No começo da carreira, os integrantes do Guns N’ Roses eram tão pobres, mas tão pobres, que alguns deles aceitavam qualquer oferta de emprego – desde que não fosse um emprego regular, em que todos tivessem que trabalhar num escritório e bater ponto. Slash, por exemplo, chegou a trabalhar numa firma de telemarketing que prometia prêmios a pessoas que confirmassem seus números de cartão de crédito para, er, “cobrir as taxas administrativas”. Os prêmios – coisas como banheiras Jacuzzi e férias nos trópicos – jamais eram entregues.

Os outros integrantes bem que tentavam ir na mesma corda bamba entre viração e malandragem. Duff McKagan teve um emprego parecido com o de Slash em outra empresa. E Slash e Axl Rose volta e meia faziam bicos e trabalhavam como figurantes. Chegaram a participar de cenas de torcida em Encontro fatal, um filme de 1986 de Robert Mandel, no qual Michael Keaton fazia um jogador de hóquei. “Participaram”, na verdade, é maneira de falar: os dois se escondiam atrás das arquibancadas, saíam de lá quando rolava a chamada para o almoço e depois pegavam o cheque de cem dólares.

Tem uma cena aí (não achamos ninguém do Guns nela).

E da mesma forma que você não viu Axl nem Slash no filme com Michael Keaton, se prepare para NÃO ver o guitarrista do Guns N’Roses desfilando nas cenas de Sid & Nancy – Love kills, filme de 1986 dirigido por Alex Cox em que Gary Oldman faz o papel do baixista dos Sex Pistols. Aliás, prepare-se para não ver ninguém da banda, apesar de todo mundo do grupo ter sido contratado para figurar em algumas cenas.

“Sem que nenhum de nós soubesse, o mesmo diretor, em vários locais, escolhera cada membro do Guns N’Roses individualmente. Todos nós aparecemos no primeiro dia da seleção, fazendo comentários do tipo: ‘Ei, cara, o que está fazendo aqui?'”, escreveu o músico com Anthony Bozzio na biografia Slash.

Acabou que todos os integrantes da banda foram escolhidos para aparecer numa cena em que os Sex Pistols apareciam tocando num show. O grupo deveria estar três dias na semana, no início da manhã, num clube chamado Starwood. Nenhum deles se animou a ir todos os dias e só Slash (que conhecia o clube de trás para a frente) quis ir lá. Mas não estava nem aí para o trabalho.

“Eu aparecia de manhã, marcava presença e pegava meu vale-refeição. Então, desaparecia num canto do Starwood e enchia a cara de Jim Beam sozinho. Enquanto os demais figurantes faziam seu papel de público na pista diante do palco, eu observava o procedimento de um canto escondido no mezanino – e recebia o mesmo cachê”, contou no livro.

Já que você chegou até aqui, pega aí o trailer do filme.