Em 1988, uma junção das empresas U.S. Gold e Canvas Software pôs nas lojas o jogo Starring Charlie Chaplin. Uma ideia que, vá lá, parecia interessante. Em plena era malfadada das colorações de filmes em preto e branco, as duas empresas divulgavam a obra do criador de Carlitos para o público jovem (cof cof) por intermédio de um jogo que, pretensamente, dava uma visão educativa sobre cinema.

Quando fizeram um game em homenagem a Charlie Chaplin

No jogo, a pessoa precisa assumir todas as facetas de Chaplin: diretor, produtor independente e ator. Aliás, o trabalho do jogador é escolher novos projetos de filmes que possam dar lucro e, em seguida, usar esse dinheiro para financiar as próximas produções.

O site Obscuritory, especializado em games antigos, recorda que, no jogo você analisa roteiros de filmes que Chaplin realmente fez (como Luzes da cidade). Mas também filmes que nunca existiram. Também gerencia as finanças do estúdio e, como Chaplin, vai para a frente da tela.

>> Veja também no POP FANTASMA: Candy: quando Marlon Brando interpretou um guru hippie safadinho

Só que vai aí a pergunta: isso era jogável? O site do livro Games That Weren’t, de Frank Gasking (que documenta “jogos não lançados, cancelados e protótipos”), achou uma resenha que diz que o jogo era “uma boa ideia, mas sem ação”. Um outro texto noticia que poderia haver jogos com outros grandes nomes “idos” do cinema, num efeito meio Astros & Estrelas (aquela revista antiga da Abril, lembra?), só que no mundo dos games. Primeiramente, Marilyn Monroe e James Dean estavam entre os citados. Mas não havia planos para nada envolvendo os dois.

O Obscuritory conta que não havia um método para o jogador seguir. Aliás, tudo acontecia mais ou menos como na vida real: um projeto que parece ótimo pode ser atirado à lixeira em segundos. Aparentemente, entender o que sairia da cabeça do “analisador” do jogo era tão emocionante quanto prever o que sairia do nariz ou do bumbum de um neném.

>> Veja também no POP FANTASMA: Quando Sean Connery gravou (e zoou) os Beatles

“Tentei jogar Charlie Chaplin várias vezes e nunca tive um público para meus filmes. Os requisitos para um filme de sucesso são tão vagos que não consegui segui-los, mesmo depois de me familiarizar com o jogo. Devo chutar mais pessoas ou beijar mais pessoas? Nada parecia funcionar, e eu tinha a garantia de perder dinheiro com cada filme e ir à falência”, afirmaram lá.

Se você quiser ter uma ideia do que te aguarda no jogo, tem um vídeo de sete minutos no YouTube.