Quando Agnaldo Timóteo começou sua carreira discográfica, boa parte do seu repertório era tomada por versões de sucessos do pop italiano, inglês, francês, etc. Detalhe: entre canções pop, breguices e boleros, tinha uma ou outra versão de sucessos do rock. Ou baladas açucaradas que as bandas de rock lançavam para dar aquele upgrade no público. Pega aí sete vezes em que o cantor – que recentemente ganhou um documentário, foi hostilizado ao visitar um político que está preso e reclamou que nunca foi convidado para o especial de Roberto Carlos – meteu-se com o som da juventude.

“A CASA DO SOL NASCENTE” (do LP Surge um astro, de 1965). Banda do lado mais raivoso da invasão inglesa, os Animals tiveram seu hit The house of rising sun transformado nessa canção em português aí, pelo versionista e compositor Fred Jorge.

“ONTEM” (do LP O astro do sucesso, de 1966). Claro: Yesterday, dos Beatles, perfeita para um clima choroso e para lembranças de quando o amor era um jogo mais fácil de se jogar. Letra em português do versionista mais ativo da jovem guarda, Rossini Pinto.

“MICHELLE” (do LP O astro do sucesso, de 1966). A gravadora de Agnaldo era a mesma dos Beatles (a Odeon representava a EMI por aqui), o que facilitava com certeza na hora de conseguir liberação de direitos para algumas músicas. Michelle, com seu clima romântico e seu refrão em francês, claro, foi parar no repertório do cantor – igualmente vertida para o nosso idioma por Rossini Pinto.

“ESSE AMOR QUE EU NÃO QUERIA” (do LP O sucesso é o astro, 1967). A whiter shade of pale, baladão lançado pelo grupo progressivo-barroco Procol Harum, ganhou um órgão de churrascaria, o vocalzão de Agnaldo, e essa letra em português, feita por Geraldo Figueiredo.

“PALAVRAS” (do LP Comanda o sucesso, de 1969). A fase inicial dos Bee Gees, dada a baladinhas psicodélicas e a um clima mais melancólico, rendeu um hit para Agnaldo Timóteo. Words, relida em português por Eduardo Luís.

“O DIA QUE EU CHEGAR” (do LP Comanda o sucesso, de 1969). Mais Bee Gees: First of May, sucesso do disco duplo Odessa (1969), ganhou versão em português do hoje jornalista Tom Gomes.

“O MEU AMOR” (do LP Frustrações, de 1973). Paul McCartney, estourado em todas as partes do mundo com My love – feita para a mulher Linda McCartney – ganhou versão em português feita por Roberto Figueiredo.