Tem novidade no front de uma das bandas brasileiras preferidas do POP FANTASMA, os Paralamas do Sucesso. O grupo aproveitou a finaleira de 2018 para lançar o EPzinho O Natal dos Paralamas, com quatro faixas. Os temas Jingle bells, We wish you a Merry Christmas, Feliz Navidad (aquela mesma que, faz uns anos, Ivan Lins releu em português como Feliz Natal) e Noite feliz.

Olha a capa aí.

Já ouviu o EP de Natal dos Paralamas do Sucesso?

E olha o disco aí.

“Não tem no YouTube?”. Sim, tem tudo lá, com João Barone (bateria), Herbert Vianna (voz e guitarra) e Bi Ribeiro (baixo) acompanhados de João Fera (teclados), Bidu Cordeiro (trombone) e Monteiro Jr. (sax tenor). Produção: Carlos Savalla. Vídeo: Pablo Savalla.

Por força do meu trabalho no jornal O Dia, bati um papo com João Barone para uma matéria sobre um show que o trio faria de graça em Niterói. Aproveitei para encaixar duas perguntas sobre o disco. Pega aí.

Como foi essa história de fazer um disco de Natal? É mais uma brincadeira nossa. Tanto que a gente nem vai trabalhar esse disco. De repente a gente toca alguma coisa no bis, nos shows. Quando a gente fez as gravações, lembrou muito de vários ídolos que a gente tem, que já gravaram discos de Natal. E, de fato, no Brasil tem uma tradição de discos de Natal que se perdeu. A música de Natal ficou muito associada à música infantil!

E muita gente do rock já lançou discos de Natal, até Bob Dylan, Jethro Tull… Sim, muitos ídolos nossos. Aquela gravação de Bing Crosby de White Christmas me marcou muito, meu pai tinha o disco. Foi o compacto mais vendido de todos os tempos. Nem os Beatles conseguiram vender tanto. Mas hoje não tem muita tradição, embora até o Eric Clapton tenha lançado um disco de Natal sensacional. Nosso disco é um presente para os fãs, como aqueles compactos que os Beatles lançavam com mensagens de Natal no fim do ano.

No vídeo abaixo, o batera fala mais um pouco do projeto. Que por sinal, também fomenta a ajuda a entidades como o Natal Sem Fome, o Hospital Infantil do Câncer e a Sociedade Viva Cazuza.

A foto lá de cima é de Mauricio Valladares