Connect with us

Artes

Gary Grimshaw celebrado com exposição que vai até janeiro

Published

on

Gary Grimshaw celebrado com exposição que vai até janeiro
Gary Grimshaw celebrado com exposição que vai até janeiro

Mais conhecido como o criador dos pôsteres de shows do MC5 (e por extensão, do Grande Ballroom, casa de shows clássica de Detroit), Gary Grimshaw (1946-2014) detestava termos como “hippie” e “punk”. “São apenas termos que a revista Time usa para classificar pessoas”, explicava. Uma de suas grandes paixões musicais era o soul – Al Green era um de seus artistas preferidos. Conheceu Rob Tyner e Wayne Kramer, futuros vocalista e guitarrista (respectivamente) do MC5 ainda na escola, quando já começava a dar os primeiros passos como desenhista.

Gary Grimshaw celebrado com exposição que vai até janeiro

Em seus últimos anos, Grimshaw ouvia bandas recentes como Detroit Cobras e via que seu trabalho antigo, feito entre os anos 1960 e 1970, voltava a ser valorizado. Isso após um enorme período em que, pelo menos na visão dele, pôsteres tinham virado uma coisa tão nostálgica quanto o próprio LSD. Olha só o que ele contou sobre as mudanças no mercado, ao livro MC5: Sonically speaking: a tale of revolution and rock ‘n’ roll de Brett Callwood.

“Entre os anos 1960 e 1970, contratavam você para fazer o pôster e era esse o motivo pelo qual você era pago – para anunciar o show. Quando começou o rock de arena e o mercado da música se expandiu, os pôsteres viraram um troço ultrapassado. Eram muito demorados para se fazer, gastavam muito tempo (…). Durante os anos 1980, tudo girava em torno de flyers. Eu trabalhava diretamente para as bandas. Artistas jovens que surgiam realmente amavam antigos pôsteres”, contou Gary Grimshaw. “Eles queriam continuar fazendo, mas os comtratantes não iriam pagar a eles por isso. Eles ligariam para as bandas, da mesma forma que eu fazia com os flyers, pedir autorização a elas e imprimir os pôsteres, na maioria das vezes usando silkscreen”.

Se os pôsteres psicodélicos de shows em algum momento pareceram uma arte perdida (e Gary também desenhou capas de discos, como Instinct, de Iggy Pop), até janeiro de 2020 rola uma bela chance de reencontro com a obra de Grimshaw, lá mesmo na terra dele. Se você, apesar da crise, tem uma grana sobrando, o Lincoln Park Historical Society and Museum está com a exposição Gary Grimshaw: the Master Artist’s Studio, com vários itens de sua obra. Que inclui, além de pôsteres, ilustrações para a imprensa underground da época, além de itens pessoais.

Logo nos primeiros meses da mostra, a viúva de Gary, Laura Grimshaw, promoveu um evento de aniversário póstumo para o marido. A ideia era arrecadar fundos para o museu e para a Gary Grimshaw Legacy Foundation, que corre atrás dos direitos autorais perdidos do desenhista.

Alguém fez um vídeo com a (extensa) palestra que Laura fez na ocasião, falando sobre o trabalho, a vida, as influências e a época de Gary. Infelizmente o som tá tão baixo que boa parte do papo não está legendada. Vale assistir nem que você tenha que arrumar um amigo fluente em inglês para traduzir algumas partes.

Uma preciosidade no YouTube: em 1996 rolou uma expo de Gary no Cass Cafe, em Detroit. Fizeram um vídeo que mostra a impressão do pôster da própria exposição. Dá para ouvir a voz de Gary, que aparece em poucos segundos, de bigode e jaqueta de couro, com as mãos nos bolsos.

Advertisement

Artes

E se a capa “da raquete” do disco Houses Of The Holy, do Led Zeppelin, tivesse sido feita?

Published

on

E se a capa "da raquete" do disco Houses Of The Holy, do Led Zeppelin, tivesse sido feita?

