O guitarrista e cantor norte-americano John Felice, antes de montar The Real Kids, andou pela primeira formação dos Modern Lovers, banda de Jonathan Richman. Com 15 anos de idade, acabou não ficando na banda por causa de compromissos escolares. Tocou com eles até 1973 mas nem sequer chegou a gravar nas sessões de 1972 que originariam o primeiro disco do grupo, porque estava cuidando de demandas off-Modern Lovers.

Modern Lovers: John Felice é o da esquerda

“Eu e Jonathan, quanto mais próximos ficávamos, mais apareciam diferenças. Eu era um malucão, gostava de drogas, muitas drogas. Gostava de beber… E Jonathan era o caretão que não usava drogas, comida comida saudável, era o cara que bebia suco de cenoura”, disse nesse papo aqui.

Felice alega ter feito várias músicas para os Modern Lovers e que todas foram rejeitadas pelo líder (“os outros integrantes gostaram delas, mas ele tinha um ego imenso”, diz). Ele estava até do lado de Richman quando a banda assinou o primeiro contrato com uma gravadora, embora tenha ficado de fora do disco. E diz também que o personagem Hippy Ernie, da música I’m straight, dos ML (era o cara que estava “sempre doidão, nunca careta”) foi inspirado nele.

Surgidos em 1972, os Real Kids (vindos de Boston) lembravam muito os Ramones – pelo menos nos penteados e no som que vazou para seu primeiro disco, de 1977, lançado pelo selo Red Star. Tudo considerado, eram uma banda bem pré-punk, já que no começo dos 70 não tinha muita gente fazendo esse tipo de som.

O grupo começou com o nome de The Kids – nada a ver com esse The Kids. “A música estava mudando. A música que eu e Jonathan gostávamos, a música do tipo anti-hippie. Eu gostei do Velvet Underground. Eu não gostava do Quicksilver Messenger Service e de toda aquela merda hippie. Eu odiava essa merda. Eu gostei dos Stooges e do Velvet Underground e do MC5, foi isso que eu escutei no ensino médio. Isso foi tudo que eu ouvi”.

Em 1977 o grupo tinha, além de Felice, Billy Borgioli (guitarra), Allen “Alpo” Paulino (baixo) e Howie Ferguson (bateria). E gravou seu primeiro disco, The Real Kids. Olha aí o primeiro grande hit, All kindsa girls.

Pouco antes dos Real Kids tornar-se uma realidade, Felice ficou bastante próximo dos New York Dolls e chegou a ser sondado para os Heartbreakers, banda dos ex-Dolls Johnny Thunders e Jerry Nolan. Mesmo sendo bem mais doidão do que o ex-colega Richman, Felice declinou do convite para se juntar a dois notórios heroinômanos. “Eu estaria morto”, afirmou.

Cartaz de show recente da banda

A ligação com os Ramones não vinha só pelo som ou pela aparência. Felice diz que os Real Kids eram amigos de Johnny, Joey, Dee Dee e Tommy. Ele mesmo chegou a trabalhar como roadie dos roqueiros do Queens antes do Real Kids dar em alguma coisa. Aliás, nem chame os Real Kids de punk porque Felice não gosta. “Outras pessoas nos rotularam de banda punk, eu não entendo. Os Ramones eram amigos pessoais próximos, eles não eram uma banda punk. Se eles ainda estivessem vivos, diriam que, assim como nós, eles eram uma banda de rock and roll. Não posso deixar de pensar que os Buzzcocks se sentem da mesma maneira”, afirmou.

Olha Felice aí, em 1982, à frente de um dos vários retornos do Real Kids.

E olha o Real Kids aí, tocando a amarga Who needs you (que Felice diz ter sido feita em desomenagem a Richman) no ano passado.