Falar em “lembra do cringe pop?” é até sacanagem. Mas do jeito que as pessoas andam usando o termo cringe como se não houvesse amanhã, vale perguntar se o termo não voltou à mídia como se não tivesse havido ontem. De acordo com o site TechTudo, “a palavra de origem inglesa consiste em uma gíria utilizada para se referir às situações desconfortantes e constrangedoras vivenciadas por determinada pessoa. Usuários das redes sociais tornaram popular o termo, que significa algo como ‘vergonhoso’, em tradução livre.

O cantor Ritchie entrou na história para explicar, com autoridade de inglês radicado no Brasil, que cringe nao é bem o que andam pensando.

Agora vem cá, alguém aí se lembra que essa história de cringe já não é de hoje? E que por volta de 2016/2017 uma turma enorme começou a falar em cringe pop como sendo uma nova tendência do pop? Que aliás já não era nem mais tão nova assim: a música que algumas pessoas têm como a iniciadora do ~movimento~ saiu em 2011. É nada menos que Friday, da então adolescente Rebecca Black.

>>> Veja também no POP FANTASMA: David Bowie, cinco anos

O cringe pop costuma ser definido como um estilo que produz canções e clipes alegadamente tão ruins (na opinião de muitos) que você “não consegue parar de assistir”. Tal conceito, vale dizer, comporta tanto desgostos quanto preconceitos. De modo geral, o termo define clipes que poderiam ser feitos com equipamento rudimentar e aplicativos baratos.

A letra de Friday, aliás, rendeu pragas, piadas e críticas, além de vários dislikes no YouTube: “Ontem foi quinta, quinta/Hoje é sexta, sexta/Nós-nós-estamos tão entusiasmados, estamos tão entusiasmados/A gente vai se divertir hoje/Amanhã é sábado/E o domingo vem depois”. Por outro lado, o clipe fez muito sucesso, e Rebecca precisou lidar com uma boa dose de cyberbullying.

Logo na sequência, vieram outros hits que muita gente considerou como cringe pop. A indiana Dhinchak Pooja soltou Selfie maine leli aaj (“tirei uma selfie hoje”), uma canção quase falada, com um clipe em que aparece tirando selfies desesperadamente.

Bhim Niroula, outro indiano, lançou Sunday morning love you e fez bastante sucesso.

Taher Shah, do Paquistão, lançou Angel em 2016 e logo virou outro grande hit, associado posteriormente com o cringe pop.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Afinal, Cassiano precisava do mainstream?

Em 2016, a tal onda de cringe pop virou um caso de discussão geral. Jacintha Morris, uma funcionária pública de 52 anos de Kerala, no sul da Índia, lançou Is Suzainn a sinner?,que logo virou hit. E ganhou clipe mostrando o dia a dia de uma mulher que decide mudar o próprio estilo e afrontar o conservadorismo.

Uma matéria na BBC explica que a tal ideia de categorizar a canção como cringe pop fez muito mal à cantora. Primeiro porque a ideia dela não era produzir uma obra prima trash, e sim incentivar mulheres a largar o estilo de vida tradicionalista. Mas com o sucesso do clipe, surgiu uma campanha de trollagem da cantora, além dos dislikes no YouTube.

“O pior pesadelo aconteceu quando jornais online escreveram uma reportagem muito suja sobre meu vídeo, me comparando com o cantor paquistanês Taher Shah. Depois, ridicularizaram todos os membros da família, minha filha”, disse Morris, que chegou a ouvir pedidos dos filhos para que deletasse o vídeo do YouTube. Ela chegou a definir o clipe como “o projeto dos seus sonhos”.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Eu também sou psicodélico

“Eu estava muito chateada, muito triste e não entendia as tags, ou Taher Shah, ou qualquer coisa”, afirmou ela, que na reportagem chegou a fazer um pedido: “”Por favor, não mate os talentosos. Especialmente aqueles que querem fazer o bem para os outros, aqueles que querem ajudar, aqueles que se posicionam contra a injustiça, especialmente o gênero feminino”.

Um texto do site Alternative Story põe mais lenha na fogueira, dizendo que “há uma necessidade urgente de mudar a lente com a qual olhamos para essas canções, referindo-se a ‘qualidade’ como um termo negativo que exclui as pessoas”. O texto também diz que muitas vezes deixa-se de dar valor à energia de uma canção.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Legend: a coletânea de Bob Marley que (nem) todo mundo ama

“Cringe pop é uma oportunidade para melhorar a autoestima e aceitação. Somos constantemente pressionados para ser os melhores. Para entrar nas melhores faculdades, nas melhores empresas, sobreviver em grandes cidades, obter promoções, buscar prêmios e reconhecimento por nossa capacidade e talento. Esses marcadores se tornaram nossa definição de realização e sucesso, dos quais nosso valor e autoestima são excessivamente dependentes. O pop cringe é um convite para redefinir esses significados”, afirma o texto.

“Ao ridicularizar cantores pop estranhos por compartilharem amplamente seu conteúdo de ‘má qualidade’, estamos reforçando a ideia de que uma pessoa será respeitada apenas quando produzir um trabalho de ‘boa qualidade’ e quando for o melhor no que faz. Também há hipocrisia nessa zombaria”.

>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here