Quem já deparou com o filme The Runaways (2010) de Floria Sigismondi, contando a história da banda feminina ligada ao punk (mas cujo som estava bem mais próximo do hard rock cheio de picardia), lembra que a trajetória de Cherie Currie (voz), Joan Jett (guitarra), Lita Ford (guitarra solo), Sandy West (bateria) e Jackie Fost (baixo, depois substituída por Vicki Blue) não foi das mais tranquilas.

Mas para se aprofundar mesmo em questões bizarras ligadas às Runaways (cujo disco de estreia, epônimo, completa 45 anos nesta terça, 01), vale dar uma olhada no documentáro Edgeplay: A film about the Runaways (2004) que alguém jogou inteiro no YouTube, infelizmente sem legendas.

Edgeplay foi dirigido e roteirizado justamente por uma ex-integrante da banda, Vicki Blue. Ela hoje é mais conhecida pelo nome verdadeiro, Victory Tischler-Blue, e acumula alguns trabalhos como cineasta e diretora de clipes. Victory foi convidada e incentivada pelo diretor Rob Reiner, que fez This is Spinal Tap, filme no qual ela atuou.

À Rolling Stone, Reiner disse que adorou o olhar cru dela sobre o dia a dia de um grupo de rock formado por adolescentes. “É um relato real e nítido de uma banda verdadeiramente disfuncional”, explicou ele.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Cherie Currie (Runaways) em dupla com a irmã gêmea Marie, em 1980

De fato: Victory focou principalmente no fato de que as meninas do grupo mal tinham chegado aos 18 anos e eram tratadas quase como pedaços de carne pelo produtor-empresário das Runaways, Kim Fowley. Fowley e sua equipe saíram pelos lugares “jovens” de Los Angeles procurando garotas para fazer parte da banda. Ao ter a primeira formação à disposição, pôs para rodar métodos de humilhação em série.

Em meio a ensaios, o produtor chamava Sandy e Cherie de “vadias”, insultava todas as integrantes e se colocava acima delas. Cherie não vai direto ao assunto, mas deixa claro que passou por situações “doentias” (abuso? agressão física?) causadas por Fowley. O empresário é visto como o maior vilão da história da banda.

Aliás, Cherie lembra no filme que a ideia de usar um corset no palco partiu dela, quando visitou uma loja de underwear. Mas recorda que tudo veio após ela ter ouvido a sugestão de que “já que não tocava nenhum instrumento no palco”, poderia fazer trocas de roupas durante as apresentações. Lita Ford faz cara feia, diz não ter curtido a ideia e reclama que o objetivo de Fowley tenha sido fazer delas “adolescentes chave de cadeia”.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Lembra quando os personagens de Judy is a punk, dos Ramones, se juntaram ao Ice Capades?

Alguns dos momentos mais divertidos do filme surgem com a participação de uma antiga amiga da banda, Suzi Quatro. A cantora de 48 crash, sucesso nos anos 1970, lembra que se assustou quando viu o visual de Joan Jett, bastante chupado do dela – o então assessor de imprensa diz que achava que as Runaways eram “Suzi Quatro Juniors”. Suzi aparece dando depoimentos e tocando/cantando algumas músicas da trilha sonora, ao lado de Lita Ford.

A presença de Suzi, aliás, tem outro significado. Ela e Lita foram chamadas a colaborar com a trilha justamente porque Joan Jett, autora ou coautora de quase todas as canções das Runaways, se recusou a fazer qualquer contribuição para o filme.

Numa entrevista em 2006, Joan deixou claro que não gostaria de contribuir para um filme que não fosse falar sobre “o que realizamos, as turnês que fizemos, as bandas com quem tocamos, as pessoas que inspiramos”, e considerou que o plot de Edgeplay era sensacionalista demais, por tocar nos dilemas internos e no histórico de abuso praticado contra o grupo.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Quando Richard Lloyd (Television) levou porrada de Jimi Hendrix

Curiosamente, Fowley, com cara de maluco e aparência de presidiário recém-saído da cadeia, dá depoimentos o tempo todo. Enfatiza que a banda “fazia parte da cultura das amazonas, como a Mulher Maravilha”, e que elas eram “duronas, um time esportivo com guitarras”.

Só que a aparição do ex-empresário não foi um almoço grátis para Vicki. Inicialmente, Kim pedira dez mil dólares para dar depoimentos. Depois fez uma sugestão bizarra: apareceria de graça se pudesse cantar suas respostas, acompanhado de um guitarrista.

Nem tanto: depois de tudo pronto, disse a Victory que cada resposta sua era como se fosse uma trilha sonora, com licença à parte. “Ele queria que eu pagasse royalties a ele por cada resposta, porque cada resposta era uma música diferente. Isso me levou ao limite. Eu pensei, ‘oh meu deus, ele fez isso comigo de novo.'”, reclamou. Victory foi malandra: soube que o canal VH1 estava fazendo uma matéria com Kim, enviou perguntas pelo produtor e licenciou o material. Daí conseguiu a entrevista.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Naoko Yamano (Shonen Knife) fala com o POP FANTASMA sobre Nirvana, Ramones, videogames e pandemia

A ideia de se aprofundar nos danos causados pela permanência na banda surgiu justamente pelo fato de Joan ter decidido não colaborar com o filme, disse Victory à Rolling Stone.

“O que aprendi – e até hoje fico impressionado de saber que eu estava lá – é que existe esse nível de dano. Todas fomos prejudicadas por nossas passagens pelas Runaways. Muitos abusos aconteceram na banda, e não quero dizer tipo: ‘somos pobres bebês e não conseguimos um contrato com uma gravadora’. Há alguns danos psicológicos sérios que aconteceram conosco e ocorreram em nossas vidas adultas. Essa se tornou a nova história”, disse a cineasta.

Tá aí o filme.

>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here