Se você achava que o Cocktail, apresentado pelo saudoso Miéle no SBT, era o máximo em termos de choque cultural televisivo, é melhor você rever seus conceitos. Por um período bem breve, a Itália teve um… programa de variedades dedicado às artes satanistas. O tal programa era o Stryx, exibido pela emissora RAI no outono de 1978.

O Stryx, claro, assustou a maior galera. Tanto que foram gravados apenas sete episódios – e desses sete, um nunca chegou a ir ao ar. Aparentemente, telespectadores indignados com o conteúdo blasfemo da atração enviaram várias cartas pedindo a retirada do programa da grade. E aliás, não custa lembrar: a Itália era um imenso barril de pólvora naquele momento. Berço do catolicismo, o país passava por conflitos sociais, atos de terrorismo e altas merdas até mesmo em shows de música pop.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Quando deu uma baita merda num show de Lou Reed na Itália

Entre as atrações que o telespectador mais saidinho poderia ver no Stryx naquele momento, estava a aparição triunfal de Amanda Lear. A apresentadora, modelo, atriz, cantora e musa de capa de disco do Roxy Music, chegou para abalar. Dançou e cantou sensualmente, dividiu o palco com goblins e feiticeiros (era o “corpo de baile” da atração) e acariciou três gatinhos pretos, perguntando se os bichanos eram anjos ou demônios.

Para chocar o espectador (aliás, naquela época a TV em cores estava popularíssima na Itália) valia de um tudo. Abusando de efeitos em 3D, o programa abriu com gritos de “senhoras e senhores, o diabo!”. E na sequência, uma procissão de demônios, goblins, odaliscas e dançarinos. A diva Grace Jones também foi uma das atrações do programa. Esteve lá acariciando peles de leopardo e cantando músicas como Fame e Anima e cuore. Aliás, temas como quiromancia, cabala e sacrifícios humanos estavam entre os assuntos.

Olha aí a cantora italiana Patty Pravo soltando a voz em Bello, versão em italiano de Love goes building on fire, dos Talking Heads. Ela é carregada por goblins e, no fundo, uma mulher sacrificada aparece amarrada num tronco de árvore. Aliás, Patty é tida por muita gente séria como uma espécie de versão local feminina de David Bowie.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Nem sempre Mick Jagger foi pé-frio

Aliás, teve brasileiro lá. Ou melhor, brasileira. Olha Gal Costa no Stryx cantando O vento, Relance e Rainha do mar, em um cenário repleto de bichos chifrudos, goblins e índios. Mas pelo que diz aí, o programa tinha um quadro chamado Stryx do Brasil.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Umano non umano: Mick Jagger e Keith Richards num filme italiano de 1969

A história de como Stryx começou a ser feito é muito louca. Criador do programa, o diretor de TV Enzo Trapani dizia em entrevistas que tudo começou quando recebeu um telefonema tarde da noite, de um homem muito polido. O sujeito (que aliás, desculpava-se por ligar naquele horário) tinha uma reclamação a fazer. Queixava-se da falta de representação que “ele” tinha na TV nacional. Em seguida, perguntou se não havia ninguém escrevendo um programa a seu respeito. “Mas quem é você?”, perguntou Enzo. “Eu sou o diabo”, confessou o tal cara.

Sei lá se Trapani foi iluminado pelo coisa-ruim ou se inventou a história. Fato é que o programa foi feito, assustou geral e saiu do ar. O diretor, depois disso, pôs no ar C’era due volte, outro programa bem safadinho, no qual trabalhava com ninguém menos que a atriz Illona Staller, a popular Cicciolina. Só que nessa época, Trapani não estava bem, talvez meio assombrado pelo fracasso do Stryx. Tanto que tirou a própria vida em 1989. Mesmo que tenha durado pouco, ficou a lenda da ousadia do programa, que infelizmente só tem alguns clipes no YouTube.

Via Atlas Obscura