Connect with us

Lançamentos

Garotas Suecas lembra melancolia dos tempos da pandemia em single novo

Published

on

Garotas Suecas lembra melancolia dos tempos da pandemia em single novo

Sem lançar álbum novo desde antes da pandemia (Futuro do pretérito saiu em 2017), a banda Garotas Suecas vem com seu quarto disco, 1 2 3 4, em julho, com lançamento pelo selo paulistano Freak e pela gravadora espanhola Vampisoul (para o resto do mundo). O primeiro single, Não tá tudo bem, saiu nesta quarta (14) e traz versos bem melancólicos, que remetem justamente ao pós-2020, com pessoas trancadas em casa e incertezas gerais. “Não sinto o ar puro/Há mais de um ano/Qual é o futuro?/Entrar pelo cano (…)/O mundo é bonito/Da minha janela”, diz a canção, num clima que lembra Rita Lee e Titãs.

Nos casos específicos de Tomaz Paoliello (guitarra e vocal), Irina Bertolucci (teclado, percussão, vocal), Fernando Perdido (baixo e vocal) e Nico Paoliello (bateria e vocal), ainda havia o vácuo de shows e a falta de perspectiva, que inspiraram a canção. “Ela foi escrita em meados de 2021 e foi a última música a entrar no disco. Escrevi ela num dia que estava bem desanimado, sem grana, pouco trabalho, sem shows, sem vacinas, com medo e sem expectativa de melhoras”, diz Nico, autor da canção

“O disco já estava quase inteiro gravado e falava de vários temas atuais, mas ainda não tinha uma faixa que falasse desse momento pandêmico.  Quis falar um pouco sobre isso e botar pra fora um pouco da frustração que sentia naquele momento, porém sem usar palavras chave como ‘coronavírus’, ‘pandemia’, ‘quarentena’, etc… Tentei deixar a letra menos literal pra não ficar tão datada, fiz a música e já mandei a gravação da demo (voz e violão) para o restante da banda. Alguns dias depois já começamos a ensaiá-la e não demorou muito para que ela ficasse maneira. Só a parte final, que tem um instrumental maiorzinho, deu um pouco mais de trabalho para encaixarmos as transições, mas nada demais também. Estamos de volta!”, conta o músico.

Crítica

Ouvimos: Clairo, “Charm”

Published

on

Ouvimos: Clairo, "Charm"
  • Charm é o terceiro álbum da cantora norte-americana Claire Elizabeth Cottril, a popular Clairo. Ela posta música na internet desde os 13 anos (tem 25 hoje) e já teve seu trabalho mais associado a nomenclaturas como lo-fi e bedroom pop. O release do novo disco apontou para “grooves quentes inspirados nos anos 70 que se movem agilmente entre jazz, folk psicodélico e soul”.
  • A produção do disco foi feita por ela ao lado de Leon Michels (Sharon Jones & The Dap-Kings, Menahan Street Band, Lee Fields & The Expressions).
  • Charme é um sentimento que você tem. Quando você está encantada, é aquela mistura perfeita de ser boba por uma pessoa – platonicamente, romanticamente – e não saber quanto tempo isso vai durar”, disse Clairo num papo com a Crack Magazine, afirmando também que durante um bom tempo agiu como se a necessidade de ser olhada não fizesse parte da sua vida.

Tem algo nada discreto que une o novo disco de Clairo a Novela, disco novo de Céu. Para começar, são discos em que, de uma hora para outra, pintou uma, digamos, linha divisória ali. Essa tal linha (quase imaginária, mas perceptível) separa o “alternativo” do clássico, sem passar exatamente por uma noção surrada de mainstream. Afinal, estamos falando de Céu e Clairo, e não de – sei lá – Ana Carolina e Lana Del Rey.

