Já ouviu falar do The Cult Hero? Vamos por partes. Em 1979, Robert Smith, vocalista do The Cure, e Simon Gallup, baixista do Magspies, se reuniam sábado de noite num pub na cidade inglesa de Horley, para beber e bater papo. Com um disco recém-lançado, Three imaginary boys (1979), Smith estava a fim de trocar o baixista da banda, Michael Dempsey, por Gallup.

The Cult Hero: o spin-off do The Cure

Graças a esses encontros, acabou matando dois coelhos com uma só cajadada. A dupla resolveu gravar um single em parceria com (e em tributo a) uma figura que conheciam das ruas de Horley, o carteiro Frank Bell. E Smith ainda testou a química musical com o amigo. Foi nessa que saiu o single I’m a cult hero, creditado a um spin-off do The Cure, The Cult Hero.

The Cult Hero: o spin-off do The Cure

O garoto da capa é justamente Frank Bell, uma espécie de lenda de Horley, que era observada de longe por Smith e seus amigos. Nas horas vagas, o carteiro costumava sair com a turma que trabalhava numa firma de demolição, usando justamente uma camiseta onde se lia “herói cult”.

The Cult Hero: o spin-off do The Cure

Da gravação, participaram Frank nos vocais, Smith na guitarra e Gallup no baixo, além de todo o resto da formação do Cure na época (Lol Tholhurst na bateria e até mesmo Dempsey improvisado nos teclados). De convidados, ainda tinha as duas irmãs de Robert, Janet (mais teclados) e Margaret (vocais) e os integrantes de uma banda que o vocalista do Cure produzira, The Obtainers (também vocais). Na guitarra, um ex-integrante da banda, Porl Thopmson, que só voltaria a ocupar lugar no Cure em 1983 – e que por aqueles tempos era só namorado de uma das irmãs de Robert.

Olha o selinho aí.

The Cult Hero: o spin-off do The Cure

I’m a cult hero é o lado A britânico e I dig you, o B. Em outras edições, como a da Nova Zelândia, a ordem das músicas nos lados é trocada. O disquinho teve também uma edição semipirata na Itália. I dig you já adianta várias mudanças que o Cure faria em seu som nos anos seguintes, soando como uma mescla de pós-punk e disco.

As duas músicas ao vivo no Marquee em 1980, tiradas direto da versão-com-faixa-bônus do segundo disco do Cure, Seventeen seconds (1980).

Um remix de I dig you feito por uma rádio novaiorquina.

Em 5 de março de 2004, o Cure fez um show beneficente no Barfly, um clube de Londres. Adivinha quem apareceu lá e subiu no palco? Frank Bell. E ele cantou as duas músicas com a banda. Olha aí.

E o The Cure, como você sabe, tá fazendo 40 anos e está em turnê. No dia 7 de julho, lotaram o Hyde Park com um show comemorativo. Olha aí um vídeo do show, com a banda tocando uma sequência de músicas que inclui Jumping someone’s else train e a renegada Killing an arab.

Via Slicing Up Eyeballs, Blog do Barcinski e Discogs.