Kiss sem máscara? Antes dos anos 1980? Teve, sim, mas vamos por partes. Fundada em 1957 pela jornalista e ex-atriz Gloria Stavers, a 16 foi uma revista que fez a alegria de vários adolescentes durante várias décadas. Afinal, num mercado bizarro como o de revistas, ela conseguiu a proeza de sobreviver até 2001, acompanhando as modas e entrevistando personalidades que o público teen curtia.

Por acaso, não dava para classificar a 16 como uma revista “de rock” ou até “de música”. Afinal, o lance dela eram os astros que os adolescentes curtiam. E esse leque incluiu de Elvis Presley às boy bands dos anos 1990. Aliás, a publicação também tentou inovar, incluindo o astro de Star Trek Leonard Nimoy e Alice Cooper, ambos em seus auges, como astros queridos dos adolescentes.

Kiss sem máscara (ou quase isso) em 1978

Apesar de não haver uma lei do tipo “essa é uma revista de meninas”, era de fato o público feminino que garantia as vendas. Como resultado disso, astros como David Cassidy, os Beatles e os Bay City Rollers batiam ponto nos pôsteres e entrevistas. Estas últimas, por sinal, inovavam trazendo artistas escrevendo cartas para os fãs, ou respondendo perguntas nada profundas como “qual sua cor preferida?” e “qual seu tipo de garota?”.

E o Kiss sem máscara com isso? Bom, vamos lá. A banda realmente se recusava a aparecer sem as maquiagens até a década de 1980. Por sinal, fãs ficavam malucos tentando adivinhar como seriam os rostos de Gene Simmons, Paul Stanley, Ace Frehley e Peter Criss. Mas em julho de 1978, a 16 anunciou que traria “o real” Gene Simmons: sem máscara, sem roupas malucas, apenas o cara que cuidava dos negócios do Kiss e tocava na banda.

O repórter foi ao escritório da banda. Espantou-se de descobrir que Gene era um sujeito cabeludo, mas que se vestia de maneira formal e parecia um sujeito caretão fora do disco. E quanto ao Kiss sem máscara? Enfim, a 16 não conseguiu entregar totalmente o ouro não. De tal forma que Gene posou mostrando o olho direito, e a língua de fora, com uma edição da revista tapando tudo. Olha aí esse momento inesquecível.

Kiss sem máscara (ou quase isso) em 1978 Kiss sem máscara (ou quase isso) em 1978

Você lê a matéria inteira aqui e aqui. A revista revelava que discos solo dos integrantes sairiam em breve (o que de fato aconteceu) e que a banda faria um filme para a TV (Kiss contra o Fantasma do Parque sairia naquele mesmo ano).

Em setembro, mais Kiss sem máscara, já que o guitarrista Ace Frehley surgiu lá com o rosto parcialmente coberto por cartas de baralho. Essa matéria tá inteira aqui.

Kiss sem máscara (ou quase isso) em 1978
Em seguida, no mês de outubro, foi a vez do batera Peter Criss aparecer na revista sem máscara, mas mostrando apenas os olhos, com o rosto tapado pela 16. Leia todo esse texto aqui.

Kiss sem máscara (ou quase isso) em 1978

Aparentemente a 16 não levou Paul Stanley a posar com parte do rosto descoberto na revista. Mas em maio de 1978 saiu esse pôster do músico em clima de Roberto Carlos.

Kiss sem máscara (ou quase isso) em 1978

Ah, sim, a 16 foi, por um tempinho, editada por ninguém menos que o primeiro empresário dos Ramones, Danny Fields. Falamos tem um tempinho de um documentário sobre ele que está na Netflix.

Via Blog do Emílio Pacheco e Lansure’s Music Paraphernalia

Veja também no POP FANTASMA:
– Quando o Kiss virou mania na Austrália em 1980
Obrigaram o Kiss a gravar uma canção chamada Kissin’ time
A primeira peça de merchandising do Kiss era um programa de turnê
– O Kiss no divã: como um psiquiatra enganou a banda, abandonou a família e sumiu do alcance da polícia
– O que o Kiss e o Roberto Carlos têm em comum?
– Um cara criou capas fictícias de discos solo dos integrantes do Kiss para todo mundo que já foi da banda
– Quando Melvins e Gene Simmons (Kiss) dividiram o palco