Em 1973, David Bowie – inglês em vias de residir Estados Unidos – era um superstar do rock. E sua esposa Angie Bowie vivia dias meio… estranhos. Tentava se adaptar à condição de mulher de astro pop e levar adiante um frustrado casamento aberto com Bowie. O objetivo do casório era que a “abertura” valesse para os dois, ainda que David volta e meia escondesse um ou outro caso dela. Era o que acontecia quando supostamente ele tinha algum interesse a mais pela garota, como entrega a biografia Bowie, de Mark Spitz.

Numa dessas, ela decidiu se relançar como atriz e modelo. Só que adotou o nome Jipp Jones, usando o sobrenome verdadeiro do marido. Foi com esse apelido que ela encarou, no fim de 1973, um teste para o papel-título da série Mulher Maravilha, que seria levada ao ar pela CBS a partir de 1974. O assunto ocupa algumas páginas de sua autobiografia Backstage passes, escrita ao lado de Patrick Carr e lançada em 1993.

Angie disse que o papel já estava prometido à ex-miss Lynda Carter (que de fato interpretou a Mulher Maravilha por cinco anos após 1974). E que a possibilidade de uma audição só lhe foi oferecida porque seria um bom gancho a explorar na ida de Bowie ao Tonight Show para promover o especial 1900 floor, que seu marido fizera para o Midnight Special (falamos desse show aqui). Ela chegou a fazer fotos como Mulher Maravilha, pouco antes de realizar os testes.

Quando Angie Bowie quase foi a Mulher Maravilha Quando Angie Bowie quase foi a Mulher Maravilha Quando Angie Bowie quase foi a Mulher Maravilha Quando Angie Bowie quase foi a Mulher Maravilha

Olha elas aí. Angie diz ter sido interpelada por uma mulher da produção, no meio do teste, que reclamou que ela não estava usando sutiã. E também afirma ter sido vítima de assédio por parte de um dos roteiristas. “Eu odiava Hollywood; era realmente muito desagradável. Eles eram muito desagradáveis, um monte de porcos chauvinistas. As mulheres eram puramente decorativas”, chegou a afirmar certa vez ao BlogTalkRadio.com.

Quando Angie Bowie quase foi a Mulher Maravilha

Uma reportagem da Rock Scene de maio-junho de 1974, afirmava que Angie, quando não era a “Senhora David Bowie”, era a modelo e atriz Jipp Jones, que recentemente tinha feito teste para Mulher Maravilha. E mostrava algumas fotos em que ela encarnava a personagem. A foto maior saiu publicada na revista Manchete nos anos 1980, numa reportagem sobre o livro Rock wives, de Victoria Balfour, sobre as vidas das mulheres de roqueiros famosos.

O namoro de Angie Bowie com o universo dos quadrinhos não parou aí. Ela resolveu comprar os direitos dos personagens Daredevil e Viúva Negra, com a intenção de fazer um filme ou uma série. O próprio Stan Lee (que Angie conhecera ainda na época das negociações da audição) vendeu os direitos para a atriz e modelo.

Essa aventura também rendeu uma série de fotos, tiradas por Terry O’Neill (o mesmo que clicou as imagens dela como Mulher Maravilha), com o ator Ben Carruthers na fantasia de Demolidor. Seguem abaixo.

Quando Angie Bowie quase foi a Mulher Maravilha Quando Angie Bowie quase foi a Mulher Maravilha

O projeto não andou. Angie diz não ter conseguido ninguém interessado em levar a história adiante. “Eu recebi permissão de Stan Lee para ter os direitos de Demolidor e Viúva Negra por um ano. Não foi possível colocar a série. Ben Carruthers e eu fizemos a sessão de fotos com Terry O’Neill, a figurinista Natasha Kornilkoff e a maquiadora Barbara Daly em Londres. E foi tudo o que aconteceu. Infelizmente, naquela época, era considerado muito difícil e caro filmar, efeitos especiais etc”, afirmou.

Com infos de Dangerous Minds, We Minored in Film, Wonder Woman Museum e Female First.