Connect with us

Cultura Pop

Kiss sem máscara: descubra agora

Published

on

Kiss sem máscara: descubra agora

Até a aposentadoria oficial das maquiagens, o Kiss não fazia aparições oficiais de cara limpa. Volta e meia os membros permitiam que pedaços dos rostos aparecessem em algumas fotos (você já leu sobre isso aqui) e assim os fãs podiam pelo menos imaginar como eram as caras daqueles quatro. Só que quando finalmente rolou a despedida das máscaras, numa entrevista coletiva da MTV, em 18 de setembro de 1983, aquilo era, mais do que tudo, era uma estratégia de sobrevivência.

Hoje é dado como garantido que o Kiss é uma grande banda, com vários sucessos, um núcleo de fãs bastante fiel, e um número considerável de admiradores que topa até ser enterrado no caixão da banda. Mas nem sempre foi assim: a banda (cujo possível fim foi recentemente ventilado pelo baixista Paul Stanley) demorou um pouco para emplacar, esteve na lista da degola da gravadora Casablanca e, depois de vender milhares de discos com Alive (1975) e Destroyer (1976), tentava desesperadamente não perder o bonde do sucesso. Aliás, tentava tanto, que na cabeça de alguns fãs aquilo já tinha deixado de ser música para virar apenas negócio.

>>> Veja também no POP FANTASMA: A polêmica da capa do primeiro disco do Kiss

O Kiss adentou a segunda metade dos anos 1970 aparecendo em colunas de celebridades, lançando discos irregulares, e correndo atrás das tendências como pudesse. Fizeram disco music (I was made for lovin’ you), rock gostosinho de FM na onda dos Doobie Brothers (Shandi), dividiram a banda em quatro discos solo, tentaram abraçar o público infantil (o filme Kiss meets the phantom of the park) e… Bom, o Kiss cagou para a onda da new wave e do pop sintetizado, vale dizer. Mas preferiu chegar nos anos 1980 escarafunchando o hard rock das antigas e a então recente marola de rock progressivo de FM. Em 1981, lançou a ópera-rock (Music from) The elder, que não fez sucesso nenhum.

A fase sem máscara surgiu quando a banda ainda contava com Eric Carr (bateria) e Vinnie Vincent (guitarra) – além dos líderes Gene Simmons (guitarra, voz) e Paul Stanley (baixo, voz). Aliás, veio logo depois do retorno do Kiss ao “rock pauleira” e da turnê pelo Brasil, na meiúca de 1983. Durou até 1995, foi marcada por mudanças de formação, por indefinições musicais e por mais e mais encrencas com a base de fãs. Os admiradores do Kiss encontraram o grupo fazendo glam metal, baladões cafonas, pseudo-grunge, metal de FM no estilo do Bon Jovi. Por causa dessas mudanças, muita gente ficou descontente.

Advertisement
>>> Veja também no POP FANTASMA: Quando a primeira peça de merchandising do Kiss era um programa de turnê

Seja como for, é uma fase do Kiss que vale a descoberta. E que esconde coisas legais ou, no mínimo, bem curiosas. Conheça oito exemplos aí.

“ALL HELL’S BREAKIN’ LOOSE” (Lick it up, 1983). O primeiro disco sem maquiagem (que aliás foi lançado no mesmo dia da tal entrevista à MTV) trouxe um hit audacioso, composto por todos os integrantes da banda na época (Paul, Gene, o guitarrista Vinnie Vincent e o batera Eric Carr). Stanley decidiu fazer um rap em vez de apenas cantar (opa, pioneirismo!), e transformou a canção em algo que poderia estar num disco do Aerosmith.

“EXCITER” (Lick it up, 1983). A faixa de abertura do primeiro disco da nova fase trazia alguns dos melhores solos de guitarra da história do Kiss. Mas não era coisa de Vinnie Vincent não – quem tocou o instrumento foi o superguitarrista Rick Derringer. Lick it up costuma fazer boa figura entre fãs da banda. Aliás, atraiu uma nova leva de seguidores que resistia ao Kiss justamente por causa das maquiagens.

