Connect with us

Destaque

Reconquista: seresta-rock, agora em disco

Published

on

Kayo Iglesias tem duas profissões bastante intranquilas, ainda mais em tempos de pandemia: música e jornalismo. Sua banda, o Reconquista, autodefinida como “seresta rock” (é essa inclusive a arrobinha do grupo no Instagram), foi montada inicialmente pensando em invadir casas de shows pelo Brasil, com um repertório formado exclusivamente por clássicos românticos estrangeiros que, em solo pátrio ganharam versões em português. O fechamento dos espaços fez com que o músico fizesse adaptações no projeto e lançasse um disco, Meio ao vivo, meio em casa, puxado por Se tu não fosses tão linda, versão do tema do faroeste italiano O dólar furado (Se tu non fossi bella come sei, original de Fred Bongusto). A versão foi gravada no Brasil por Agnaldo Timóteo e Jerry Adriani.

O disco, cuja história dá um livro, está ganhando um lançamento inusitado. “A gente não está vendendo o disco, mas também não é um crowdfunding”, conta Kayo, que montou o projeto com amigos como Marcelo Cebukin (Céu na Terra, Pietá e Matheus VK) nos sopros e teclado, e Fernando Oliveira (Canastra, Monte Alegre Hot Jazz Band e Rats) no banjo, bandolim e cordas em geral. No Bandcamp do Reconquista, dá para escutar o single, e teasers das canções. No site do grupo, você tem três opções de contribuição, com valores entre R$ 50 e R$ 100, incluindo a audição do EP (com bônus ou não), camisetas e pôsteres. Depois, quando for alcançada uma meta financeira, o disco será liberado para audição.

>>> POP FANTASMA apresenta: Disstantes, “Zumbi choppa”

“Pedimos colaboração para a banda para reembolsar todo mundo, pagar mixagem, masterização, dar um auxílio emergencial para os músicos”, conta Kayo, que durante a gravação, escreveu até arranjos para cordas. “A gente vai liberar, mas precisamos de uma quantidade razoável de colaborações. Foram 18 músicos na gravação, não é pouca gente, é um projeto ousado, mas queremos manter a régua alta. Tem que parar com esse negócio de ‘ah, é underground, é resistência, não sei o que lá’, A gente quis fazer uma coisa bonita, maneira, com arranjo maneiro, orquestrado”, completa.

Advertisement

Originalmente, o disco surgiu da ideia de ampliar os horizontes da banda, com arranjos de orquestra e uma fugida básica do formato “banda de rock” (músicos como o hermano Rodrigo Barba, por exemplo, tocaram nos shows do grupo). “Pensei em transformar o projeto numa orquestrinha pequena”, diz Kayo, que convidou dois músicos bem jovens do Complexo do Alemão, Gabriel e Natanael Paixão, para tocar violino e viola no disco. Ele conheceu o dois garotos, que já viraram matéria de jornal, quando crianças. “Hoje já estão com 20 e poucos anos, um tem carro, outro tem moto”, brinca ele, que apadrinhou os dois jovens músicos na época.

A ideia original era lançar um single de vinil com o repertório, mas na época houve outro problema: não havia tempo hábil para liberar as músicas com as editoras. “Tinha a editora da música e a da versão, e algumas até fecharam. Mas como a nossa intenção sempre foi fazer show, fui reunindo a galera”, conta Kayo.

>>> POP FANTASMA apresenta Sombrio da Silva, “Músicas para ouvir chorando enquanto escorrega de costas na porta”

A novela que deu no EP não acabou aí: Kayo marcou um superensaio com toda a turma no estúdio carioca PlayRec, para repassar o repertório de 18 músicas. “Só que o ensaio seria dia 18 de março de 2020, e dia 15 fechou tudo por causa da pandemia. Pensei: fodeu, o que vamos fazer? Rolou a ideia de fazer um vídeo com todo mundo tocando em casa, mas o baterista não tinha uma bateria em casa. Não daria para fazer um chamariz do grupo sem bateria. Tocamos musica romântica, com orquestra, mas somos uma banda de rock”, conta.

A solução foi mesclar material gravado em outros tempos no estúdio carioca Audio Rebel: em 2017 haviam ido lá fazer um vídeorelease e em 2019 haviam voltado para testar tecladista e DJ, e gravaram coisas nas duas ocasiões. Kayo viu-se frente a frente com um repertório de vinte canções. “As nove músicas vieram disso, mas depois a galera completou com overdubs em casa. Nossa ideia era fazer show, mas esse foi nosso recurso para sobreviver”, recorda. Na hora de mixar, houve trabalho para dar uma cara diferente para cada canção. “Mas não queria fazer um disco totalmente burilado, dá pra ver que cada um tá tocando num lugar diferente”, afirma.

