“Uma das coisas que mais deixaram os fãs impressionados com a gente, era que nossa mensagem era: ‘Ei, faça o que pra você é certo fazer’. Quer deixar um bigode enorme crescer, deixe. Quer deixar o cabelo comprido, deixe”, revela Greg Norton, baixista do Hüsker Dü e bigodudo oficial do trio.

A banda tinha ainda o baterista cabeludo e ripongo Grant Hart e o guitarrista, cantor e antigalã Bob Mould. Juntos, eles criaram um modelo usado até hoje pelo punk americano, partindo do hardcore bravo para canções melódicas e com acento folk. Green Day e e Nirvana só foram o que foram por causa dessa improvável banda de Minneapolis, que começou no circuito independente e foi contratada pela Warner. E que acabou em 1988, após dez anos de grandes composições, shows memoráveis e tensões internas.

A tal declaração de Greg veio do vídeo abaixo, que mostra um por-onde-anda com os três integrantes do Hüsker Dü, em 1999. A reportagem (não sei que canal é esse) achou Greg trabalhando como chef de cozinha e o saudoso Grant ainda atuando como músico, gravando discos (solo ou com a banda Nova Mob) e andando de carro. E colecionando objetos estranhos catados na rua. Os dois se encontraram no restaurante em que Norton trabalhava para bater um papo. O Hüsker estava separado havia mais de dez anos.

Por outro lado, Bob Mould já tinha virado herói punk graças a seus discos solo e aos álbuns do Sugar, banda que montou alguns anos após o fim do Hüsker Dü e que teve um estourinho com If I can’t change your mind e Helpless. Mould não foi achado para a matéria ou não quis encontrar com os ex-colegas.