O POP FANTASMA relembra diariamente alguns discos que estão fazendo aniversário. Os textos serão escritos e postados com total desrespeito ao velho apetite do jornalismo por datas redondas, clássicos indiscutíveis (opa, alguns dos que vamos colocar são clássicos sim) e efemérides de meter medo. Veja (e ouça também!) discos que sopram velinhas em 18 e 19 de março.

No dia 18 de março de 1967 saí “Album 1700”, do trio folk Peter, Paul & Mary, com o hit “Leaving on a Jet Plane” (de John Denver)

“The idiot”, classicaço de Iggy Pop, saiu em 18 de março de 1977 e é de audição orbigatória. O punk e o pós-punk naceram simultaneamente daí.

Em 18 de março de 1980, Grace Slick, cantora do Jefferson Airplane/Jefferson Starship, lançava seu segundo disco solo, “Dreams”, com capa e som psicodélicos totalmente incompatíveis com a época.

E lá vem barulho: o Helmet lançava um disco bastante controverso entre os fãs, “Aftertaste”, em 18 de março de 1997. Há quem ache que é o melhor disco da banda, há quem veja nele a confirmação de que entrou areia na história de que o quarteto de Nova York era o “novo Nirvana”.

E no mesmo dia, um excelente grupo da Carolina do Norte, Ben Folds Five, lançava seu segundo disco, “Whatever and ever Amen”.

Já no dia 19 de março de 1971, o Jethro Tull lançava o clássico “Aqualung”, que muita gente discute até hoje se é um disco conceitual ou não.

E no mesmo dia, Leonard Cohen lançava um de seus discos mais icônicos, “Songs of love and hate”.

Em 19 de março de 1973, os Bee Gees lançavam o décimo disco, “Life in a tin can”. A música era boa, já a capa…

No mesmo dia, encanado ao pensar na vida enquanto segurava uma estatueta de Buda numa das mãos e uma caixa de chocolates na outra, Cat Stevens lançava… “The Buddha and the chocolate box”.

E um clássico do Kiss saiu em 19 de abril de 1975, “Dressed to kill”, com o hit “Rock and roll all nite” e, na capa, o linguarudo Gene Simmons vestindo uma calça vários números abaixo do seu manequim.