Tem alguns dias, um fotógrafo de turismo britânico chamado Jonathan Crabb teve fotos viralizadas nas redes sociais. Mas as imagens não eram de nenhum ponto turístico local, e sim de um show do Joy Division que Crabb fotografou em 27 de dezembro de 1978 no Hope & Anchor, em Londres.

O material está todo no Facebook dele, que pode ser visto mesmo por quem não é amigo de Crabb. A banda estava no comecinho da carreira e Crabb também estava dando seus primeiros passos como clicador de imagens. As fotos foram feitas numa Kodak Instamatic, “não muito diferente das câmeras descartáveis ​​que você tem agora, daí a qualidade” e Jonathan disse que preferiu nem fazer mais cliques, porque não queria atrapalhar a banda no palco.

Se você, antes da pandemia (a partir de agora tudo é outro caso), estava acostumado com o fecha-abre de bares e restaurantes no Brasil, e mais especificamente no Rio, talvez se assuste com o histórico do Hope & Anchor. Primeiro porque o local, que funciona em Upper Street, no bairro londrino de Islington, existe desde 1880. A partir de 1976, passou a abrigar shows de punk e new wave. O The Damned, por exemplo, gravou o clipe de New rose por lá, em 27 de dezembro de 1978 (data fornecida pela Wikipedia).

Em 1978, um festival uniu no Hope & Anchor bandas como Stranglers, Wilko Johnson Band (banda solo do ex-guitarrista e cantor do Dr. Feelgood), The Saints, X-Ray Spex e o grupo de reggae Steel Pulse. O Hope & Anchor Front Row Festival gerou até um LP duplo lançado pela Warner.

Crabb vem fazendo o que muita gente está fazendo nessa época de pandemia: dando aquela revirada no baú de recordações e pegando fotos antigas. Olha aí umas imagens que ele clicou de uma das bandas mais interessantes da história do punk britânico, o Crass.

Agora o que interessa é que: 1) as fotos de Crabb já andavam rolando por aí faz alguns anos e algumas delas já estavam num site de fãs do Joy Division, feito na época da internet a lenha; 2) o mesmo site tem algumas infos sobre o tal show do Joy no Hope & Anchor. A apresentação da banda foi dada para 30 pessoas, e o grupo foi ensanduichado numa agenda que incluía shows dos Soft Boys, Live Wire e Carol Grimes Band (a banda Physicals, também agendada, prometia EP “grátis para ser dado ao público”).

Muitos relatos sobre os primeiros shows do Joy Division dão conta de que a banda tinha lá seus ~problemas~ no palco no comecinho da carreira, quando ainda não haviam conseguido convencer direito o público de que a atitude da banda nos shows era tendência. Mas um crítico chamado Nick Tester deu uma bela detonada no tal show do Joy Division no Hope & Anchor. O texto está no tal site de fãs. Olha aí.

“O Joy Division tenta ser um grupo sombrio, mas eu só consegui sorrir.

Eles gaguejam no palco com olhares profundos, de mau humor. O vocalista, Ian Curtis, parece intensamente irritado, mas ele não diz nada entre as músicas, exceto para dizer que a banda vai tocar.

A música é de cor escura, flat e geralmente sem distinção. O guitarrista Bernard Albrecht (Sumner) toca alguns acordes menores, mas o ritmo monótono de Peter Hooks (baixo) e Steve Morris (bateria) invariavelmente ultrapassa esses babados com som de marreta. O veículo perfeito, ao que parece, para letras com inclinação à desgraça.

Essa tristeza retraída é alienante, mas não por motivos provocativos ou criativos. Achei o ‘tédio’ da Joy Division um tanto oco e cego, cômico em sua angústia supérflua.

Um som sombrio, quase angustiante, mas que é uma paródia fácil disso, ilustrada pela resposta educada dos poucos festivos aqui hoje à noite. Considerando que, digamos, o Gang Of Four provoca amargura genuína e perturbadora por meio de uma abordagem sutil e refrescante, a Joy Division comunica pouco dessa tensão ou expansão via depressão, já que seu ângulo é desajeitado, artificial e mundano a ponto de ser ridículo.

Eles podem ter conseguido seguidores firmes na cidade natal de Manchester, mas não conseguiram causar uma impressão semelhante diante de um novo público (embora não necessariamente mais objetivo). Uma noite perdida, talvez, mas a falta de uma abordagem animadora da Joy Division poderia ser melhorada por uma postura articulada e um método musical mais nítidos.

O Joy Division poderia ser uma boa banda se eles colocassem mais ênfase na postura do que na pose”.