Não fazia ideia de que esse filme existia. Em 2011, o cineasta Robert Oppel decidiu fazer um filme sobre seu tio, Robert Opel (com um “p” só). É Uncle Bob. Se você não está ligando o nome à pessoa, vamos lá: Opel foi o cara que em 1974 invadiu o palco do Dorothy Chandler, durante a cerimônia do Oscar, enquanto ator David Niven anunciava a presença de Elizabeth Taylor. Detalhe: Opel estava pelado.

O invasor ainda conseguiu correr pelo palco fazendo o sinal de paz e amor para as câmeras – apareceu de surpresa na TV, por alguns poucos segundos e virou celebridade. Dizem que ele havia conseguido entrar no palco graças a armações com a turma da produção.

Esse momento está eternizado no YouTube. Na época, não era incomum isso acontecer. Estava mais do que na moda o chamado streaking, o ato de aparecer peladão em lugares públicos e assustar geral. Apareceram streakers até na Olimpíada de Montreal, em 1976. A cara de pau de Opel ficou só mais famosa.

Se você está sem entender porque é que fizeram um documentário inteiro sobre um peladão que invadiu o Oscar (e por que não?), pega essa. O legado de Robert Opel rendeu ainda uma exposição em 2014, com o nome curioso de The res-erection of Fey-Way Studios. Ficou em cartaz na galeria Antebellum, em Hollywood. O sobrinho foi igualmente o curador.

Fey-Way Studios era uma galera de arte erótica masculina que Opel montara em 1978 em San Francisco. O streaker era militante gay desde cedo e, bem antes de tirar a roupa no Oscar, tinha trabalhado como redator de discursos para ninguém menos que Ronald Reagan, que por aqueles tempos era governador da Califórnia. Também foi professor de inglês. Opel, por sinal, tinha nascido Robert “Oppel” mesmo – a grafia usada pelo sobrinho é a oficial. Decidiu tirar um “p” porque não queria envolver sua família em suas atividades.

Por causa de sua aparição mostrando as partes no Oscar, Opel virou celebridade da noite pro dia: deu entrevistas, foi convidado para festas (participou até de uma – igualmente como veio ao mundo – em homenagem a Rudolf Nureyev). Também esteve no palco do Mike Douglas Show. Dessa vez, evidentemente, foi de roupa. Essa entrevista está em Uncle Bob. Abaixo, você vai direto lá.

Opel foi assassinado em 1979. Foi durante um assalto à Fey-Way, quando dois homens invadiram o estúdio exigindo dinheiro e drogas. Opel e um amigo foram levados a um quarto dos fundos e amarrados. E os assaltantes atiraram na cabeça do fotógrafo. O sobrinho tentou entrevistar os assassinos, ainda presos, mas não conseguiu um encontro com os dois.

Uma história engraçada sobre Robert Opel é que, pouco antes de montar a Few-Way, ele estava disposto a raspar o crédito da aparição no Oscar como podia. Chegou a se lançar como candidato à presidência dos EUA, em 1976. Após a rede de mentiras e de intrigas que pegara o ex-presidente Richard Nixon, o ativista tinha um slogan formidável: “Nada a esconder”.