Connect with us

Cultura Pop

Discos da discórdia 9: Metallica e Lou Reed, com “Lulu”

Published

on

Discos da discórdia 9: Metallica e Lou Reed, com "Lulu"

Um tempo atrás me marcaram no Facebook num desses desafios de “melhores discos”. Eu decidi fazer diferente e resolvi escrever, nessa época, sobre discos controversos que, por algum motivo ou outro, eu achava que as pessoas deveriam dar uma segunda chance. Enfim, discos da discórdia (um belo dum trocadalho do carilho, enfim).

Como recentemente aqui no POP FANTASMA eu pus no ar uma série sobre lendas urbanas e umas das diretrizes editoriais (eita!) do site é fazer mais séries sobre assuntos diversos da cultura pop, resolvi transformar os textos numa série com dez álbuns que não são lá grandes campeões de aceitação por parte da crítica, mas que mereciam um pouco mais da sua atenção. O nono disco talvez faça muita gente discordar de que se trata de um disco da discórdia (“ah, é um disco ruim mesmo!”, você poderia dizer).

OS MALES DE “LULU”, DO METALLICA E DE LOU REED (2011)

Discos da discórdia 9: Metallica e Lou Reed, com "Lulu"

Uma das resenhas mais grosseiras já publicadas a respeito de um disco foi feita justamente a respeito de Lulu, álbum colaborativo do Metallica e de Lou Reed, que completa uma década (mas já??) no ano que está chegando. Julian Marszalek, do site The Quietus, disse que o tempo gasto ouvindo o álbum duplo poderia ser utilizado em atividades mais nobres, como observar a grama crescer ou “masturbar-se numa meia”. As outras críticas dirigidas ao disco, se não chegaram a tanto, não melhoraram muito a situação.

Lulu é um daqueles casos em que apenas a descrição e as imagens surgidas na mente já cortam bastante da curiosidade de ouvir o disco. O álbum tem duração extensa o suficiente para afastar ouvintes mais corajosos. Afinal, trata-se de uma hora e meia que jamais voltarão a fazer parte da sua existência, caso você odeie o álbum.

Lou Reed não é exatamente o tipo de artista que ninguém associaria com o universo do heavy metal ou do hard rock. Muito embora, em plena fase de abertura musical dos anos 1980, o ex-Velvet tenha achado interessante a ideia de dialogar com o Kiss, e tenha sido coautor de uma música gravada pela banda, A world without heroes. Por outro lado, musicar letras de Reed não parece ser o tipo de tarefa que uma banda como o Metallica faria direito.

Advertisement

TRILHA SONORA

A única defesa possível que dá para ser feita de Lulu é que se trata de um mergulho experimental comum à carreira de Lou Reed – embora incomum em se tratando de uma banda tão mainstream quanto o Metallica. O conteúdo do disco é inspirado nas duas “peças de Lulu” do dramaturgo alemão Frank Wedekind (1864–1918), que descrevem, usando de muita violência explícita, a vida de uma dançarina que encontra a pobreza e a prostituição.

Um crítico que ouviu o disco em primeira mão chegou a dizer que se tratava da mistura de Berlin, álbum de Lou Reed, com Master of puppets, da banda de heavy metal. Não é bem assim: o resultado muitas vezes se transforma na mais completa zona, como em Pumping blood ou Mistress dread. Ouvido como “um álbum de Lou Reed, com trilha sonora fornecida pelo Metallica”, dá pra entender um pouco. Em The view, o Metallica se transforma na banda stoner que possivelmente eles nunca quiseram ser. A edição final do clipe traz Lou Reed parecendo um tanto incomodado com o barulho da banda.

Quem é fã radical de metal talvez se incomode com o disco. E talvez nem sequer veja nenhuma discórdia ali. Se você é fã de Lou Reed e curtiu discos como Ecstasy, tido como último álbum de rock dele (saiu em 2001, inclusive no Brasil), vai acabar se identificando com uma coisa ou outra de Lulu. Isso porque Like a possum, canção quilométrica e reclamona de Ecstasy, já era nesse estilo.

Advertisement

ENFIM

Pegue o Lulu e tire suas próprias conclusões.

Veja todos os Discos da Discórdia aqui.

Tem conteúdo extra desta e de outras matérias do POP FANTASMA em nosso Instagram.

Advertisement

Ricardo Schott é jornalista, radialista, editor e principal colaborador do POP FANTASMA.

