Ao contrário do que muita gente fala, o Fleetwood Mac não seguiu o roteiro básico “banda que teve uma fase blues e depois virou pop”. Depois dos dois primeiros discos, que eram de blues-rock, a banda passou vários anos numa fase intermediária, em que músicos entravam e saíam a rodo, e o som do grupo ia de blues a canções folk, rocks pesados e um ou outro aceno à psicodelia (falamos dessa fase aqui).

Conforme a vida comunitária (todos moravam juntos) foi dando tédio nos integrantes e a pressão para vender mais discos foi aumentando, a banda foi se tornando mais radiofônica e gravando discos mais acessíveis. O marco zero dessa chamada “fase pop” – cujo maior exemplo foi o disco Rumours, de 1977 – começou quando o produtor Keith Olsen, morto no dia 9 de março, apresentou o casal Stevie Nicks e Lindsey Buckingham a Mick Fleetwood, baterista e co-fundador do grupo.

Olsen tinha produzido o disco único do casal, Buckingham Nicks, lançado sem repercussão alguma pela Polydor em 1973. Olsen tinha feito isso quando se mudou para Los Angeles (ele nasceu em Dakota do Sul) e acabou ajudando bastante o casal, hospedando os dois por uns tempos e conseguindo um contrato de gravação. O disco não fez sucesso algum, mas acabou sendo ouvido por Fleetwood, que se interessou em convidar Lindsey para tocar guitarra na banda quando Bob Welch, um dos principais compositores da banda durante o começo dos anos 1970, deixou o grupo.

Olsen mostrou Frozen love, uma das faixas do álbum, para Fleetwood, durante uma sessão no Sound City Studios, no qual trabalhava como engenheiro de som. Mick curtiu o som, foi apresentado naquele momento para Lindsey e fez o convite – o músico disse que só entraria se pudesse levar Nicks com ele. Foi aí que surgiu o disco de 1975 do grupo, o epônimo Fleetwood Mac, que Olsen acabou produzindo.

Por sinal, com a chegada da dupla, o repertório mudou e ganhou uma cara mais, hum, americanizada. Rhiannon, I’m so afraid e Monday morning, por exemplo, eram canções que o casal guardava nas mangas dos coletes, e que apareceriam num possível segundo disco de Buckingham-Nicks, nunca lançado. Crystal foi reaproveitada do disco do casal.

Um detalhe é que as mudanças que apareceram em Fleetwood Mac, o disco, não foram unanimidade em todo o grupo. Olsen chegou a falar no documentário Sound City, dirigido por Dave Grohl, que John McVie não estava tão a fim assim de fazer mudanças no som do grupo, e ainda considerava o Fleetwood Mac uma banda de blues. “Ele chegou a me dizer: ‘Você sabe que somos uma banda de blues, não é? Isso está longe demais do blues’. Eu respondi: ‘Sim, isso está longe do blues mas está muito mais perto do seu saldo bancário'”

Depois do disco epônimo, Olsen acabou não produzindo mais nada para a banda. Rumours, o disco seguinte, acabou produzido pela banda ao lado dos técnicos de som Ken Caillat e Richard Dashut. Mas o produtor foi cuidar de álbuns de Grateful Dead, Santana, Pat Benatar, Ozzy Osbourne e outros. E se você chegou até aqui, pega aí uma entrevista de quase uma hora em que ele conta a carreira toda dele, além do seu envolvimento com uma porrada de artistas (tem legendas automáticas).

Via New York Times