"The art of Atari": livro lembra as artes criadas para o videogame - confira!

Tem quem tenha apenas uma vaga lembrança disso, mas o Atari – primeiro videogame a fazer sucesso massivo no Brasil, a ponto de quase virar sinônimo de game lá por 1983/1983 – não era só diversão. Era arte, graças ao visual da máquina e das pinturas que decoravam os cartuchos e as embalagens. Quase tão comum quanto o hábito de soprar os cartuchos caso eles ficassem sem funcionar, era o costume de dar uma viajada nos desenhos – cujas inspirações eram capas de discos, produto campeão de vendas nos anos 1970, quando a Atari começou. “Os jogos eram um produto de consumo que tinha de ter a mesma atenção que um álbum merecia”, afirmou o fundador da Atari, Nolan Bushnell, ao portal Polygon, em 2014.

"The art of Atari": livro lembra as artes criadas para o videogame - confira!

A editora Dynamite celebrou a memória dessa arte lançando o livro “The art of Atari”, editado em outubro após dois anos de trabalho duro. Com 350 páginas, formato de coffee-table book e texto de Tim Lapetino (executivo do Museum Of Video Game Art), ele recorda as nuances de cultura pop que haviam por trás da artes de jogos como “Space invaders”, “Missile command”,”Pac-Man”, “Breakout”, “Centipede” e vários outros.

"The art of Atari": livro lembra as artes criadas para o videogame - confira!

É até curioso ler Bushnell falar sobre o quanto a arte da indústria de games deve à época em que discos vendiam a rodo, até porque hoje está claro o quanto o visual futurista de jogos como ‘”Yars’ revenge” devem a capas de álbuns de rock progressivo e heavy metal. O desenho que encapava esse jogo, feito por Hiro Kimura, poderia ilustrar um álbum do Uriah Heep, ou do Hawkwind – e é um dos preferidos de Tim Lapetino, por causa da impressão de “pele metálica” do inseto voador.

"The art of Atari": livro lembra as artes criadas para o videogame - confira!

Olha aí uma imagem do livro – tirada do Polygon – mostrando parte de um texto explicando como funcionavam os processos de criação da arte no Atari. Como o próprio texto diz, enquanto a empresa buscava a mais alta tecnologia para produzir os games, a arte ia no caminho oposto (“o mais analógico possível”, diz o texto) na hora de criar as embalagens ou o produto de divulgação.

"The art of Atari": livro lembra as artes criadas para o videogame - confira!

Tem mais sobre “The art of Atari” no site do livro (lançado só lá fora, claro), com as imagens dos jogos e alguns desenhos criados para os cartuchos e caixas dos games. Nolan Bushnell, criador da empresa, por acaso, está confirmado na edição 2017 do Brasil Game Show, que rola entre 11 e 15 de outubro no Expo Center Norte, na Zona Norte de São Paulo.