação dos vilões de Rubik? Tá aí.

Por sinal, adivinha só quem cantava a música de abertura de Rubik, the amazing cube? Sim, eles mesmos, o Menudo, pouco antes de estourarem no Brasil com o hit Não se reprima.

E se você ficou curioso com o desenho, pega aí inteirinho o especial de Natal de Rubik, incluindo os comerciais.