Advertisement
>>> Veja também no POP FANTASMA: Quando o Kiss virou mania na Austrália em 1980

“HEAVEN’S ON FIRE” (Animalize, 1984). Raro exemplo de música da fase sem-máscara que sobrou no repertório da banda em fases posteriores, foi escrita por Paul Stanley e pelo compositor-de-aluguel Desmond Child, que também sugeriu o título da canção. O conceito de “o paraíso está em chamas” veio do objetivo de Child de ter um título “matador” e que misturasse opostos. “Sempre há um tipo de ironia e uma vez que você tem um título que contém ironia, é fácil escrever a música”, afirmou aqui.

“ANY WAY YOU SLICE IT” (Asylum, 1985). O layout do novo álbum dava a entender que o Kiss havia se aberto de vez para o glam metal (estilo que, vale lembrar, nasceu de dentro deles), mas musicalmente havia até bem poucas novidades em Asylum. O disco trazia a terceira mudança de guitarrista em pouquíssimo tempo: Vinnie Vincent já saíra havia dois anos, dera lugar a Mark St. John (que havia gravado Animalize) e o competente Bruce Kullick pegou a vaga.

“I’LL FIGHT HELL TO HOLD YOU” (Crazy nights, 1987). Uma das melhores faixas de um dos discos mais irregulares do Kiss, em que parecia que o som da banda estava sendo feito de encomenda para sonorizar produções softporn. Topsellers da música como Davitt Sigerson e Diane Warren (além do solícito Desmond Child) apareciam na lista de coautores do álbum. Bruce Kullick continuava na banda e ajudava a encher o disco de teclados (criticadíssimos na época).

Advertisement

>>> Veja também no POP FANTASMA: Quando obrigaram o Kiss a gravar uma canção chamada Kissin’ time

“LITTLE CAESAR” (Hot in the shade, 1989). É o disco do baladão choroso Forever, tão comercial que se tornou a primeira música da banda a figurar em trilha de novela no Brasil (Rainha da sucata, 1990). Hot in the shade também foi o mais longo álbum do Kiss até então (quase uma hora de duração). Mas tinha qualidades bacanas: dispensou o glacê de teclados, subia na qualidade das músicas e trazia esse bom single cantado pelo batera Eric Carr.

“UNHOLY” (Revenge, 1992). O baterista Eric Carr morrera em 24 de novembro de 1991, por sinal no mesmo dia da morte de Freddie Mercury. O Kiss, que nunca foi de se abalar com suas próprias tragédias pessoais, pôs Eric Singer em seu lugar e adentrou os anos 1990 com o eficiente Bob Ezrin de volta à produção. O som voltava mais pesado e cheio de palhetadas. Unholy era uma boa abertura de álbum.

Advertisement
>>> Veja também no POP FANTASMA: O que o Kiss e o Roberto Carlos têm em comum?

“HATE” (Carnival of souls, 1997). Kiss, aquela banda da alegria, da farra e… que abriu um disco em 1997 com uma música chamada “ódio”. Carnival of souls, o “disco grunge” do Kiss, não encontra aprovação nem mesmo entre os fãs mais empedernidos da banda. Teve seu lançamento atrasado em um ano e nem ao menos ganhou uma turnê de lançamento, porque o Kiss já estava voltando com as máscaras e a formação original. Vale como curiosidade e como registro de fundo de poço.

 

Ricardo Schott é jornalista, radialista, editor e principal colaborador do POP FANTASMA.

Cultura Pop

Relembrando o 120 Minutes da MTV em site e clipes

Published

on

Relembrando o 120 Minutes da MTV em site e clipes

Tá faltando gente pra fazer isso com os programas de música do Brasil – ok, dá mais trabalho, enfim. Lá fora tem uma turma bastante dedicada a recordar os bons tempos do 120 minutes, programa “de música alternativa” da MTV que misturava novos lançamentos, entrevistas, bate-papos reveladores e apresentadores especiais (gente como Lou Reed e Henry Rollins).

O programa durou de 1986 a 2000 (foi encerrado pelo canal sem alarde) e foi substituído por um programa análogo chamado Subterranean, além de dois retornos à telinha, no canal associado MTV 2. Entre os apresentadores titulares, gente como JJ Jackson, Martha Quinn e Adam Curry. Agora, a lista de músicas que foram lançadas pela atração e que hoje são tidas e havidas como clássicos, assusta. Tem Smells like teen spirit (Nirvana), Under the milky way (The Church), Kool thing (Sonic Youth), Mandinka (Sinead O’Connor), World shut your mouth (Julian Cope), Seattle (Public Image Ltd), Just like heaven (The Cure) e outras, umas mais, outras menos conhecidas.

