O período “lost weekend” de John Lennon – quando o ex-beatle se separou de sua amada Yoko Ono, durante 18 meses entre 1973 e 1974 – rendeu várias histórias. Lennon passou a andar para lá e para cá com uma turma animal que incluía Ringo Starr, Keith Moon e outros malucos. Voltou a abusar de drogas e álcool. Reaproximou-se de antigas amizades (Mick Jagger e Paul McCartney entre elas) e até de seu filho Julian, então adolescente. E uma de suas amizades mais próximas nesse momento foi com Harry Nilsson, cantor e compositor americano que fez enorme sucesso com a balada Everybody’s talking, e notório bebum e drogado.

O bromance de Lennon com Nilsson rendeu algumas histórias bizarras. Uma das mais conhecidas e recitadas por todo mundo foi a vez, em 13 de março de 1974, que a dupla foi posta para fora do clube Troubadour, em Los Angeles. Lennon encheu a cara e resolveu perturbar um show dos Smothers Brothers. Azucrinou tanto que a dupla foi expulsa pelo empresário do grupo, que levou um soco do ex-beatle.

Desse relacionamento encrenqueiro dos dois nasceu um disco, em agosto de 1974. Pussy cats, na capa, já era anunciado como “um disco de Harry Nilsson produzido por John Lennon”. As gravações, como se pode esperar, deram trabalho: Lennon, Nilsson e ninguém menos que Ringo Starr e Keith Moon resolveram viver todos juntos numa casa na praia de Santa Monica, em Los Angeles, que virou uma comunidade de roqueiros drogados. As gravações depois foram completadas por Lennon em Nova York, mas até lá rolaria até uma visita inesperada de Paul McCartney e Stevie Wonder aos estúdios.

Para OUVIR o que se passou nessas sessões, vale pegar (tem no YouTube, olha aí em cima) o piratão A toot and a snore in 74, cheio de diálogos e sessões que não deram certo, todas realizadas durante a gravação de Pussy cats. Logo no começo, Lennon aparece (er, provavelmente) cheirando e oferecendo um pozinho suspeito ao insuspeito Stevie Wonder. Na turma, tem também Bobby Keys, saxofonista dos Rolling Stones, Stevie Wonder tocando piano elétrico, May Pang tocando pandeiro, Linda McCartney tocando órgão e Paul McCartney tocando a bateria do ausente Ringo – que no dia seguinte, de volta ao trabalho, foi visto reclamando que o ex-colega sempre deixava seu instrumento todo bagunçado.

O clima de maluquice de Pussy Cats rendeu: Rock´n roll, disco de John Lennon, e Two sides of the moon, inacreditável disco solo de Keith Moon, foram feitos no mesmo ano (1974), com equipe quase igual e clima tão fora de órbita quanto (sobre Two sides, você andou lendo aqui no POP FANTASMA). No disco de Moon, cada meia hora de gravação era seguida por várias horas de festa, e os músicos eram arregimentados na base do “pinta lá no estúdio”.

Uma das histórias mais loucas a respeito da detonação em Pussy cats, você até talvez já conheça. É a da capa do disco, que tem uma das referências mais bizarras já feitas a drogas em capas de discos. Embaixo da mesa tem dois cubos com as letras D e S. No meio deles, um tapete (rug, em inglês). Pega aí.

Mas essa introdução enorme foi só para avisar que colocaram nada menos que a propaganda de televisão de Pussy cats no YouTube. O anúncio que foi ao ar em 1974 tinha um texto bizarro e imagens mais malucas ainda.

A narração do texto foi feita por uma figuraça chamada Eddie Lawrence, comediante americano que usava o pseudônimo de The Old Philosopher, e fazia esquetes baseados em monólogos de filosofia de mentirinha, sempre abertos com um “hey ya, folks” e trollando o ouvinte. Lawrence gravou vários discos com o personagem e participou de programas como o de Johnny Carson. No tal anúncio do disco, abre com um “hey ya, pussycats”.

Via Lessons learned from popular culture, de Tim Delaney e Tim Madigan