Se você ouviu o episódio mais recente do nosso podcast, o Pop Fantasma Documento, sobre o Led Zeppelin no ano de 1972 (não ouviu? tá aqui), deve lembrar que em 1972, o grupo estava elaborando o disco Houses of the holy, que acabou sendo lançado só um ano depois. E que antes daquela capa com as crianças ficar pronta, Storm Thorgerson, da empresa Hipgnosis, havia sugerido a eles uma capa “com uma quadra de tênis verde e uma raquete” – que Jimmy Page odiou.

Aparentemente essa capa rejeitada (rejeitadíssima, Page ficou p… da vida com a sugestão e mandou o designer sumir da frente dele) nunca tinha sido desenhada. Pelo menos até agora. A Aline Haluch, que faz as artes do Pop Fantasma Documento e do Acervo Pop Fantasma, fez três versões da ideia original de Storm para Houses of the holy. Mais do que uma brincadeira com a história, fica aqui como homenagem a esse designer morto em 2013, e que revolucionou as capas de discos.

“A ideia foi fazer aquelas brincadeiras das capas do Pink Floyd, como a do cara cheio de lâmpadas no disco ao vivo A momentary lapse of reason (de 1988, feita pelo mesmo Storm Thorgerson). Quis brincar com as sobreposições das redes, mas são redes de aço, aquelas de cadeia. Um pouco como se fosse um condomínio, já que tênis é um jogo da elite, cercada de proteção”, conta. “Na segunda capa, a própria raquete é de grama. E na terceira, tem um céu, meio que para brincar com a paisagem da capa do disco Atom heart mother, também do Pink Floyd (1970, com capa também de Storm)“.

A que a gente mais gostou (a do céu), ganhou a faixinha branca com o nome do disco e da banda, que vinha envolvendo a capa do LP original. 🙂

E se a capa "da raquete" do disco Houses Of The Holy, do Led Zeppelin, tivesse sido feita?

E se a capa "da raquete" do disco Houses Of The Holy, do Led Zeppelin, tivesse sido feita?

E se a capa "da raquete" do disco Houses Of The Holy, do Led Zeppelin, tivesse sido feita?

E se a capa "da raquete" do disco Houses Of The Holy, do Led Zeppelin, tivesse sido feita?

Continue Reading

Artes

Aquela vez em que Elifas Andreato começou a fazer capas de discos

Published

on

“Em 2009, os jornalistas Marcos Lauro e Peu Araújo entrevistaram o artista plástico Elifas Andreato para uma matéria sobre capas de discos. A ideia era falar com capistas profissionais e amadores sobre as mudanças de formato que a internet impunha – do tamanho do vinil ao thumbnail da rede mundial. Players como Spotify já existiam, mas ainda não eram populares como hoje. A matéria nunca saiu, isso acontece. Mas um trecho do material guardado está aqui em homenagem a Elifas Andreato, que nos deixou no dia 29 de março aos 76 anos. Vida eterna ao artista e sua imensa obra”.

Logo depois que Elifas morreu, o radialista, jornalista e podcaster Marcos Lauro subiu no YouTube esse bate-papo dele e de Peu com o capista. A conversa é curtinha mas cheia de detalhes a respeito de como Elifas entrou no mundo das capas de discos – ele trabalhava na editora Abril Cultural em 1970 e acabou fazendo as capas da série História da Música Popular Brasileira, com discos vendidos em bancas de jornal. O trabalho gráfico foi considerado inovador para a época, “e a ideia era interpretar cada personagem de uma maneira”, conta. Foi a partir daí que Elifas conheceu vários artistas e se envolveu com o trabalho nas capas de discos. Partiu direto para a produção de uma capa de Paulinho da Viola – a do disco Foi um rio que passou em minha vida, em 1970, mas ainda apenas usando uma foto do cantor, sem desenhos.

Confira o bate-papo aí.

