O livro New book of rock lists, escrito por Dave Marsh e James Bernard, classifica o roqueiro afro-americano Bo Diddley (1928-2008) como o “surfista mais improvável”. Isso graças a um dos álbuns menos conhecidos do cantor e guitarrista, Surfin’ with Bo Diddley, lançado em 1963 pelo selo Checker, uma subsidiária da Chess Records.

Pegando uma onda maneira com Bo Diddley

Surfin‘ foi um disco surgido numa época em que não apenas artistas como Little Richard e Chuck Berry estavam sumidos das paradas, como também o próprio Bo se reinventava fazendo de vez o crossover entre o blues e o rock – ou seja, entre o ritmo original negro e as plateias brancas, numa América bastante segregada.

SURF DE VERDADE

Apresentar Bo Diddley como guitarrista de surf music era tudo, menos uma ideia tola. Isso apesar do próprio livro de Marsh e Bernard fazer piada da situação, e do site da Universal Music apresentar o disco, que faz parte hoje do seu acervo, como um “álbum de conceito bizarro”. Os toques de Elias McDaniel (nome verdadeiro do músico) em sua guitarra de formato retangular tinham tudo a ver com a economia de acordes e os staccatos guitarrísticos da surf music.

Bo vinha de um grande sucesso com o disco Bo Diddley is a gunslinger (1961), seu quinto álbum, lançado também pela Checker. O disco tinha músicas como Ride on Josephine, Gunslinger e Sixteen tons (aquela mesma que no Brasil, na voz de Noriel Vilela, ficou conhecida como Dezesseis toneladas).

Na mesma época, Bo Diddley passou por um incidente até hoje mais explicado no programa de Ed Sullivan. O apresentou ouviu Bo tocando Sixteen tons, encasquetou que ele deveria cantar a música, e o artista, ao ler no cartão do programa “Bo Diddley – Sixteen tons”, achou que deveria tocar a música que levava seu nome, Bo Diddley, seguida da nova canção. Ed cortou Bo assim que acabou a primeira música e, contam testemunhas, teria banido o cantor do programa.

MEGATONS

Apesar de ser creditado a Bo Diddley, Surfin’ with Bo Diddley não era um disco só do guitarrista. A guitarrista americana Norma Jean Wofford, que já tocava com Bo desde 1962 (e era referida a ele como “A Duquesa”), possivelmente estava no álbum – que não tem créditos.

Mas em boa parte do repertório, como nas versões de What I’d say (Ray Charles), o instrumental era providenciado por uma banda de surf music chamada The Megatons, comandada pelo guitarrista Billy Lee Riley, grande ídolo da onda (ai) da surf music. De acordo com muita gente séria, Bo toca apenas nas faixas Surf, sink or swim, Surfer’s love call, Old man river e Low tide.

A onda surf (ai) de Bo Diddley ainda duraria mais um disco histórico: Bo Diddley’s beach party sairia em 1964 também pela Chester. Foi gravado no Beach Club na Carolina do Sul e foi um dos primeiros álbuns ao vivo feitos pelo sistema de gravação remota, com aqueles caminhões repletos de equipamentos. Curiosamente, Bo conseguiu chegar em excelentes lugares nas paradas britânicas com esse disco. Ao contrário de Surfin‘, esse disco está nas plataformas digitais.

O músico continuou ligado à Chess até 1974, ano em que lançou o excelente Big bad Bo, LP de sete curtas faixas em que ele surge como motociclista malvadão na capa. A partir daí, parou de gravar um álbum por ano e passou a se dedicar mais a shows. Virou lenda a ponto de abrir para o Clash na turnê americana de 1979 do grupo punk.

Tem conteúdo extra desta e de outras matérias do POP FANTASMA em nosso Instagram.