Connect with us

Cultura Pop

Patty Pravo: “a” David Bowie da Itália

Published

on

Patty Pravo: "a" David Bowie da Itália

Tem muita gente que afirma isso: a cantora italiana Patty Pravo tem tudo para ser considerada uma espécie de versão feminina italiana de David Bowie. Especialmente por causa da atitude camaleônica, e pelo fato de ter se aproximado da estética glam (mais até do que do som). Há algumas semanas, quem acompanha o POP FANTASMA viu um vídeo que encontramos do Stryx, um inusitado programa de variedades satanistas da Itália (!), no qual Patty aparecia cantando Bello, versão de Love goes to building on fire, dos Talking Heads.

A releitura saiu no disco Miss Italia, de 1978, uma espécie de incursão da cantora pelo pós-punk, com direito a algumas pós-progressivices (nos sintetizadores e nos climas de algumas faixas). Mas até chegar la, a cantora já havia passado por fases diferentes.

Patty, cujo nome verdadeiro é Nicoletta Strambelli, havia herdado o nome artístico de uma passagem da primeira parte da Divina comédia de Dante Alighieri (o Inferno tinha uma parte que falava em “pravas almas”). Logo no comecinho da carreira, se tornou conhecida como “a garota do Piper”, por causa de seus repetidos shows no Piper Club, um dos mais conhecidos de Roma. O Piper era pop o suficiente para ter em sua agenda apresentações até mesmo de um iniciante Pink Floyd, em 1968.

Advertisement

>>> Veja também no POP FANTASMA: Space Waltz: glam rock na Nova Zelândia

Os vocais de Patty, em boa parte dos seus discos, mantêm aquela tradição meio, digamos, exuberante da canção italiana. Mas desde o comecinho, ela foi dando mostras de que queria mais. Em 1968, como musa da jovem guarda local, gravou o single Doll, que vendeu nove milhões de cópias. Mas ela particularmente não curtia a música, que falava de uma garota dependente do namorado.

Contudo, Patty resolveu ousar em 1969 gravando um disco orquestral, Concerto per Patty, que trazia uma releitura da releitura de Joe Cocker de With a little help from my friends, dos Beatles. Só que a versão era instrumental, com Patty ao piano, acompanhada por uma banda britânica radicada na Itália, The Primitives.

As coisas mudaram a partir de 1970, após Patty participar do Festival de San Remo (opa, o mesmo que mudou a carreira de Roberto Carlos). Ela adotou uma postura mais “madura” e dramática, gravou Ne me quitte pas, de Jacques Brel, em italiano. Aliás, chegou a fazer dueto com Vinicius de Moraes numa gravação de Samba em prelúdio. Nesse período, teve muita gente boa considerando Patty uma espécie de Edith Piaf de seu país (e ela chegou a fazer sucesso na França).

Advertisement

>>> Veja também no POP FANTASMA: Adrian Street: o rei da luta livre glam

Só que em 1973 Patty troca a Philips, sua gravadora no começo dos anos 1970, pelo mesmo selo de David Bowie e Lou Reed, a RCA. Nessa fase pop adulta, Patty tem sucessos como Pazza idea e I giardini de Kensington, que é nada menos que Walk on the wild side, de Lou Reed, em italiano. Em 1976 rola até um namoro com o metal progressivo (!) no disco Patty Pravo, com La mela in tasca.

Um detalhe: Patty Pravo esteve com David Bowie duas vezes. A primeira foi quando ele esteve na Itália gravando uma versão de Space oddity. Essa versão foi lançada com o curioso nome de Ragazzo solo, ragazza sola. “Ele ainda não era muito famoso, mas já estava anos-luz à frente dos outros. Nos encontramos novamente muitos anos depois, durante um jantar em um restaurante japonês em Los Angeles, no Sunset Boulevard. Ele me reconheceu imediatamente”, lembrou aqui.

Advertisement

Com o passar dos anos, Patty foi abarcando estilos como funk, new wave e sons eletrônicos. Em 2019, no disco Red, fez até dueto com o cantor pop italiano Briga (em Un po’ come la vita). Os dois participaram de festivais juntos e até hoje Patty, com 72 anos, é chamada de “a garota do Piper”.

Cultura Pop

Tem XTC no podcast do POP FANTASMA

Published

on

XTC

É a banda de Making plans for Nigel e King for a day! A banda britânica XTC deixou saudade na gente e em mais um monte de fãs. No nosso podcast POP FANTASMA DOCUMENTO, recordamos alguns dos momentos mais maravilhosos (nada de “melhores momentos”, XTC só tem música maravilhosa) desse grupo, liderado pelos gênios Andy Partridge e Colin Moulding, que acabou de forma misteriosa e deixou vários álbuns que todo mundo tem que conhecer. E convidamos o amigo DJ e músico Pedro Serra (Estranhos Românticos, O Branco E O Índio, Rockarioca) para ajudar a explicar porque é que você tem que parar tudo e ouvir o som deles agora mesmo.

