Nunca tinha ouvido falar do Halyx? Vamos por partes. Se bobear, muita gente lembra bem disso: o mercado de discos, depois de certa época, foi uma prioridade da Walt Disney Company. E lá pelos anos 1970, época em que discos vendiam MUITO, isso gerou vários produtos. Não foi à toa que lançaram logo uma vitrolinha do Mickey (até mesmo no Brasil, daquelas com alto-falantes na tampa), por exemplo.

Logo nos anos 1950, a Disney logo criou um selo, o Disneyland, para comercializar discos falados – que geralmente eram vendidos com livros para a criança ouvir e acompanhar a leitura. E no finzinho dos anos 1970 a onda discothéque também falou alto na empresa, já que a Disneyland lançou até um LP Mickey Mouse Disco (1979). Esse álbum chegou a sair no Brasil, em vinil verde, com todas as músicas cantadas em português – teve até clipe no Fantástico.

Lá fora, esse disco vendeu horrores e ainda gerou um curta-metragem (cheio de luzes pisca-pisca, que hoje seriam vetadas pela fiscalização de qualquer canal infantil) com várias cenas aproveitadas de outros desenhos do universo Disney.

ROCK DA DISNEY

E lá pelos anos 1980, animados com o sucesso da franquia Star Wars e com o sucesso do Kiss (e, vá lá, dá pra ver certa influência do mercado de games, fortíssimo no período), alguém na Disney teve uma ideia que parecia genial: por que não criar uma banda de rock intergalática para se apresentar no palco da Tomorrowland? Começava a surgir aí o Halyx.

Halyx: quando a Disney lançou uma banda de rock inspirada em Star Wars

Alguém poderia se perguntar “peraí, os caras só foram perceber o sucesso de Star wars quase seis anos depois que tudo aconteceu?”. Bom, no caso da franquia de George Lucas (que a Disney só foi adquirir em 2012), havia algo no todo da história que dizia respeito ao universo de Walt Disney por aqueles tempos. Em 1981 a empresa estava começando a filmar Tron, longa de ficção científica que chegaria aos cinemas no ano seguinte. A turma que estava começando a fazer parte da banda chegou a ver alguns dos cenários montados.

A ideia era que o grupo fosse a atração “de rock” do Tomorrowland, para as crianças e adolescentes que frequentavam a área, numa época em que o estilo musical confundia-se facilmente com o pop e ainda era mania no mundo todo. As perspectivas musicais da Disney não eram tanto assim a de criar uma grande banda com grandes nomes – tanto que convidar nomões do pop ou do rock para integrar o projeto era algo fora de cogitação. Mike Post, craque da criação de músicas para séries de TV (fez os temas de Esquadrão Classe A, O super-herói americano e Lei e ordem, entre vários outros), cuidou dos primeiros detalhes de produção e de escolha de músicos.

FANTASIAS

Aliás, os músicos deveriam se apresentar, fizesse calor ou não, fantasiados. Nem todo mundo gostou da ideia (Bruce Gowdy, o guitarrista, torceu o nariz desde o início), mas acabou rolando. Já Lora Mumford, a cantora, escapou do visual infantilizado. Foi escolhida por encaixar-se nos testes de voz e de aparência (era bonita e ficava gatíssima nas roupas futuristas boladas para o show, inspiradas no visual de Suzi Quatro). Era casada com um tecladista, Thom Miller, e acabou levando o marido para a banda.

O Halyx foi para o palco da Tomorrowland pela primeira vez em 20 de junho de 1981. Fez bastante sucesso, mas não o suficiente para contentar os ânimos dos executivos da Disneyworld. Muitos deles não estavam nem um pouco animados de haver uma banda de rock tocando em alto volume no parque. Isso levava o público a fazer barulho e tiranva a atenção dos brinquedos do lugar (sim, esse dilema existia). A banda durou apenas um verão.

Em 11 de setembro (olha!) daquele mesmo ano, o Halyx se apresentou pela última vez, deixando saudade em muita gente, mas despontando para o esquecimento. Um contrato seria assinado pelo grupo com a Warner, em parceria com a Disney, mas a operação não andou. Só alguns anos depois, gravações do Halyx ao vivo (feitas direto da plateia) foram parar no YouTube. Mas a lerdeza dos executivos da empresa fez com que não saísse nem sequer um single do grupo.

FILME

Os músicos do Halyx foram parar em outros trabalhos. Alguns continuaram na música, outros não. O site Ancient Voices explica que Lora, após o fim do Halyx, arrumou emprego de garçonete ali perto da Disney, para não perder outras oportunidades. A cantora morreu em 2011.

E em 2020 a turma do canal Defunctland, dedicada a explorar o universo de parques, locais em geral e programas de TV que não existem mais, decidiu transformar a história do Halyx em filme. Live from the Space Stage foi feito a partir de uma campanha de crowdfunding e está inteirinho no YouTube. Pega aí

Via The Big Smoke, Imaginerding, Collider.

Tem conteúdo extra desta e de outras matérias do POP FANTASMA em nosso Instagram.