Se sua vontade era ver um filminho em que personagens com estilo de vida chique e espartano param tudo o que estão fazendo para fumar um baseado como se não houvesse problema nenhum nisso (e há, por acaso?), tá aí o que você queria. Feito numa época em que isso era bem mais problemático e dava meses e meses de discussão, Pot au feu, rodado em 1966, é um pouco conhecido curta-metragem do diretor norte-americano Robert Altman (1925-2006), que mostra exatamente isso.

Realizado como se fosse uma paródia de filmes franceses – com direito a La goualante du Pauvre Jean, na interpretação de Edith Piaf, na trilha sonora – o filminho de nove minutos teve um trechinho de menos de dois minutos vazado no YouTube (que por sua vez tinha aparecido num documentário sobre Altman). Há cenas em que mulheres dão um trato no cabelo, pessoas cozinham e até uma garota faz bicicleta ergométrica (!) fumando maconha. Robert Altman não estava brincando quando abordou o tema. O diretor chegou a fazer parte da Organização Nacional para a Reforma das Leis da Maconha, nos Estados Unidos.

Ao que consta, Altman – que aparece incógnito nas cenas em que personagens surgem jogando xadrez – foi notado por um produtor por causa desse filme e acabou sendo chamado para roteirizar um de seus maiores clássicos, M*A*S*H*, de 1970. O filminho foi rodado em poucas semanas por uma bagatela (cerca de mil dólares). Na época, Altman já tinha dirigido vários programas de TV, alguns filmes (fizera até um documentário sobre James Dean) mas ainda não era um nome super conhecido.

Mais na Dazed.

Também no POP FANTASMA:
– Aberrações sexuais do pré-punk: conheça Confessions Of A Pop Performer
– Quando o filme de Woodstock causou polêmica na África do Sul
Thirteen Chairs: o esquecido último filme de Sharon Tate
I married a communist: horror anti-comunista da Guerra Fria em um filme de 1949