Advertisement
>>> Veja também no POP FANTASMA: Cannibal: “Tem gente que diz que gostava mais do Devotos quando era ‘do Ódio”’

Os dois garotos do Alemão foram chamados: Kayo levou ambos para o Audio Rebel, junto com mais dois músicos amigos deles (Anna Eliza Moraes no violino e Rodrigo Cristimann, cello). Todos são integrantes da Camerata Jovem do Rio de Janeiro. Foi todo mundo de máscara, assim que foi possível abrir o estúdio. “Fiz um arranjo para eles, botei duas guitarras, duas vozes femininas, DJ, quarteto de cordas e de metais, e rearranjei as músicas”, conta ele, que pôs até percussão sinfônica no disco.

“Gravamos no Audio Rebel porque é uma sala maiorzinha, mas tomamos um cuidado do caralho. Foi um perrengue. Tinha que fica ouvindo de fone, sem olhar pros garotos e eu estava regendo! Foram várias coisas diferentes no processo. Mas valeu a pena aprender e passar por isso”, alivia-se Kayo, que já tomou as duas doses da vacina contra covid-19. “Essa hora da vacina é complicada para a banda, aliás. A gente tem integrantes de 19 a 50 anos”, brinca.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Faixa a faixa: KK, “A gente tenta até conseguir”

O repertório do EP do Reconquista inclui versões como Zíngara (originalmente gravada por Bobby Solo, e aqui por Moacyr Franco), Volte amor (Torneró, no original, gravada em italiano por I Santo California e em português por Antonio Marcos) e Fale amorosamente (versão do tema de amor de O poderoso chefão, de Nino Rota, gravada aqui por Agnaldo Timóteo). Todas são canções que marcaram a infância de Kayo e que foram redescobertas por ele em barracas de vinil na feira da Rua do Lavradio, na Lapa carioca. Muitas vezes em LPs que custaram R$ 2, R$ 3.

“A ideia é passar para a frente essa música, para uma geração mais nova. E despertar a maioria das pessoas que viveram essa época e tão com essas músicas na cabeça. Não deixar as coisas morrerem, porque a gente tá deixando uma porrada de coisas morrer. Isso tudo tem a ver com preservação de memória. Quando comecei a pesquisar essas músicas, não tinha nada sobre elas nem na internet. Teve coisa que só achei em CD da (gravadora) Revivendo”, conta, aproveitando para elogiar o trabalho do Instituto Memória Musical Brasileira (IMMuB). “Não fosse o site deles, sei lá de onde eu ia pegar informações para o trabalho com o Reconquista”.

Foto da banda: Luciola Villela

Advertisement
>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

Continue Reading
Advertisement

Destaque

Dan Spitz: metaleiro relojoeiro

Published

on

Se você acompanha apenas superficialmente a carreira da banda de thrash metal Anthrax e sentia falta do guitarrista Dan Spitz, um dos fundadores, ele vai bem. O músico largou a banda em 1995, pouco antes do sétimo disco da banda, Stomp 442, lançado naquele ano. Voltaria depois, entre 2005 e 2007, mas entre as idas e as vindas, o guitarrista arrumou uma tarefa bem distante da música para fazer: ele se tornou relojoeiro (!).

A vida de Dan mudou bastante depois que o músico teve filhos em 1995, e começou a se questionar se queria mesmo aquela vida na estrada. “Fazíamos um álbum e fazíamos turnês por anos seguidos, e então começávamos o ciclo de novo – o tempo em casa não existia. É uma história que você vê em toda parte: tudo virou algo mundano e mais parecido com um trabalho. Eu precisava de uma pausa”, contou Spitz ao site Hodinkee.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Rockpop: rock (do metal ao punk) na TV alemã

Na época, lembrou-se da infância, quando ficava sentado com seu avô, relojoeiro, desmontando relógios Patek Philippe, daqueles cheios de pecinhas, molas e motores. “Minha habilidade mecânica vem de minha formação não tradicional. Meu quarto parecia uma pequena estação da NASA crescendo – toneladas de coisas. Eu estava sempre construindo e desmontando coisas durante toda a minha vida. Eu sou um solucionador de problemas no que diz respeito a coisas mecânicas e eletrônicas”, recordou no tal papo.

