Em meio à divulgação do debute Bleach, em 20 de março de 1990, o Nirvana decidiu gravar aquele que deveria ter sido seu primeiro lançamento oficial em vídeo. Kurt Cobain (voz, guitarra), Chris Novoselic (baixo) e Chad Channing (bateria) aproveitaram as férias do Evergreen State College para se trancar no estúdio da universidade. E também fazer algumas gravações. Segundo Jon Snyder, o diretor do vídeo, a ideia era simplesmente gravar algumas coisas em estúdio, voltar a Aberdeen para filmar mais algumas coisas, embalar e vender o VHS aos fãs.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Quando Kurt Cobain fez filmes de terror

Algumas imagens desse dia vazaram no YouTube. E o resultado é bem mais bacana, anticomercial e (vá lá) assustador do que se imagina. Kurt, grande fã de técnicas de choque e de filmagens estranhas, levou várias fitas de vídeo e decidir aproveitar o cenário azul infinito do estúdio para criar vários efeitos de cromaqui. Aliás, como naqueles vídeos psicodélicos antigos de bandas como Black Sabbath e Blue Cheer, que tinham sido feitos para programas de TV, e ganhavam certa cara de “clipe”.

Quem assistir aos vídeos, vai ver School sendo executada tendo ao fundo imagens do popstar Shaun Cassidy, de competidores do programa Star Search e de fisiculturistas cristãos (!) da série The Power Team (que qualquer hora dessas ganha espaço aqui no POP FANTASMA). Mas tem mais: Big cheese com imagens tiradas do filme mudo Haxan: Witchcraft through the ages. E Floyd the barber com imagens de bonecos bizarros colecionados pelo próprio Kurt, que aliás adorava brinquedos com peças trocadas. “Bonecos quebrados, em chamas ou coisas como em Toy Story, onde as peças estão trocadas”, conta o técnico de câmera, Alex Kostelnik.

Nirvana psicodélico em 1990

>>> Veja também no POP FANTASMA: Quando Nirvana gravou Velvet Underground

Para completar, School e Lithium (que apareceria no disco Nevermind, de 1991) aparecem em imagens feitas para o programa de TV a cabo da universidade, 1.200 seconds. Essas imagens estavam com Snyder, mas ele acabou vendendo tudo para o Museu de Cultura Pop de Seattle. Isso porque o diretor diz ter percebido que não tinha condições de guardar o material em condições perfeitas.

Aliás pegue aí duas matrizes do clipe do Nirvana.

Um similar nacional.

Via Live Nirvana.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here