Cultura Pop

A chegada de David Bowie no século 21, no podcast do POP FANTASMA

Published

on

A chegada de David Bowie no século 21, no podcast do POP FANTASMA

David Bowie foi o homem que viu o futuro. Mas sempre de olho no que estava deixando para trás. E o que será que ele viu quando chegou no… futuro? Sim, porque afinal, imagina o cara que fez músicas como Starman e Space oddity chegando no século 21. No episódio 20 do Pop Fantasma Documento, nosso podcast, recordamos como andava a vida de Bowie na época do bug do milênio, da web 2.0 e de discos como Heathen (2002) e Reality (2003).

O Pop Fantasma Documento é o podcast semanal do site Pop Fantasma. Episódios novos todas as sextas-feiras. Roteiro, apresentação, edição, produção: Ricardo Schott. Músicas do BG tiradas do disco Jurassic rock, de Leandro Souto Maior. Arte: Aline Haluch.  Estamos no SpotifyDeezerCastbox Mixcloud: escute, siga e compartilhe! Ah, apoia a gente aí: catarse.me/popfantasma.

Continue Reading

Cinema

Versão checa de Alice no País das Maravilhas

Published

on

Versão checa de Alice no País das Maravilhas

O cineasta checo Jan Švankmajer (tido como grande influenciador até de nomes como Terry Gilliam, animador do Monty Python) tinha vontade de fazer uma versão de Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carrol, mas sem que o filme parecesse com um conto de fadas. Fez isso em 1988, quando lançou Alice, ou Něco z Alenky (o título original, que significa Algo de Alice). O filme de Jan mistura técnicas de stop motion (com os objetos que cercam Alice) e live action, e dá uma ideia bem louca do que acontecia no mundo de Alice. Mas é um filme para ser visto por crianças – nada a ver com aqueles dois pesadelos envolvendo o mundo da garota que o POP FANTASMA publicou certa vez (veja aqui e aqui).

“Alice é um dos livros mais importantes e surpreendentes produzidos por esta civilização”, afirmou certa vez Jan, que quis preservar a ideia original, de que o texto de Carroll havia sido escrito como um sonho. “Um conto de fadas tem um aspecto educativo: trabalha com a moral do dedo indicador levantado, o bem vence o mal. Já o sonho, como expressão do nosso inconsciente, persegue intransigentemente a realização dos nossos desejos mais secretos, sem considerar as inibições racionais e morais, porque é movido pelo princípio do prazer. Minha Alice é um sonho realizado”, afirmou.

Confira aí embaixo, com legendas em português.

Advertisement

Continue Reading

Cultura Pop

O primeiro disco do Blondie tá fazendo aniversário!

Published

on

Tinha muita gente, mas muita gente mesmo, que acreditava que o Blondie, lá por 1976/1977, seria a única banda a sair vitoriosa do CBGB’s – aquele clube de Nova York que na real, acabou revelando não apenas eles, mas também Ramones, Talking Heads, Television e muitas outras atrações. O Blondie era liderado por Debbie Harry (mulheres à frente de bandas eram caso raro naquele período) e, em plena era da cara feia punk, chamava a atenção por sorrir o tempo todo: os ensaios eram felizes, a música era alegre, o show era uma baita zona, o som era “divertido”.

Marty Thau, que contrataria inicialmente a banda para o pequeno selo Instant Records, achava que o grupo iria estourar no mundo todo. Bom, o livro Vidas paralelas, biografia do Blondie escrita por Dick Porter e Kris Needs, conta que Thau também havia falado o mesmo do New York Dolls – que, como é público e notório, não estourou tanto assim. Mas essa felicidade toda ajudou o Blondie a fazer um link musical que partiu do punk, chegou à new wave e atingiu até mesmo a disco music e o funk americano oitentista.

O epônimo primeiro disco do Blondie, que chega aos 45 anos no finzinho de 2021 (saiu em um dia qualquer de dezembro de 1976), foi meio “filho” de outra estreia epônima lançada havia pouco tempo – a dos Ramones. Craig Leon, que produziu o disco de Joey, Johnny, Dee Dee e Marky, fez os arranjos da estreia.

Craig ainda levou o Blondie para gravar no mesmo estúdio em que o Ramones gravaram sua estreia – o Plaza Sound Studios, no Radio City Music Hall, em Manhattan, onde big bands gravavam na época áurea do rádio. Richard Gottehrer, que ajudou a lançar Ramones e Talking Heads na Sire, e havia deixado o selo, produziu Debbie Harry (voz), Chris Stein (guitarra), Gary Valentine (baixo), Jimmy Destri (teclados) e Clem Burke (bateria).

