No Dia da Consciência Negra, Charles Gama (guitarra e voz), Chaene da Gama (baixo) e Rodrigo Pancho (bateria), integrantes do Black Pantera, acordaram na maior disposição por causa do lançamento de seu novo EP, o conceitual Capítulo negro, que aconteceria naquele dia. Mas o trio, logo pela manhã, resolveu dar uma conferida na televisão e viu as cenas da morte de João Alberto Freitas, num Carrefour de Porto Alegre (RS), acontecidas um dia antes.

Por uma triste coincidência, as três canções regravadas pelo Black Pantera no disco – o samba Identidade, de Jorge Aragão, Todo camburão tem um pouco de navio negreiro, do Rappa, e A carne, dos repertórios de Elza Soares e Farofa Carioca – acabaram ganhando novo significado na data. Ainda mais vertidas para o idioma hardcore-metal da banda de Uberaba (MG). “A gente estava alegre com o lançamento. Esse acontecimento pegou a gente de calça arriada”, conta Charles, frisando que esse racismo que todo mundo viu na TV é o do dia a dia.

“A violência contra o povo preto é diária. A cada segundo está acontecendo uma coisa horrível. Hoje pelo menos as coisas viralizam, as pessoas documentam, porque antigamente acontecia tudo em silêncio. Mas ninguém tinha discernimento porque o jornal não noticiava”, afirma ele. Aliás, com o EP do Black Pantera ainda chegando devagarzinho nas playlists dos fãs, ele viu muita gente postar no mesmo dia A carne nas redes sociais, nas versões disponíveis. “Não apoiamos vandalismo, violência, quebra-quebra, mas fica complicado controlar isso, porque todo dia um preto no Brasil é sacaneado. Isso dói”.

ABRE O OLHO, MOURÃO

No mesmo dia, o vice-presidente Hamilton Mourão fez o favor de meter mais lenha na fogueira, dizendo que “no Brasil não existe racismo”. Frase lamentável, que não passou despercebida ao trio. E o que se diz a uma pessoa que está no cargo do Mourão e que fala um negócio desses?

“A opinião dele é a mesma de um grupo de pessoas que prefere tampar os ouvidos para o que está acontecendo no Brasil. O Mourão tem seu adendo de cor, não é um homem genuinamente branco. O Brasil é um país racista sim, as pessoas falam que o negro é mimizento. A palavra ‘mimimi’ tinha que ser banida, a gente tem que entender a dor do outro para poder falar. A cada dia acontece uma notícia estranha como a do João Alberto, e o presidente deveria dar suporte ao povo”, lamenta Charles, que tem vontade de bater um papinho com o vice-presidente para mostrar algumas coisas para ele.

“Não sei o que o Mourão assiste na TV, deve ser um homem muito ocupado. Mas a gente gostaria de conversar com ele com calma, mostrar uns vídeos para ele e perguntar se o que ele está vendo é racismo ou não. E pela quantidade de raças do Brasil, não deveria acontecer o que acontece aqui. Ele deveria abrir o olho”, conta.

GEORGE FLOYD

Em junho, a banda lançou um single em inglês, I can’t breathe, lembrando do assassinato do afro-americano George Floyd por policiais em Minneapolis (EUA). Tanto a canção quanto o clipe saíram na mesma semana da morte, época em que a frase “não consigo respirar” (dita por Floyd antes de ser asfixiado pelos policiais) virou meme.

“A música teve uma repercussão muito boa no Brasil, Austrália, Inglaterra, Portugal. Mas a gente não deveria precisar fazer esse tipo de música, porque não deveria haver pessoas morrendo por conta do racismo. Daria para fazer quase uma música por dia sobre essa merda de racismo”, lamenta o baterista Rodrigo Pancho.

YUKA

Capítulo negro tem duas canções que contam com Marcelo Yuka como co-autor. A carne é parceria dele com Seu Jorge e Ulysses Cappeletti. Todo camburão foi composta por ele e pela formação do Rappa na época (Falcão, Marcelo Lobatto, Nelson Meirelles e Xandão).

“Yuka é uma inspiração muito grande para a gente, um monstro das letras e das composições”, conta Charles. O compositor abordou temas como racismo e violência urbana. Aliás, foi ele mesmo vítima de violência policial, ao levar nove tiros durante um assalto, em 9 de novembro de 2000. E Marcelo Yuka faz parte do conjunto de referências dos três rapazes do grupo.

“O Rappa apareceu com letras maravilhosas falando sobre o cotidiano difícil. Ele mostrava como os fatos eram. É a forma que o Black Pantera trabalha. Yuka é uma inspiração muito grande para a gente. Ele faz muita falta hoje em dia. A gente quando liga o rádio sente falta disso, sem querer desfazer do que toca no rádio hoje”, afirma Charles.

JORGE ARAGÃO

O samba deu em hardcore em Capítulo negro. Identidade, canção abertamente antirracista do sambista Jorge Aragão (“elevador é quase um templo/exemplo pra minar teu sono/sai desse compromisso/não vai no de serviço/se o social tem dono, não vai”, diz a letra), surge no disco em clima afropunk.

“Fui eu quem trouxe a música para a banda”, conta o baterista Rodrigo Pancho. “Eu tocava samba quando era mais novo e gostava muito dessa música. Sempre achei essa música muito forte, com uma mensagem forte. Nunca imaginei tocá-la com uma banda de rock. Quando começamos a fazer A carne, já imaginamos que seria perfeito fazer uma releitura dela. Seria perfeito para o discurso que a banda tem”.

A banda não chegou a falar com o autor sobre a versão. “Espero que ele tenha ouvido, foi feita com muito respeito à obra dele. Quem sabe um dia a gente não faz junto ao vivo”, conta.

TRÊS CLIPES

O EP novo nasceu da ideia de manter a banda ocupada enquanto não podiam entrar em estúdio – o Black Pantera já estava preparado para ir ao Rio gravar o novo álbum, mas com a pandemia, não puderam sair de Minas Gerais. “Ficamos aguardando, mas foram passando dias, semanas, meses. O Charles trouxe A carne para o repertório, e tivemos a ideia de pegar mais três músicas com a mesma temática. Dei a ideia pro Rafa (Rafael Ramos, da Deck, gravadora do trio) e ele topou na hora”, conta Pancho.

Capítulo negro é um álbum visual: cada canção ganhou um clipe. Ou melhor: os clipes fazem parte de uma unidade em três atos, começando com Identidade, indo para Todo camburão tem um pouco de navio negreiro e fechando com A carne. “O tema é o racismo estrutural que vivemos na sociedade”, conta o baterista. O EP não deve virar um álbum, mas até o fim do primeiro semestre de 2021 vem o novo disco da banda – já gravado.

A carreira internacional da banda deu uma parada por causa da pandemia. “Neste ano, era para a gente ter feito turnê em Portugal, a gente ia passar por três cidades e a principal seria Lisboa, numa feira internacional de música. Mas foi tudo cancelado por causa da pandemia. Mas temos feito contato com produtores e festivais e com certeza quando acabar a pandemia vamos lá para fora. EUA e Europa estão nos planos, quem sabe Japão”, diz Pancho.

Mais POP FANTASMA APRESENTA aqui.