Continue Reading

Artes

Al Hirschfeld, o cara por trás da capa de Draw The Line, do Aerosmith

Published

on

Al Hirschfeld, o cara por trás da capa de Draw The Line, do Aerosmith

Conhecido pelos desenhos que fazia de celebridades, o americano Al Hirschfeld estudou pintura, desenho e escultura em 1924, em Paris e Londres. Ao voltar para os EUA, começou a fazer colaborações para jornais como o New York Herald Tribune e o New York Times. No NYT, era comum que seus desenhos de celebridades servissem para anunciar novas peças da Broadway, o que serviu para construir uma ligação forte dele com o teatro de Nova York, e com o cinema.

Al Hirschfeld, o cara por trás da capa de Draw The Line, do Aerosmith

Al também fez vários desenhos de capas de discos, a maioria de jazz e música clássica. Seu traço fino, cheio de estilo e de detalhes, costumava funcionar bem para detalhar cenários. E nas mãos de Al, os personagens ganhavam sobrancelhas expressivas e cabelos cheios de ondulações. Se tivessem barba, então, era um destaque a mais.

Al Hirschfeld, o cara por trás da capa de Draw The Line, do Aerosmith Al Hirschfeld, o cara por trás da capa de Draw The Line, do Aerosmith Al Hirschfeld, o cara por trás da capa de Draw The Line, do Aerosmith Al Hirschfeld, o cara por trás da capa de Draw The Line, do Aerosmith Al Hirschfeld, o cara por trás da capa de Draw The Line, do Aerosmith Al Hirschfeld, o cara por trás da capa de Draw The Line, do Aerosmith Al Hirschfeld, o cara por trás da capa de Draw The Line, do Aerosmith

Olha aí Al em plena atividade.

Vários desenhos de Al eram coloridos, em especial os de capa de discos. Mas os melhores trabalhos do desenhista eram mesmo em preto e branco. Assim como acontecia no caso de um dos desenhistas brasileiros mais expressivos de todos os tempos, Benicio, Al também fez pôsteres de filmes, como o de O mágico de Oz (1939), ou os de algumas produções de Chaplin.

Al teve certo relacionamento com o universo do rock, fazendo desenhos de celebridades do estilo, como Mick Jagger, Jerry Garcia e os Beatles. Olha aí as fuças dos quatro de Liverpool pelo traço de Al Hirschfeld.

Al Hirschfeld, o cara por trás da capa de Draw The Line, do Aerosmith

E se você está reconhecendo o traço de Al de algum lugar, sim, foi ele que fez a capa de Draw the line, disco do Aerosmith de 1977.

Al Hirschfeld, o cara por trás da capa de Draw The Line, do Aerosmith

O guitarrista do Aerosmith, Joe Perry, se recorda de que o trabalho com Al foi relativamente rápido. O desenhista foi até o hotel onde a banda estava hospedada para gravar o disco, e passou de meia hora a 45 minutos conversando com eles. O músico chegou a perguntar se ele queria tirar fotos da banda, mas Al disse que tinha tudo o que precisava. Tinha mesmo. “Cerca de uma semana depois, recebemos um desenho incrível, que apenas mostrou como o cara era incrível e brilhante. Tudo o que ele precisava fazer era dar uma olhada em nós e realmente nos capturou”, contou aqui.

Draw the line, por sinal, escondia uma referência dupla em seu título – que se relacionava tanto com a própria capa desenhada por Al quanto com outro tipo de “linhas”, digamos. O Aerosmith estava afundado na cocaína a ponto de Perry dizer que “se os Beatles tinham o White album, esse é nosso ‘álbum do blecaute'”, contou. “Nem sequer estávamos na mesma sala quando as músicas foram gravadas. A única coisa que liga tudo eram nossos headphones. Éramos viciados em drogas interessados em música, não músicos interessados em drogas”, recordou. Para completar o material que o grupo não conseguia terminar, rolaram letras até do produtor, Jack Douglas.

Ouça aí e tire suas próprias conclusões 🙂 Já Al continuou desenhando por vários anos, ganhando prêmios, lançando livros com sua arte e fazendo exposições. Morreu em 20 de janeiro de 2003, aos 99 anos, de causas naturais.

Continue Reading
Advertisement

Trending