Nunca foi tarefa das mais fáceis lidar com Jean-Jacques Burnel, baixista dos Stranglers. O músico franco-britânico era faixa-preta de caratê, dava aulas de artes marciais antes dos Stranglers começarem a vender discos e, no segundo show da turnê de seu primeiro disco solo, Euroman cometh (1979), foi visto sentando o braço numa renca de malucos que decidiu invadir o palco (você já leu sobre isso aqui mesmo no POP FANTASMA).

E Burnel comentou certa vez que rolou uma trombada ele e Paul Simonon, baixista do Clash, quando as duas bandas estavam começando. Mais que isso: rolou quase uma batalha campal entre várias bandas, numa ocasião em que os Stranglers abriram para os Ramones no Dingwalls, em Londres. Tudo começou porque (ora bolas), no fim do show dos Stranglers, Simonon cuspiu no palco em que Burnel e seus amigos tinham acabado de se apresentar.

“Naquela época, ele tinha um tique nervoso: ele costumava cuspir no chão. Ele fez isso exatamente quando saímos do palco. Bati nele e tudo começou. Fomos jogados fora pelos seguranças e ele continuou no pátio. De um lado estavam os Pistols, o Clash, os Ramones e um monte de amigos jornalistas. Do outro lado estávamos nós, alguns fãs e eu, cara a cara com Paul. Dave Greenfield (o tecladista dos Stranglers) colocou John Lydon contra a van de sorvete”, contou Burnel num papo com The Guardian.

Se você está estranhando a presença de uma van de sorvete no equipamento de palco de um show punk, no POP FANTASMA você encontra um texto em que lembramos da época em que Jet Black, baterista dos Stranglers, sustentava a banda vendendo sorvetes. Um tempo depois, Burnel disse que soube que a briga foi presenciada por Joe Strummer (voz, guitarra, Clash) e Hugh Cornwell (voz, guitarra, Stranglers), que falaram um para o outro: “Acho que seu baixista está tendo algo com o meu baixista”. Seja como for, até o momento, a versão de Burnel é a que costuma aparecer por aí e está contada em alguns textos pela internet. Simonon aparentemente nunca falou do assunto.

Via Far Out