Advertisement

Se você nunca ouviu Blondie, o álbum, vai descobrir um som que corria o risco de parecer deslocado em 1976. Mas felizmente não foi o que aconteceu. Se os Ramones recauchutavam a surf music da década anterior, Debbie e seus amigos, em várias faixas do debute, davam aquele trato punk no som dos girl groups dos anos 1960. X offender, a primeira faixa, parceria da cantora com o baixista Gary Valentine, poderia ser uma faixa antiga das Ronettes, ou de Nancy Sinatra. Ou das Shangri-Las, que por acaso voltavam naquela mesma época com formação diferente e um show no CBGB’s.

O vespeiro ficava por conta do título e do tema originais da música. A canção se chamava originalmente Sex offender, e a letra falava originalmente da vez em que o Gary quase foi preso, aos 18 anos, por fazer sexo com sua namorada pouco mais nova que ele. O selo Private Stock, que topou lançar o disco (Thau queria um selo maior que a Instant para lançá-lo), pediu que o nome fosse trocado. Além do título, Debbie trocou a letra para algo mais “suave” – bom, Debbie preferiu falar, na letra, sobre o romance de uma prostituta com o policial que a leva para a cadeia.

O Private Stock era um selinho humilde, montado por um executivo chamado Larry Uttal, que sobrevivia basicamente da venda de singles a preços módicos e trabalhava com artistas nostálgicos e desconhecidos. Na prática, era como se a Legião Urbana, no Brasil dos anos 1980, fosse contratada pela Chantecler, e não pela EMI. Uttal, de todo modo, quando finalmente viu o Blondie ao vivo, achou aquele som até parecido com grupos doo wop dos anos 1960, como Rosie & The Originals.

Só que esse selo, pode acreditar, a única esperança para o Blondie, que naquela época era considerado uma “porcaria” por todos os executivos de gravadoras – com direito a comentários do tipo “a banda é boa, mas a vocalista é ruim”, “a vocalista é ótima, mas a banda é horrível”. Ninguém entendia o Blondie, e olha que não era uma banda “cabeça”, como os Talking Heads ou o Television. Paralelo a isso, o próprio casal Debbie-Stein usava os New York Dolls como paradigma de “até onde a gente pode chegar”, já que não havia perspectiva de sucesso real.

Advertisement

Blondie, o disco, era uma zona – do bem, mas uma zona. O grupo gravou o álbum praticamente ao vivo, em agosto e setembro de 1976, com Goettherer se esforçando para manter a banda focada, já que o Blondie tinha várias influências e várias caras diferentes. O grupo passara por fases diversas até 1976: havia sido influenciado pelo glam rock, pelo rock britânico dos anos 1960, pelo começo da onda hard rock. E Debbie Harry ainda tinha passado por uma fase hippie que rendeu matérias na mídia e um disco com uma de suas primeiras bandas (você já leu sobre isso no POP FANTASMA).

No disco de estreia, o Blondie fazia surf music e proto-new wave (a animadaça In the sun), ameaçava uma mistura de krautrock e balada anos 60 (A shark in jets clothing) e encerrava o disco com uma microopereta punk de terror (The attack of the giant ants). Nomão do pop feminino dos anos 1960 e autora de canções para quase todos os girl groups da época, Ellie Greenwich fez vocais em Man overboard e In the flesh. Para a capa, a gravadora escolheu um clique de Shig Ikeida, com todo mundo sério na foto – mas era só aparência, estavam todos bêbados e Gary, em particular, estava quase caindo.

Com Blondie nas lojas, o grupo conquistou fama, e pouca grana – afinal a Private Stock era um selo pobre, mas logo logo o contrato da banda seria comprado pela Chrysalis, a gravadora de nomes como Jethro Tull. O grupo fechou 1976 com uma apresentação histórica no Max’s Kansas City, que chamou atenção não apenas pelo som, como pelo figurino dos integrantes: trajes na estica dos anos 1960 para os rapazes, e Debbie de vestido zebrado.

Por acaso, a partir daí, o Blondie brigaria diariamente para vender mais música do que imagem, e para não ser engolido pelo sexismo do mercado. Uma briga ao som de hits como One way or another, Hangin on the telephone, Call me, Heart of glass e vários outros.

Advertisement

Continue Reading
Advertisement

Trending