O cantor paulistano Francisco Egydio rende duas datas redondas para 2017, que possivelmente passaram despercebidas para muitos jornalistas e pesquisadores: nasceu em 17 de janeiro de 1927 (teria completado 90 anos) e morreu em 17 de outubro de 2007. Trilhou uma carreira duradoura que vinha da época dos discos em 78 rotações e dos cantores de rádio. Foi contratado pela rádio Excelsior em 1951, tornou-se o primeiro artista a ser premiado na categoria “cantor” no Troféu Imprensa (em 1960) e fez sucesso por vários anos com sambas, músicas de carnaval, canções românticas e até uma balada-rock – “Por um beijo de amor”, de 1959.

E vai aí mais um detalhe sobre a carreira de Francisco Egydio que pouca gente sabe: a seu modo, ele teve lá sua relação com o rock brasileiro dos anos 1980, já que um álbum seu lançado em 1984, “Esperança”, trazia uma versão (muito boa, por sinal, ouça) de “Como uma onda”, de Lulu Santos e Nelson Motta. A música parece que foi feita para a voz dele – e, na boa, a versão de Francisco é bem mais simpática e animada que a de Nelson Gonçalves, gravada em 1997 no disco “Ainda é cedo”.

(o pesquisador Manoel Filho, do canal do YouTube TonicoManel, postou o vídeo na comunidade Brazil By Music e deu a ideia da frase que aparece aqui no título)