E aí que Charm, disco novo de Clairo, vai bem dentro dessa linha de pop adulto e imaginário, que já aparecia em alguns discos anteriores da cantora norte-americana, mas num grau bem menor. O pop “clássico” evocado aqui é o som agridoce feminino setentista, as aventuras amorosas-existenciais de Joni Mitchell, Carly Simon e Carole King. Como acontecia em discos como Tapestry, clássico de Carole King, as músicas são soft rock com origem no soul. O material tem levadas, foi construído em torno de tecladeiras velhas, e uma coisa ou outra parece vir como tributo a discos como Innervisions, de Stevie Wonder (sem a excelência técnica de Stevie, é verdade).

Não é um disco feito para arrebentar e esfregar na cara. Como quase tudo que envolve Clairo, é um álbum discreto, detalhista, introvertido – como o “charme” do título, aquela coisa que está lá e parece que não está. Nomad, a faixa de abertura, une batidas do r&b a guitarras lembrando os Rolling Stones de 1971, com uma letra explorando solidão, mudanças e traumas emocionais.

O single Sexy to someone une soft rock e neo-soul, e é o tipo de música que provoca identificação imediata: “ser sexy para alguém é tudo que eu realmente quero (…)/eu preciso de um motivo para sair de casa/é só uma coisa sem a qual não posso viver”. Slow dance une um monte de incertezas amorosas e pessoais numa espécie de música de ninar dançante, com ritmo dado pelo piano. Por sinal, muita coisa de Charm parece que veio de um voo de Clairo e de Leon Michels (o co-produtor) por antigas trilhas de novelas. A balada Juna, cheia de tecladinhos e detalhes “psicodélicos” de araque, cairia bem na trilha de Duas vidas ou O pulo do gato, assim como o soul Terrapin e a funkeada Add up to my love.

Esse surgimento de tons meio psicodélicos no disco, por sinal, rola direto – vale dizer: mais para dar a ideia de que aquilo tudo vem de um lugar bem distante, e bem particular, do que para convencer os fãs de que estava todo mundo tomando LSD nas gravações. É o lado lo-fi de Clairo, mais evidente em sua estreia Immunity (2019), atuando. Nem sempre esse senso de esquisitice, misturado com os novos parâmetros da carreira de Clairo, dá certo: uma das músicas mais agradáveis do disco, Glory of the show, é interrompida bruscamente para entrar a última faixa, a razoável Pier 4. Mas Clairo volta com cara de reestreia, o que é ótimo para um terceiro disco.

Nota: 8,5
Gravadora: Independente.

Continue Reading

Crítica

Ouvimos: Windoc, “Human error”

Published

on

Ouvimos: Windoc, "Human error"
  • Human error é o primeiro álbum do Windoc, banda de Ontário, Canadá, que une punk e metal, com tendências a soar mais parecido com as bandas pesadas dos anos 1980 e 1990. O grupo havia lançado apenas um EP em 2019, mas teve planos interrompidos pela pandemia. Para retornarem, precisaram ajustar cronogramas pessoais (cada integrante tem seu próprio rolê de trabalho e de outras bandas).
  • O nome da banda foi tirado do nome de um barco que bateu em uma ponte perto de Ontário. “Talvez de alguma forma o nome estranho não tenha nos ajudado, mas liricamente sempre fomos propensos a chamar a atenção para a natureza destrutiva dos humanos e da sociedade”, diz o grupo aqui.

O Windoc abre seu primeiro disco com uma faixa que lembra bastante uma introdução de música dos primórdios do Metallica – riff na frente, sonoridade quase épica, coisas do tipo. O álbum vai seguindo e mostrando a verdadeira face do grupo, que é mais ligado à mescla de hardcore e death metal,  mas com arranjos mais lentos do que o das bandas classificadas como crossover (uma turma que inclui D.R.I., Ratos de Porão e muitos outros). As dez faixas têm sonoridades sombrias, vocais guturais (na cola de Max Cavalera) e letras que falam da realidade quase como se fosse um filme de terror.

