Lembra da alegria de I gotta feelin’? Esquece. Os Black Eyed Peas, conforme lembrou Camilo Rocha nesse texto para o portal Nexo, voltaram bem mais politizados e aguerridos no novo single, Street livin’. Nesta segunda (15), o grupo apresentou a nova (e boa, por sinal) canção no The Late Show with Stephen Colbert. Olha aí.

Entre os temas da nova música, racismo e violência policial – esta, como mantenedora da desigualdade entre negros e brancos. Como mandam os tempos de Donald Trump, a ordem agora é mexer nas feridas do preconceito racial e da intolerância geral. Tudo bem diferente do clima festivo da era Barack Obama (na qual I gotta feelin’ foi lançada).

A novidade é que mais uma vez os Black Eyed Peas vieram na música brasileira pesquisar sons. Dessa vez, o item sampleado foi Pouca duração, música que encerra o segundo disco dos Catedráticos, Impulso (1964). Olha o original aí (via Esquizofrenia Zine).

Os discos dos Catedráticos foram lançados originalmente pelo selo Equipe e reeditados em CD em 2007 pela Atração Fonográfica. O grupo mudou bastante de formação e teve entre seus integrantes lendas como Dom Um Romão (bateria), Maurílio (trompete), Raul de Souza e Edson Maciel (trombone), Wilson das Neves (bateria), Dauteth Azevedo (guitarra) e Tenório Jr. (pianista brasileiro morto pela ditadura argentina em 1976).

Não é a primeira vez, claro, que eles sampleiam música brasileira. Olha aí Cinco minutos, de Jorge Ben, se transformando em Positivity, música de 1998.

No mesmo disco, tinha Comanche, também de Jorge Ben, virando Fallin’ up.