Produzido em 1979 pelo Projeto de Planejamento Familiar de Boston, Am I normal? é pra levar a sério. Mas vá lá, rende (muitas) risadas, porque é um documentário sobre adolescência, masturbação, dúvidas e medos. Em tom de brincadeira. O filme conta a história de um garoto chamado Jimmy. Ele anda pra lá e pra cá com dois amigos, é paquerado por uma garota da escola e se vê às voltas com um monte de incertezas. E ainda não sabe nem que garotos têm polução noturna. E passa o tempo todo querendo responder uma pergunta que muita gente de 80 anos ainda não sabe a resposta: “Eu sou normal?”. Olha aí.

Se você ficou animado para ver o filme mas não sabe uma palavra de inglês, ele tem legendas automáticas. Que são ruins, e mesmo para quem sabe bem inglês o som prejudica, mas dá pra ver e ouvir. De qualquer jeito, pode se preparar para se divertir, cruelmente ou não. O garoto Jimmy tem dois melhores amigos. Um deles é definido por ele como “não muito esperto”. E é bastante parecido fisicamente com o humorista Wellington Muniz, o Ceará (é o da foto lá de cima). O amigo pega Jimmy trancado no banheiro e aproveita para trollá-lo bastante, dizendo que se ele continuasse a fazer “isso” (adivinha o que é?), iria nascer cabelo na sua mão e ele iria ficar cego.

Numa das cenas mais engraçadas de Am I normal, Jimmy resolve conversar com seu pai, um coroa barrigudo, sobre sexo. O pai curte a ideia mas tenta responder o filho (antes de ouvi-lo) como metáforas envolvendo baseball. Não deu certo.

Depois dessa cena, é impressionante a capacidade de Jimmy de estar sempre perto de seres humanos prontos a tirar suas dúvidas. Ou de tirar dúvidas com qualquer um que aparece. Seja a menina que faz teste oftamológico na escola (prontinha para uma conversa animada sobre sonhos molhados). Ou mesmo o tratador do zoológico, num diálogo sobre tamanho de pênis de animais que eu precisei ouvir algumas vezes para ter certeza de que eu não estava viajando. Mas vale dizer que o filme é bem instrutivo. E que se você ficou fã de Jimmy e dos amigos, espere para se divertir bastante no fim. E acompanhar o amadurecimento do personagem principal.