São músicas, por sinal, bem curtas: Human error tem menos de vinte minutos, letras rápidas e combinações bem dinâmicas de riffs e palhetadas, como rola em Death sentence, Nightmare, na fúnebre Extinction e nos ritmos quebrados da faixa-título, além de W.T.G.W., rap-death metal gravado com o grupo de hardcore Reality Denied. Windoc, por sua vez, é um instrumental tocado no violão, com sonorização de telejornal, que tenta levar para o disco a história que inspirou o nome do grupo.

Em termos de letras, Windoc é uma banda bastante poltizada, usando o termo “erro humano” como senha de compreensão para todas as faixas – muito de Human error fala de tecnologia, ecologia, guerras, genocídio e cagadas do ser humano de modo geral, além de alguma esperança. No fim, Disarmed inclui mais partículas de hip hop no som do grupo, com argamassa de death metal e certo balanço em batidas e vocais.

Nota: 7,5
Gravadora: Independente

  • Apoie a gente em apoia.se/popfantasma e mantenha nossos projetos e realizações sempre de pé, diários e saudáveis!

Continue Reading

Crítica

Ouvimos: Blake Jones and The Trike Shop, “And still…”

Published

on

Ouvimos: Blake Jones and The Trike Shop, "And still..."
  • And still… é o novo disco da banda Blake Jones and The Trike Shop, que vem de Fresno, Califórnia, e grava pelo selo Big Stir Records. O Big Stir foi criado por dois integrantes da banda The Armoires (Christina Bulbenko e Rex Broome), e focado “em ampliar os parâmetros artísticos do som pop rock”.
  • Com o tempo, Blake, que se divide em instrumentos como guitarra e theremin, sobrou como único integrante fixo de sua própria banda, cuja formação foi mudando. Ele é definido no site do Big Stir como tendo “um dom singular para casar melodias memoráveis ​​e acessíveis com trocadilhos peculiares, desafiadores, mas sinceros”.
  • O disco anterior de Blake, Make (2018), foi o primeiro lançamento em vinil do selo. And still… por enquanto pode ser ouvido apenas no Bandcamp. Sai em vinil e CD só em 16 de agosto.

No Brasil, o som de Blake Jones não costuma ser comentado – provavelmente somos o primeiro site em português a falar de algum disco desse músico californiano. Ele já está na ativa com seu grupo Trike Shop (“loja de triciclos”) desde 1993, e tanto ele quanto a banda têm adoração por dois lados diferentes do rock dos anos 1960: a face mais experimental, de bandas como Mothers Of Invention e Grateful Dead, e a região mais histórica e pop, que gerou clássicos de bandas como The Who, Kinks e os próprios Beatles.

Naturalmente, o som deles faz todo sentido se comparado ao de bandas como Soft Boys, Rockpile e XTC – é power pop com um forte lado soft rock, de música feita para tocar numa rádio imaginária. Não é à toa que And still…, novo disco do grupo, pede na capa para ser arquivado no escaninho de “mad pop inventions”. É o que se ouve em músicas como The queen is dead e Record cover girl, que trazem uma espécie de Beach Boys punk e largadão. Ou em canções que lembram bubblegum sessentista pervertido, ou um Kinks/Small Faces menos pesado, como Mock stoner voices, Dreaming about sleeping, Mr Saturday sun e String lights hold on.

A doideira herdada de Frank Zappa e Captain Beefheart (ou de bandas como Soft Machine) é audível em pérolas pop-psicodélicas como o ska Used record stores, o jazz-rock Fascist bumblebee winter formal e a zoeira e tribal You put theremin on my hype sticker, que traz o próprio Blake Jones tocando o instrumento do título, e lembra as vinhetas instrumentais que invadiam lados-B e álbuns do Who sessentista. Para tocar no rádio e lembrar uma banda dos anos 1990 com influência de três décadas antes, tem as baladas Shake your dress e What’s the sun.

Nota: 9
Gravadora: Big Stir Records

Continue Reading
Advertisement

Trending