“007 – Na mira dos assassinos”, 14º lançamento da franquia James Bond (1985) e último filme em que Roger Moore (que morreu hoje) encarnava o personagem, tinha lá seus lados de “007 encontra os anos 1980 e o pós-punk”. A começar pelo tema do filme, escrito pelo Duran Duran – mas a película ainda tinha ninguém menos que Grace Jones, fazendo o papel da intimidadora May Day, segurança do vilão Max Zorin (Christopher Walken). E uma turma enorme lembra do filme justamente por causa da tal música do DD, “A view to a kill”. Que tem umas historinhas por trás. Olha aí (via AV Club)

– Em 1985, ano da música e do filme, o Duran Duran era uma banda cachorro grande, com músicas estouradíssimas e apresentações lotadas – mas estava numa crise que desencadeou uma pausa momentânea. John e Andy Taylor foram se juntar ao supergrupo de funk rock Power Station, com Robert Palmer nos vocais. Simon Le Bon, Nick Rhodes e Roger Taylor montaram o Arcadia.

– “A view to a kill” surgiu por iniciativa de John Taylor. Mas por vias tortas: bêbado, numa festa, ele abordou Cubby Broccoli, que produziu vários filmes da franquia James Bond e perguntou: “Quando é que James Bond vai vpoltar a ter uma música decente?” Brocolli perguntou: “Você não quer escrever o próximo tema?”.

– Não seria assim tão fácil. “A view to a kill” era uma composição do Duran Duran em parceria com John Barry, autor da trilha sonora dos filmes da franquia desde 1963. De acordo com Taylor, Barry não parecia nem um pouco animado. O compositor e o tecladista Nick Rhodes viviam discutindo sobre a música e numa dessas brigas, Barry liquidou a fatura soltando um: “Eu trabalhei com pessoas como Shirley Bassey e Roger Moore, e este é meu show, jovem”.

– Nos anos 1980, a coisa mais comum eram hits ganharem versões remixadas para as pistas de danças, transformando canções de dois minutos em temas dançantes de até sete minutos. John Taylor vetou a transformação de “A view to a kill” num remix, porque estava detestando alguns remixes que chegavam às lojas e pistas. Mas na época o compositor e produtor Steve Thompson chegou a fazer um remix da faixa, que ficou inédito e só chegou a público em 2014.

– E a turma do 007 gostou do resultado conseguido ao lado de bandas dos anos 1980 – tanto que “007 – Marcado para a morte”, de 1987, tinha John Barry dividindo o tema de abertura, “The living daylights”, com o A-Ha. Mas tratava-se do fim de uma era, já que Roger Moore não estava no papel principal (Timothy Dalton era o Bond da vez) e Barry só trabalharia mais nesse filme.

– E olha John Taylor, Simon Le Bon e Nick Rhodes (estes dois, à distância) dividindo com John Barry uma data do televisivo Good Morning America. Na época, a banda já estava separada – Simon e Nick falavam de Paris, onde tinham datas com o Arcadia, e Taylor estava em compromissos com o Power Station.

– O Duran Duran, por sinal, se despediu de Roger Moore no Twitter.