Spitz acabou no Programa de Treinamento e Educação de Relojoeiros da Suíça, o WOSTEP, onde basicamente passou a não fazer mais nada a não ser mexer em relógios horrivelmente difíceis o dia inteiro, aprender novas técnicas e tentar alcançar os alunos mais rápidos e mais ágeis da instituição.

Advertisement
>>> Veja também no POP FANTASMA: Discos de 1991 #9: “Metallica”, Metallica

A música ainda estava no horizonte. Tanto que, trabalhando como relojoeiro em Genebra, pensou em largar tudo ao receber um telefonema do amigo Dave Mustaine (Megadeth) dizendo para ele esquecer aquela história e voltar para a música. Olhou para o lado e viu seu colega de bancada trabalhando num relógio super complexo e ouvindo Slayer.

O músico acha que existe uma correlação entre música e relojoaria. “Aprender a tocar uma guitarra de heavy metal é uma habilidade sem fim. É doloroso aprender. É isso que é legal. O mesmo para a relojoaria – é uma habilidade interminável de aprender”, conta ele. “Você tem que ser um artista para ser o melhor – seja na relojoaria ou na música. Você precisa fazer isso por amor”.

>>> POP FANTASMA PRA OUVIR: Mixtape Pop Fantasma e Pop Fantasma Documento
>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

Continue Reading

Cinema

Bead game: desenho animado sobre agressividade

Published

on

Bead game: desenho animado sobre agressividade

Em 1977, o diretor de cinema Ishu Patel fez o curta-metragem de animação Bead game, que foi relançado recentemente pelo National Film Board of Canada.

Para mostrar como a agressividade pode chegar a níveis inimagináveis, ele criou uma animação que usa apenas contas coloridas, que ganham a forma de vários objetos, animais, pessoas e monstros – um lado sempre tentando derrotar o outro. E quando você nem imagina que a briga pode ficar maior ainda, ela fica.

Via Laughing Squid

Advertisement
>>> POP FANTASMA PRA OUVIR: Mixtape Pop Fantasma e Pop Fantasma Documento
>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

Continue Reading

Cultura Pop

Bad Radio: no YouTube, a banda que Eddie Vedder teve antes do Pearl Jam

Published

on

Bad Radio: no YouTube, a banda que Eddie Vedder teve antes do Pearl Jam

Em 1986, surgiu uma banda de rock chamada Bad Radio, em San Diego, Califórnia. Foi um grupo que fez vários shows, ganhou fãs e se notabilizou como uma boa banda de palco da região. Mas que se notabilizou mais ainda por ter tido ninguém menos que o futuro cantor do Pearl Jam, Eddie Vedder, nos vocais.

Eddie Vedder, que é lá mesmo de San Diego, aportou por lá em 1988 e ficou até 1990. Conseguiu fazer uma mudança geral no grupo, que tinha uma sonoridade bem mais new wave com a formação anterior, com Keith Wood nos vocais, Dave George na guitarra, Dave Silva no baixo e Joey Ponchetti na bateria. Wood saiu do grupo e com Vedder, a banda passou a ter uma cara bem mais funk metal, e mais adequada aos anos 1990.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Discos de 1991 #5: “Ten”, Pearl Jam

E essa introdução é só para avisar que jogaram no YouTube a última apresentação do Bad Radio com Vedder nos vocais. Rolou no dia 11 de fevereiro de 1990, pouco antes de Eddie se mandar para Seattle e virar o cantor de uma banda chamada Mookie Blaylock – que depois virou Pearl Jam. A gravação inclui as faixas What the funk, Answer, Crossroads, Just a book, Money, Homeless, Believe you me, What e Wast my days. O show foi dado no Bacchanal, em San Diego.

Advertisement

Com a saída de Vedder, o Bad Radio ainda continuou um pouco com o próprio Keith Wood, de volta, nos vocais. Segundo uma matéria publicada pela Rolling Stone (e que tem detalhes contestados pelos ex-integrantes do Bad Radio), Vedder não foi apenas cantor da banda: ele virou assessor de imprensa, empresário, produtor e o que mais aparecesse. A lgumas testemunhas dizem que a banda não era favorável ao lado ativista de Eddie (que costumava dedicar músicas e shows aos sem-teto), o que ex-integrantes do Bad Radio negam (tem mais sobre isso aqui).

>>> POP FANTASMA PRA OUVIR: Mixtape Pop Fantasma e Pop Fantasma Documento
>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

Continue Reading
Advertisement

Trending