Iggy Pop lançando um disco obscuro na TV em 1979

Após fazer certo barulho com discos produzidos por David Bowie e lançados pela RCA, Iggy Pop assinou contrato com a Arista, no fim dos anos 1970, contando com a produção do velho amigo James Williamson (que tocara na formação pós-1973 da ex-banda de Pop, Stooges).

A estreia no selo foi um disco que fracassou comercialmente, New values (1979), que trazia, além de Williamson, outro ex-stooge, Scott Thurston, na guitarra e nos teclados. O disco reúne qualidades o suficiente para ser considerado um dos discos preferidos de ninguém menos que Frank Black. Mas como costumava acontecer nos discos de Iggy, uma série de fatores bizarros e coincidências infelizes atrapalhou tudo. Quilos de cocaína foram consumidos na gravação, o que já ajudou a tirar o foco do cantor. Testemunhas reclamam que Williamson, mesmo sendo braço-direito de Iggy, encheu o disco de corais e backing vocals. A Arista, ocupada que estava com artistas como Barry Manilow, nem chegou a trabalhar direito o disco. O diretor de A&R Ben Edmonds, que levara Iggy para lá, saiu do selo e deixou o cantor largado.

Alguns esforços foram feitos para divulgar o disco, como uma turnê e a aparição de Iggy em alguns programas de TV – como o Wyld ryce, espécie de revista de artes da emissora americana PBS. Em 3 de maio de 1980 foi ao ar o programa com Iggy. O artista dividia espaço com o cantor e compositor Taj Mahal e aparecia, entre outras coisas, no palco do Jay’s Longhorn, casa de shows em Minneapolis, em novembro de 1979. Na turnê, Iggy contava com Klaus Kruger (ex-Tangerine Dream) na bateria, Glen Matlock (ex-Sex Pistols) no baixo, Brian James (The Damned) na guitarra, entre outros. Iggy fala palavrão e cospe no palco e se joga sobre um teclado – o barulho introduz uma canção, Dog food.

Iggy também aparecia dando autógrafos numa loja de discos (os fãs são entrevistados), mostrando o pinto no palco (a câmera corta o bagulho, calma), interrompendo o show para parar uma briga na plateia e respondendo perguntas. O apresentador fazia questão de destacar que o rock já estava um tanto quanto domesticado e era visto como “música positiva” – enquanto o som de Iggy era o mais negativo que se podia escutar naquele período.

Durante o papo com o cantor, realizado numa kombi, ele estranhamente mete o pau no rock feito na época e diz que o estilo estava longe de ser seu favorito. E diz que sua música é basicamente sobre “faça você mesmo”. Iggy reclama também que New values não tinha exposição suficiente e não tocou no rádio.

O vídeo está na íntegra aqui e não pode ser incorporado no texto. Veja antes que tirem do ar.

Pega New values tirado direto do vinil aí embaixo. Depois disso, Iggy lançaria mais dois discos pela Arista, Soldier (1980) e Party (1981), gravaria um controverso disco independente, Zombie birdhouse (1982) e sumiria até seu próximo resgate. Mas isso é outra história.