“Drawing the target around the arrow”, novo disco solo da musicista novaiorquina Caroline Polachek (sob o codinome CEP, iniciais de Caroline Elizabeth Polachek), é um disco para poucos. Contém 18 faixas, em sua maioria bem curtas, que lidam com experimentações sonoras no sintetizador. São ambientes sonoros com poucas notas, nada de vocais, quase sempre baseados na repetição. Nada pop. E olha que curioso, o universo pop até que é bem próximo de Caroline. Ex-vocalista do grupo de synthpop Chairlift, ela já escreveu e produziu um single de Beyoncé (“No angel”, de 2013, que estava no CD “Beyoncé”).

“Eu toco sintetizador desde a infância. Tinha teclados para tocar desde os sete anos de idade, e mexo com ondas senoidais (sinos), usando-as como ferramenta de composição, desde 2012”, conta Caroline, em busca de um som puro e neutro, com “notas puras”. Enquanto gravava o disco de um outro projeto seu, Ramona Lisa (“Arcadia”, lançado em 2014), passou a usar um plug-in desse tipo de som. “Eu estava numa de: ‘Quero deixar tudo sem som e só ouvir isso!'”.

Pega aí “8pm sleeping fish”. E sim, o som é difícil. E lembra as canções mais meditativas de “Autobahn”, do Kraftwerk (1974) e o krautrock.