Em 1970, Yoko Ono relançou seu primeiro livro, Grapefruit, lançado em 1964. O livro consiste de vários event scores – pequenas performances descritas em poucas linhas, para o leitor realizar ou não. O relançamento do livro em Nova York rolou pela editora Simon & Schuster e, evidentemente, foi acompanhado de perto por John Lennon, que já estava casado com ela.

Esse tipo de modalidade artística (event scores, ou pontuação de eventos, enfim) fazia parte do dia a dia do Fluxus. Foi um movimento que Yoko integrou em Nova York e que se definia mais como uma “atitude”. E não como apropriadamente um grupo artístico com objetivos radicalmente definidos. Em Grapefruit, esses eventos apareciam descritos como atividades quase infantis, como se fosse um livrinho de conselhos psicodélicos.

O livro tinha trechos como “pense que a neve está caindo. Pense que a neve está caindo em todos os lugares o tempo todo. Quando você fala com uma pessoa, pense que a neve está caindo entre você e a pessoa”. Ou “Imagine mil sóis no céu ao mesmo tempo. Deixe-os brilhar por uma hora. Em seguida, deixe-os derreter gradualmente no céu. Faça um sanduíche de atum e coma”.

IMAGINE

No vídeo acima, Karen O’Rourke, curadora da exposição Double fantasy – John & Yoko (que sentou praça no Museu de Liverpool até 3 de novembro de 2019) explica que Grapefruit teve influência básica até mesmo na música de John Lennon. Em especial na letra de Imagine, que apesar de ser creditada apenas ao ex-beatle, sempre foi referida como uma composição do casal. E há dois anos passou a ser considerada oficialmente uma música dois dois. Aliás, de certa forma, havia semelhança entre a linguagem de Grapefruit e a de Lucy in the sky with diamonds, que Lennon fizera para os Beatles e que já tinha verbos no imperativo (“imagine-se num barco em um rio”, “procure a garota com o sol nos olhos”, etc).

E foi sob o signo de Grapefruit que John Lennon e Yoko Ono viraram apresentadores de TV por um dia, em 14 de outubro de 1971.

MUITO TEMPO LIVRE

O lado Faustão do casal de músicos foi para o ar no programa Free time, que ia ao ar numa estação de TV pública de Nova York, a WNET. O Free time era uma atração de variedades muito louca. Ia ao ar três vezes por semana na faixa de 22h30 à meia-noite e variava a equipe de apresentadores, convidando sempre uma turma a fim de arrumar confusão. Num dos programas, o poeta beat Allen Ginsberg dividiu o palco com o cantor Bob Dylan, o poeta e ator Peter Orlovsky e Gerard Malanga, também poeta, ator e ex-integrante da trupe de Andy Warhol.

A aparição do casal já esteve milhares de vezes no YouTube, saiu de lá e voltou pra lá. Os dois dividiram o palco com o cineasta alternativo Jonas Mekas. Na frente de uma plateia bastante animada, os três fizeram uma performance que incluía trechos de um texto de Yoko intitulado Of a grapefruit in the world of park. Aliás, exibiu também filmes do casal (entre eles, o Up your legs forever, cheio de bundas desnudas, do qual já falamos aqui).

TOMOU UM TOMBO

A plateia também sobe no palco e num dos momentos mais malucos, vários dos espectadores sobem, em fila, numa escada, para uma tentativa de “voar” do degrau superior. Todo mundo cai nos braços de Lennon. Com exceção de um sujeito que cai da escada e vai direto em cima do próprio braço, no chão. O ex-beatle consegue socorrer o cara, mas só depois de tudo.

John Lennon e Yoko Ono: apresentadores de TV por um dia
Videocassetadas do Lennon

Tá tudo aí.

Via Dangerous Minds e That Eric Alper