Lançar discos nos anos 1960 era um empreendimento bastante lucrativo. Tanto que o que mais tinha eram empresas que não tinham nada a ver com o mercado fonográfico, mas que de uma hora pra outra resolviam entrar nessa. Uma delas foi uma gravadora chamada Happy Tiger Records, que pertencia a uma companhia aérea californiana chamada Flying Tigers. Nem uma empresa nem a outra existem atualmente. Fundada em 1945, a empresa aérea foi vendida para a FedEx Express há trinta anos. Já a gravadora funcionou só por dois anos, de 1969 a 1971, e soltou 27 álbuns (além de um número expressivo de singles) nesse período.

Lembra da Happy Tiger Records?

Sim, esse logotipo é feio pra cacete.

Dois dos lançamentos mais ilustres da Happy Tiger foram dois álbuns da banda irlandesa Them – aquela mesma banda do hit Please don’t go, que teve o Van Morrison como vocalista até 1967. O Them seguia desde então liderado pelo baixista Alan Henderson, tentara aderir à onda da psicodelia e voltava contratado pela Happy Tiger com dois discos de hard rock meio psicodélico, Them (1969) e Them in reality (1971).

Outra contratação do selinho foi o Aorta, banda de hard rock meio psicodélico, meio aterrorizante da qual falamos aqui. O grupo lançou por lá o segundo disco, Aorta 2. Pelo menos no YouTube dá pra ouvir esse disco. Um lançamento bem estranho do selo foi um single do Herb Newman & Co, grupo do dono da distribuidora do Happy Tiger, a Era Records. Herb e sua turma lançaram uma versão de dois minutos e pouco de Alice’s restaurant, de Arlo Guthrie (o original era uma faixa quase falada de 18 minutos). Ninguém jogou isso no YouTube até o momento.

Teve também o Mason Proffit, banda de country rock liderada pelos irmãos Terry e John Michael Talbot. O grupo lançou dois discos pela Happy Tiger, Wanted (1969) e Movin’ towards happiness (1971) e depois foi para a Warner, que pegou os dois primeiros álbuns do grupo, juntou num LP duplo e pôs nas lojas como Come and gone (1973). O Mason Profitt acabou quando os dois irmãos resolveram cantar em dupla. Os Talbot depois viraram cantores cristãos e hoje John Michael é fundador da comunidade monástica Brothers and Sisters of Charity.

A Happy Tiger nem bem tinha chegado no ônibus e já queria sentar na janelinha. Em 16 de agosto de 1969, um exemplar da Billboard explicava que a empresa estava de olho no mercado da música country e já queria expandir seus negócios para Nashville.

Lembra da Happy Tiger Records?

Além de lançar uma ou outra novidade, a Happy Tiger pegou uma turma que estava fora das grandes gravadoras, como a jazzista Joanie Sommers e a entertainer Roberta Sherwood (que já tinha mais de 60 anos quando assinou com a Happy Tiger). O último álbum da gravadora foi justamente o Movin’… do Mason Proffit.

Os executivos do selo sairiam para se juntar a outras gravadoras e o Happy Tiger terminaria aí. Mas a Happy Tiger ainda geraria algumas notícias meio bizarras mesmo depois dos seu fim. Em 29 de abril de 1972 a Billboard noticiava que a grandalhona Columbia e a menorzinha Monarch Records meteriam processos no que havia sobrado da Happy Tiger por causa de contas não pagas, entre outras reclamações. Hoje, alguns lançamentos da Happy Tiger estão nas plataformas digitais com os selos de outras gravadoras.

Lembra da Happy Tiger Records?