Existiu uma possibilidade bem grande de a MTV se instalar no Brasil durante os anos 1980. Muita gente que tem lá pelos 45, 50 anos e acompanhava o mercado pop na década, deve se lembrar de que a Rede Manchete, por muito pouco, não fechou um contrato com a MTV americana que permitiria que a estação dos Bloch dedicasse boa parte de sua programação a clipes.

Isso aconteceu justamente numa época em que a Manchete mantinha programas bem interessantes como o jornalístico pop Shock, e várias outras estações descobriam que passar clipes era a melhor maneira de manter o jovem, esse desconhecido (e o adolescente, esse ser mais desconhecido ainda) grudado na tela da TV.

Assuntos como “MTV”, “clipes” e “TV jovem” eram tão caros aos anos 1980 que logo no primeiro número da revista de música Bizz, em agosto de 1985, algumas páginas eram dedicadas a tudo isso. A publicação tinha uma seção “clipe”, que no primeiro número informava que “havia uma estação americana que passava clipes o dia inteiro, a MTV”, afirmando que só estava nas paradas quem passava pela emissora, numa época em que as pessoas queriam mesmo era ver música.

Além disso, o comecinho do grupo Olhar Eletrônico e uma de suas criações mais populares (o Crig-Rá, que revelou ao mundo Marcelo Tas) também apareciam na revista. Por acaso, o Crig-Rá era uma das atrações televisivas que, na época, exibiam trechos enormes da programação da MTV. A outra era o carioquíssimo BB Videoclipe, criado por Billy Bond e contando com ninguém menos que Paulo Cintura na lista de apresentadores.

SERÁ QUE ROLA?

Em 2 de fevereiro de 1986, a revista Programa, encartada na Domingo, do Jornal do Brasil, flagrava (vá lá) um certo choque entre a Rede Manchete e Billy Bond nessa história da MTV, por acaso. Isso porque a emissora, durante aquele ano, estava em adiantadíssimas conversas para levar a estação de clipes para o Brasil.

“Se a Manchete fechar negócio com a MTV, dedicando dez horas diárias de sua programação à exibição de clipes, abre uma mina de ouro para as produtoras independentes”, avisava o texto. Uma das produtoras era a BB Video, de Bond, que acumulava “148 clipes de artistas nacionais” (vídeos como Tédio, do Biquini Cavadão, vieram de lá).

Billy avisava, de acordo com o texto, que não acreditava que a emissora produzisse sozinha todos os clipes que precisasse, e que estava lá à disposição para quando os Bloch precisassem. “A MTV brasileira é minha”, contava. Não havia quem duvidasse, lógico. E o produtor, que já havia cantado no Joelho de Porco (e gravado o disco solo O herói, em 1979) arrematava a história – ainda segundo o Jornal do Brasil – produzindo um grande concerto de rock nacional no Estádio de Remo da Lagoa, Zona Sul do Rio, cujas imagens seriam vendidas ao SBT, “interessado em oferecer um presente ao público jovem”.

NÃO DEU NÃO

A quase vinda da MTV para cá alguns anos antes do “eu quero minha MTV” gerou até produção acadêmica. O artigo ‘Eu quero minha MTV: Narrativas sobre uma nova emissora no Brasil democrático (1988-1990), escrito por Carlos Eduardo Pereira de Oliveira, da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) entrega que a Folha de S. Paulo vinha cobrindo a história. E que falava-se até em Marcelo Tas como coordenador do projeto.

Só que apesar da mesma Programa do Jornal do Brasil já ter avisado em janeiro de 1986, que “vão de vento em popa as negociações entre a Manchete e a GGK, agência paulista encarregada de negociar os direitos da MTV americana”, não rolou. Em junho de 1986, a Folha revelava que a união MTV-Manchete fazia água, porque além da realidade da televisão brasileira ser bem diferente da americana, a emissora carioca havia esbarrado na obrigatoriedade da “programação majoritariamente reservada à produção internacional, em detrimento da nacional”.

Nessa época, a Manchete via como principal concorrente a Globo – já tinha perdido Xuxa para a emissora do Jardim Botânico, inclusive. E gastava o que podia e o que não podia na produção de novelas, quase sempre tirando um descontente qualquer da empresa dos Marinho. O artigo de Carlos Eduardo aposta ainda que a MTV surgiu em 1990 favorecida pela Constituição Cidadã de 1988 e pelo fim da censura federal (ainda se censurou muita coisa no Brasil até o fim dos anos 1980, principalmente novelas).

GAZETA

O que talvez menos gente lembre é que antes da Manchete ainda houve uma primeira tentativa da MTV de vir para o Brasil. Em 1985 Ruy Castro anunciava, na sua coluna na Folha de S. Paulo, que estava rolando um acordo entre a TV Gazeta e a MTV. A emissora brasileira “enfiaria nos cofres cerca de dois bi e meio de cruzeiros por mês e mais uma ajuda em equipamento”. Pelo que já estava sendo combinado, a Gazeta (que por acaso exibia o Crig-Rá) teria nove horas de programação da MTV diariamente. A representante da MTV, a Media Marketing Internacional, comercializaria o espaço publicitário da emissora, e rolaria mais uma carreta de grana.

Parecia que ia dar merda, e deu. O jornalista Audálio Dantas, presidente do Conselho Curador da Fundação Casper Líbero, que administra a TV Gazeta, vetou a história (“contraria tudo o que sei sobre concessão de canais”). Audálio, presidente do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo entre 1975 e 1978 e divulgador da verdade sobre o assassinato de Vladmir Herzog nas dependências do DOI-Codi em 1975, também reclamou que a “prestação de serviços” levava a MTV a virar quase inquilina da Gazeta. Quem queria MTV teve que esperar mesmo até 1990 e pronto.

 

VEJA TAMBÉM NO POP FANTASMA:

O ano de 1991 segundo a MTV Brasil
Especial da MTV Brasil sobre a música pop brasileira em 1993 tá no YouTube
– Jogaram tudo de Corpo santo, novela policial da Rede Manchete, no YouTube

Tem conteúdo extra desta e de outras matérias do POP FANTASMA em nosso Instagram.