A novidade é que um sujeito chamado Chris Reynolds subiu no YouTube uma playlist chamada 120 minutes full archive, com supostamente todos os clipes que foram lançados pela atração.

E uma radialista chamada Tyler Marie criou um site que traz tudo (ou quase tudo) sobre o programa: quem apresentou cada edição, os convidados, os clipes que foram apresentados, etc. “A partir de nossa página inicial , você pode navegar por 27 anos de playlists de 120 Minutos da MTV e seu sucessor, Subterranean“, explica ela. “Este projeto começou em 2003 como o site não-oficial do 120 Minutes, quando o programa ainda estava no ar na MTV2. Surgimos com a ideia de postar a playlist toda semana, porque a MTV não o fazia”, completa.

Advertisement

Aqui no Pop Fantasma, a gente já recordou o dia, em 1986, que Lou Reed foi um dos apresentadores do programa. Só que chegou usando óculos escuros quase cobrindo o rosto todo, falando com voz grave, de cara amarrada, e disposto quase a encher um convidado da atração de porrada – ninguém menos que Mark Josephson, um dos criadores do New Music Seminar, painel de música que serviu de modelo para vários music conferences ao redor do mundo, reunindo bandas, novos artistas, CEOs de gravadoras, gente de mídia, etc. Mas ele também deu uma de fan boy quando entrevistou a iniciante Suzanne Vega e apresentou clipes.

Continue Reading

Cinema

Tangarella: uma pornochanchada com Jô Soares e Paulo Coelho (!)

Published

on

A carreira de Jô Soares como ator incluiu um filme que pediu para ser trash e ficou três vezes na fila: Tangarella, a tanga de cristal era uma pornochanchada soft lançada em 1976, dirigida e escrita por Lula Campello Torres, e que tinha o humorista interpretando uma espécie de mordomo trapalhão (Erasmo), meio viciado em participar de concursos, que trabalhava para uma família disfuncional e falida, e que complementava a renda trabalhando como consultor sentimental numa revista.

A grande curiosidade é a participação de ninguém menos que Paulo Coelho (!), naquele que talvez seja seu único papel no cinema, interpretando Avelar, um garotão meio vida-torta. Numa das cenas, Paulo aparece sentadão numa poltrona, lendo um exemplar da revista Vampirella. Por acaso, Cachorro urubu, parceria dele com Raul Seixas, aparece na trilha do filme (na interpretação de Raul no disco Krig ha bandolo, de 1973).

Tangarella: pornochanchada de 1975 com Jô Soares e Paulo Coelho (!)

A tal família esquisita era o prato principal do filme. Lucio Tangarella (Jardel Filho), um marido abusivo, viciado em jogo, violento com a mulher e a filha, Sandra – que assiste a todas as brigas dos pais. Ele fica viúvo e casa-se com Luísa Maria (Lidia Mattos), uma dondoca também viúva, que tem três filhos, Âncora (Regina Torres), Alvorada (Fanny Rose) e o tal Avelar. Sem grana por causa do vício em jogo do marido, Luisa sai em busca de um empregado que não saiba fazer nada direito, para que ela possa pagar bem pouco a ele. Erasmo, que mal consegue carregar objetos sem se atrapalhar, é contratado.

O que a madame não contava era que Lucio desaparecesse e deixasse a esposa com o três filhos, com o mordomo e… com a filha Sandra, já adolescente (e interpretada por Alcione Mazzeo). Ela sofre bullying da família e é tratada como uma criada. Até que surge na história um garotão interiorano, rico e meio outsider, Muniz Palacio (interpretado pelo designer de capas de discos e editor do jornal alternativo Presença, Antonio Henrique Nitzche) e algumas coisas mudam.

Tangarella foi lançado discretamente, em cinemas do Rio e de São Paulo, e foi considerado um filme “leve”, liberado para jovens de 14 anos. É uma produção que dá vontade de socar as paredes de tão trash, mas é um filme bem legal – aliás é uma boa indicação para quem curte ver imagens antigas do Rio de Janeiro, já que aparecem lugares como a Lapa, o Largo da Carioca, o Túnel do Pasmado (mesmo local em que o personagem de Roberto Carlos já havia entrado com um helicóptero no filme Em ritmo de aventura, de 1967) e até o Carnaval carioca (que dá sentido à tal “tanga de cristal” do título).