O Pop Fantasma Documento é o podcast semanal do site Pop Fantasma. Episódios novos todas as sextas-feiras. Roteiro, apresentação, edição, produção: Ricardo Schott. Músicas do BG tiradas do disco Jurassic rock, de Leandro Souto Maior. Arte: Aline Haluch. Estamos no SpotifyDeezerCastbox Mixcloud: escute, siga e compartilhe! Ah, apoia a gente aí: catarse.me/popfantasma.

Continue Reading

Cinema

No podcast do POP FANTASMA, a redescoberta de Jim Morrison em 1991

Published

on

No podcast do POP FANTASMA, a redescoberta de Jim Morrison em 1991

Indo na onda do documentário Val, sobre o ator Val Kilmer, e recordando os 50 anos da morte de Jim Morrison, lembramos no nosso podcast, o POP FANTASMA DOCUMENTO, aquela época em que Val virou Jim. O ator de filmes como Top Secret interpretou o cantor no filme The Doors (1991), dirigido por Oliver Stone. E, de uma hora para outra, mais uma vez (e vinte anos após a partida de Jim Morrison), uma geração nova descobria canções como Light my fire, Break on through e L.A. woman.

No podcast do POP FANTASMA, a redescoberta de Jim Morrison em 1991

O Pop Fantasma Documento é o podcast semanal do site Pop Fantasma. Episódios novos todas as sextas-feiras. Roteiro, apresentação, edição, produção: Ricardo Schott. Músicas do BG tiradas do disco Jurassic rock, de Leandro Souto Maior. Arte: Aline Haluch. Estamos no SpotifyDeezerCastbox Mixcloud: escute, siga e compartilhe! Ah, apoia a gente aí: catarse.me/popfantasma.

Continue Reading

Cultura Pop

Quando pegaram Gary Cherone (Extreme) para Cristo

Published

on

Em 1994, pouco antes de gravar o quarto disco com sua banda Extreme (o pseudo-conceitual Waiting for the punchline, de 1995) e de fazer uma tentativa de virar o vocalista do Van Halen (que deu no disco Van Halen III, de 1998, e numa turnê), o cantor Gary Cherone encontrou Jesus. Bom, mais que isso: ele se tornou Jesus, como ator da ópera-rock Jesus Christ Superstar, mas apenas nas montagens da peça em Boston, em 1994, 1996 e 2003.

O papel de Gary incluiu a crucificação e tudo, e o cantor chegou a declarar que a peça era uma antiga obsessão sua. “Sempre adorei a música dessa peça”, contou. O musical foi uma produção da Boston Rock Opera, trazia ainda Kay Hanley (Letters To Cleo) como Maria Madalena, e participação de vários roqueiros locais. Gary realmente curtia Jesus Christ Superstar: segundo uma matéria do The Boston Globe, a equipe que fazia o musical estava pensando em não apresentar nada na páscoa de 1994. Só que Gary não deixou: tinha visto uma encenação em Boston em 1993, gostou do que viu, passou a mão no telefone e ligou pessoalmente para a turma oferecendo-se para o papel.

A equipe ouviu o pedido do vocalista do Extreme, achou que ser maluquice não aproveitar a oferta do cantor e partiu para os ensaios. Detalhe que Gary, depois de três temporadas sendo crucificado, se preparava para outro desafio na mesma peça: iria interpretar Judas, o amigo da onça de Jesus. “Gosto do papel de Jesus, mas Judas tem músicas mais pesadas”, chegou a dizer.

Advertisement

Isso de Gary resolver interpretar Judas e gostar do lado meio pesado da história (e ele fez mesmo o papel em 2000) reacendeu uma velha polêmica em relação a Jesus Christ Superstar. Criada por Andrew Lloyd Webber e Tim Rice inicialmente como uma ópera-rock lançada apenas em disco (ninguém tinha grana para levar aquilo tudo ao palco e não surgiam produtores interessados), a história discutia os papéis de Jesus Cristo e de seus apóstolos durante sua última semana de vida. E quando a peça foi à Broadway, com Jeff Fenholt como Jesus e Ben Vereen como Judas, não faltou gente reclamando que Judas parecia bastante simpático na peça.

Interpretando Jesus, por sinal, Gary encarou um papel que já foi vivido por outro vocalista de rock. Ninguém menos que Ian Gillan, que foi Jesus no LP da ópera-rock, feito quando ainda não havia planos para levá-la aos palcos. Mas Gillan não quis subir ao palco quando a montagem começou a ser feita, alegando que não queria virar ator. Um tempo depois, o papel de Jesus passou a ser tão cobiçado por roqueiros que até Sebastian Bach (o próprio) interpretou o papel.

Se você mal pode esperar para ver o ex-Skid Row interpretando o papel (bom, vai demorar pro POP FANTASMA fazer outra matéria sobre o mesmo assunto…) tá aí.

Advertisement
>>> Apoia a gente aí: catarse.me/popfantasma

Continue Reading
Advertisement

Trending