Em 1992, a história em quadrinhos Migraine Boy (“garoto enxaqueca”, fim) começou a ser publicada pela revista Hype!, de Seattle. O autor era Greg Fiering, cujo trabalho acabou se tornando conhecido a ponto da HQ migrar para outras publicações, como Spy, Flagplole magazine e Village Voice.

A tirinha era sempre publicada em preto e branco, com poucos quadrinhos, e tinha um plot absurdamente simples: um garoto mal-humorado que vivia com enxaqueca, e morava uma casa com quintal típico das habitações suburbanas dos EUA, era constantemente procurado por um vizinho (o “garoto aspirina”, como passou a ser chamado pelos fãs) que queria fazer amizade com ele, mas só dava mancada.

O garoto ganhou destaque a ponto de Greg ser chamado pelo R.E.M. para fazer a capa do disco Monster (1994) – com direito a uma aparição especial do Garoto Enxaqueca no encarte do CD. Michael Stipe, vocalista da banda, chegou a definir o Migraine Boy como “nervosismo impassível em um mundo plano e tranqüilo”. Foi o próprio vocalista que fez o convite a Greg.

Em 1996, dois anos após Monster sair, o sucesso do Migraine Boy chegaria à telinha. Hoje falando, parece que foram quase dois anos de temporadas. Mas o desenho animado do Garoto Enxaqueca teve apenas doze clipes curtos, produzidos pelo estúdio Greenhead Media, e levados ao ar pela MTV americana.

No Brasil, as aventuras do personagem foram ao ar (na MTV Brasil, por sinal) em 1997. Fez tanto sucesso que a emissora chegou a pensar em criar um similar nacional. A MTV mandou para o ar um Barraco, programa de debates apresentado por Astrid Fontenelle, sobre o tema “chatice”, girando em torno do personagem.

A Folhateen, encarte para adolescentes da Folha de S. Paulo, não perdeu tempo e entrevistou famosos sobre os “garotos enxaqueca” que eles conheciam. Luciano Huck disse que ele próprio era um garoto enxaqueca (“eu encho o saco e me cobro demais, sou muito perfeccionista”, falou). Serginho Groisman deu o cargo para o diretor de teatro Cacá Rosset. E pelo menos dois famosos (Elke Maravilha e Ricardo Confessori, baterista do Angra) disseram que o então presidente do Brasil, Fernando Henrique Cardoso, era o garoto enxaqueca.

Mas essa longa introdução era só para informar que jogaram no YouTube todos os episódios do Garoto Enxaqueca exibidos na MTV Brasil. Pega aí.

Ah, sim: em 1999 Fiering e o mesmo animados da série, James Dean Conklin, fizeram um desenho animado em curta-metragem (e colorido!) do Garoto Enxaqueca. Era Migraine Boy: The bet. Tá no YouTube também.