Advertisement

Lula Campello Torres é um cineasta sobre o qual há bem pouca informação – na Globo, em 1991, ele escreveu uma minissérie chamada Meu marido, ao lado de Euclydes Marinho, que foi assistente de direção em Tangarella. O filme foi todo montado como se fosse uma espécie de documentário ou novelinha de rádio “com imagens”, já que um narrador (Aloysio Oliveira, dublador de filmes da Disney e criador do selo bossa-nova Elenco) vai explicando toda a história. As aparições do já saudoso Jô Soares são quase sempre de rolar de rir, especialmente quando ele participa de uma maratona de corredores sambistas, ou quando se veste de fada madrinha para ajudar Sandra.

Pega aí antes que tirem do YouTube.

Advertisement
Continue Reading

Cinema

Vai sair caixa com as trilhas sonoras dos filmes de John Hughes

Published

on

Vai sair caixa com as trilhas sonoras dos filmes de John Hughes

O site Brooklyn Vegan, quando noticiou a caixa Life moves pretty fast – The John Hughes mixtapes, com o repertório dos filmes do diretor norte-americano, lembrou bem: “Algumas pessoas podem argumentar que as trilhas sonoras dos filmes de John Hughes resistiram melhor do que os próprios filmes”. Maldade com o diretor que melhor conseguiu sintetizar a angústia jovem dos anos 1980, em filmes como Gatinhas e gatões, Clube dos cinco e Curtindo a vida adoidado.

A “década perdida” (pelo menos para os países da América Latina, como dizem alguns economistas) pedia um novo tipo de filme jovem, em que até as picardias de produções como Porky’s, do canadense Bob Clark (1981), tinham seu tempo e lugar, desde que reembaladas e exibidas com um verniz mais existencial e (vá lá) inclusivo.

Ainda que se possa alegar que algumas situações envelheceram (e algumas envelheceram muito), que não havia diversidade racial, etc, tinha espaço para o jovem zoeiro e audacioso de Curtindo a vida adoidado, para o choque de tribos de Clube dos cinco e A garota de rosa shocking (este, dirigido por Howard Detch e roteirizado por Hughes), para a decepção com a vidinha besta e burguesa de Ela vai ter um bebê. Eram criações bastante originais para a época, tudo fruto do trabalho de Hughes, um ex-publicitário e ex-colaborador da revista de humor National Lampoon. Tudo embalado pela sensação de que a vida é, sim, apenas um piscar de olhos – como o próprio Ferris Bueller (Matthew Broderick) sentenciou em Curtindo a vida adoidado.

>>> Leia também no Pop Fantasma: Quando teve uma sitcom do Ferris Bueller

Live moves pretty fast, a caixa em questão, é a primeira compilação oficial de músicas de todos os filmes de John Hughes, incluindo aqueles que ele dirigiu ou apenas escreveu o roteiro. Sai em 11 de novembro pela Demon Music e vai ser vendida em vários formatos: box com LPs, CDs, etc, incluindo canções que estavam nos filmes mas acabaram não aparecendo nas trilhas sonoras.

Entre as bandas que apareciam nas trilhas, New Order, The Smiths, Echo & The Bunnymen, Simple Minds, Oingo Boingo, OMD, The Psychedelic Furs, Simple Minds, e várias outras que, muitas vezes, chegaram ao grande público por aparecem num filme dele. Ou já estavam virando “tendência” e foram pinçadas quando as agendas bateram, como foi o caso do New Order com Shellshock e Elegia em A garota de rosa shocking – um filme que ainda tinha na trilha Smiths com Please, please, let me get what I want e Echo & The Bunnymen com Bring on the dancing horses, gravada especialmemte para a trilha.

Advertisement

Teve também o caso de Don’t you forget about me, da trilha de Clube dos cinco – aquela famosa música que o Simple Minds não queria gravar de jeito nenhum, mas acabou gravando. E virou o maior hit deles. Você já leu sobre isso aqui.

Advertisement
Continue Reading
Advertisement

Trending