Em 1991, Neil Young preparou uma surpresa para seus grandes fãs. Em meio à turnê do disco Ragged glory, de 1990, ele e a banda Crazy Horse lançaram o disco ao vivo Weld. Tratava-se de um álbum duplo tão energético e (vá lá) violento que, durante a fase de mixagem, a audição de Young começou a ficar comprometida. “Feri meus ouvidos e eles nunca mais serão os mesmos”, chegou a dizer o cantor.

Após as mudanças e cavalos de pau musicais dos anos 1980 (quando tangenciou com o rockabilly, a música eletrônica e o pós-punk), o cantor e guitarrista canadense tirou o fim da década – e o começo dos anos 1990 – para abraçar novamente o rock. No caso de Weld, fez isso acompanhado de um trio básico (Ralph Molina na bateria, Frank “Poncho” Sampedro na guitarra e nos teclados, e Billy Talbot no baixo), com o qual retornou aos tempos de discos como Everybody knows this is nowhere (de 1969) e Tonight’s the night (1975).

O repertório incluía clássicos como Cinnamon girl e Cortez the killer, e tinha também uma releitura barulhenta (e imediatamente apelidada de “Guerra do Golfo”) de Blowin’ in the wind, de Bob Dylan, cheia de ruídos de ataques aéreos.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Neil Young proibido pela MTV em 1988

É mais ou menos nesse clima ensurdecedor que rola o disco gêmeo de Weld. O álbum Arc saiu como terceiro disco da edição original do álbum ao vivo em CD, trazendo uma única composição de 35 minutos, feita ao lado do Crazy Horse, com a ajuda de Sal Trentino nos efeitos eletrônicos. Depois foi lançado em separado e está nas plataformas digitais.

O que quase todo mundo comenta é que Arc foi bastante inspirado na música do Sonic Youth, uma das bandas de abertura da turnê de Young na época. Neil Young comparou o novo lançamento com Viagem fantástica, filme de ficção científica lançado em 1966, que falava sobre pessoas miniaturizadas e colocadas num submarino (também miniaturizado) para conseguir remover um coágulo do cérebro de um cientista.

Arc é como estar dentro de uma coisa muito grande. Eu igualo Arc a esse filme. É como uma viagem através de um acorde poderoso. O acorde pode durar cinco ou seis segundos, mas leva trinta e cinco minutos. No tamanho ao qual estamos nos reduzindo, para passar por isso”, afirmou Young (diz aqui).

>>> Veja também no POP FANTASMA: Neil Young e o Hambúrguer de Ouro

A tal música de Arc teve origem na faceta cineasta de Young – que já andou dirigindo uns filmes, como a gente já até falou aqui. Em 1987, o músico começou a filmar Muddy track, gravado com uma câmera de mão durante a turnê europeia daquele ano dele com o Crazy Horse. Uma turnê, aliás, bastante acidentada. O artista estava lançando o mal-sucedido disco Life (1987), atraiu pouco público para os shows e, por fim, a relação com a banda ficou abalada. Só que em meio às encrencas, Young documentou com a câmera inícios e fins de canções. Mixou e editou tudo e fez uma trilha sonora basicamente liquidificada para o filme.

Muddy track (que pena!) nunca teve um lançamento comercial decente. Aliás, também nem está no YouTube. Em 2015 rolou uma retro da carreira de cineasta de Young e o filme passou em alguns cinemas. Olha aí um papinho de Neil Young com o cineasta Jim Jarmusch sobre o filme.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Digitalizaram todos os números de Broken arrow, revista do fã-clube de Neil Young

Neil Young mostrou o vídeo para Thurston Moore, do Sonic Youth (olha!) e o músico sugeriu que ele gravasse um disco inteiro daquela mesma forma. Só que, ao contrário do que se diz por aí, Arc não foi gravado com câmera de celular. Young pegou vários momentos de barulheira da turnê, compilou e editou tudo, e montou a música.

“Que legal. Isso foi tocado ao vivo?”, você pode estar se perguntando. Por que não? Olha aí Neil e a banda americana Phish tocando um trechinho no Farm Aid em 1998.

 

DEIXE UMA RESPOSTA