Parece um pouco com a história que o POP FANTASMA contou outro dia, das vaias e da chuva de lixo (e de garrafas, e de tudo o que estivesse à mão) que o Blondie recebeu quando foi escalado em cima do laço para abrir para o Rush, em 1979. O Public Image Ltd (PiL, enfim) foi escalado às pressas para substituir os new-wavers do Bow Wow Wow (!) num show no The Ritz, em Nova York, em 15 de maio de 1981.

Só que a coisa desandou por um motivo meio básico: a banda decidiu, em vez de fazer um show simples, substituir a apresentação por uma “performance de vídeo”. Isso deixou os compradores dos ingressos bem putos da vida. Foi o que muita gente chama até hoje de “rebelião do Ritz”.

Olha aí como ficou tudo depois, que beleza.

Porrada no show do PiL

>>> Veja também no POP FANTASMA: John Lydon detonando todo mundo no Juke Box Jury, da BBC

A história do PiL decidindo fazer uma apresentação de vídeo onde poderia tranquilamente rolar um show, vá lá, não é das mais imbecis. Numa época em que nem todo mundo tinha videocassete em casa e uma fita de show era artigo raro (e muitas vezes passado de mão em mão), The Ritz foi um dos primeiros a investir num telão enorme, onde eram apresentados vídeos de bandas.

Ed Caraballo, amigo de Keith Levene, guitarrista da banda, organizou o show e contou toda a história nesse artigo. Para começar, ele foi o responsável por colocar todo o equipamento da banda no local e organizou a edição do filme que foi apresentado na noite. “O filme trazia fotos de PiL fazendo passeios de helicóptero e John Lydon (vocalista) em um quarto de hotel ficando obcecado por TV a cabo (ele praticamente nunca saiu do hotel quando eu o conheci)”, contou.

“Eu criei esse conceito para a banda, onde eles tocariam ao vivo atrás de uma tela enorme. Você nunca veria a banda diretamente. O que fizemos foi usar toda essa fileira de luzes de alta intensidade, muito baixas. Então, essas luzes iluminariam a silhueta da banda contra a tela do vídeo. Poderíamos alternar isso com uma câmera ao vivo que estava filmando a banda atrás do palco e projetaríamos essa imagem na tela”, contou o produtor.

>>> Veja também no POP FANTASMA: O pensamento vivo de John Lydon sobre música

Ele lembrou que a banda exigiu 12 mil dólares pelo pacote – que ainda envolveu a entrada de um grupo de abertura, recrutado num bar, e que parecia uma banda folk (e foi vaiado). O PiL chegou atrasado, estava chovendo, o público estava irritado e, recorda Caraballo, os fãs do grupo novo de Lydon eram egressos da manada de admiradores da ex-banda do cantor, Sex Pistols. O que já garantia a porrada.

Pra você ouvir tudo o que aconteceu naquela noite nada memorável, tá aí um áudio que foi tirado de um LP pirata (sim, um pirata!) com todo o conteúdo. O que deixou o público mais irritado foi que por exigência da equipe, a apresentadora de TV Lisa Yipp, amiga de Joe e Levene, foi lá entrevistar a banda. Lisa havia feito uma entrevista com Keith Levene um tempo antes, e em seu programa, usava uma lata de lixo (!) como apoio para fazer as reportagens. E ela foi lá com a maldita lata de lixo, cuja tampa virou escudo quando o público jogou garrafas de cerveja no palco.

A banda começou a tocar músicas do disco Flowers of romance e isso deu uma acalmada na plateia, mesmo com todo mundo por trás do telão. Só que Lydon começou a provocar todo mundo com frases como “audiência silenciosa, foda-se” e “por que diabos vocês pagaram 12 dólares pra ver isso?”.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Never mind the bollocks, segundo John Lydon e Glen Matlock

O público começou a pedir para que a tela fosse aumentada. Lydon disse que “não, não vamos aumentar a porra da tela!”. Mais garrafas voaram e a galera começou a puxar a lona do palco. Só que com a lona todos os equipamentos começaram a “andar” como se fosse cair do palco (!!). O Ritz deu o show por encerrado, mandou tirar John e Keith do palco e ficou tudo bem.

Tudo bem? Nada. Joe tinha sido o responsável pela ideia e saiu do palco tascado e morrendo de medo – curiosamente, ouviu elogios de um produtor que tinha convidado para o show, na base do “é a melhor coisa que eu já vi!”. Levene e Lydon começaram a brigar feio e a banda quase acabou aí. Depois, Levene saiu e foi fazer outras coisas. “Mas olhando para todo aquele evento, é uma das experiências da minha vida. Mesmo naquela noite, eu pensei: ‘eu poderia morrer esta noite e vendo o que vi, poderia dizer que vivi uma vida completa”, contou.

Curiosamente o Bow Wow Wow era criação do ex-empresário dos Pistols, Malcolm McLaren, detestado e atacado publicamente por Lydon. Vai que ele se sentiu vingado… Enquanto você pensa sobre o assunto, pega o PiL em uma situação bem mais segura naquele mesmo ano.

>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

DEIXE UMA RESPOSTA