Esse negócio de banda de nu-metal que resolve regravar ou apenas interpretar clássicos do rock costuma dar problemas – tem quem goste da versão do Limp Bizkit para “Behind blue eyes”, do Who, enfim. Seja como for, vai mais um aí para a lista: Corey Taylor (Slipknot) deu seu toque especial a “China girl”, sucesso de David Bowie (e Iggy Pop, que a gravou bem antes do camaleão) na última quarta-feira, na última noite de concertos de tributo a Bowie, em Los Angeles.

Além de Corey, a seguinte turma passou pelo palco: Sting, Gavin Rossdale, Perry Farrell, Bernard Fowler (backing vocalista dos Rolling Stones), Joe Elliott (Led Zeppelin), Ian Astbury (Cult), Tony Hadley (Spandau Ballet) e muitos outros. Um dia antes, Sting havia escolhido reinterpretar uma música mais recente de Bowie, “Blackstar”, música-título do último disco do cantor, lançado em 8 de janeiro de 2016 (dois dias antes de sua morte, você sabe).

Ficou curioso para conferir o resultado? Tá aí.

 

Gostou? Detestou? Bom, segue aí o próprio Bowie, numa versão do “VH1 Storytellers” em 1999 (belíssima, por sinal).

 

Teve mais gente que gravou. Olha aí a versão original com Iggy Pop, em 1977, no LP “The idiot”.

 

John Frusciante, ex-guitarrista dos Red Hot Chili Peppers, dá seu toque de chef à música em 1998, ao vivo.

 

E ninguém menos que Fausto Fawcett relendo a música, no CD “Combate rock” (1997), que trazia gente dos Paralamas do Sucesso, Legião Urbana, Capital Inicial, Plebe Rude e outros grupos, reinterpretando clássicos nacionais e internacionais do rock (o “ô ô ô ô/little China girl”, se você não reconheceu a voz, foi feito por Herbert Vianna).